Hoje dá na net: Chet Baker – Let’s Get Lost, o documentário

Let’s Get Lost (1988) é um documentário sobre a vida turbulenta  e a carreira do trompetista de jazz Chet Baker. Escrito e dirigido por Bruce Weber, Let’s Get Lost é um dos mais belos filmes reais feitos sobre o universo do jazz no séc. XX e o mais marcante dedicado à figura singular de Chet Baker.

Para todos os amantes de jazz. Imperdível.

Comments


  1. Já reabriu o HOT CLUB, tendo há pouco tempo sido dito ser o primeiro Clube de jazz da Europa – fundado pelo menos por Villas Boas, onde tocava piano-jazz o arqtº José Luis Tinoco + engº.Vasco Henriques (piano – meu colega de colégio, mais velho sendo supresa reencontrá-lo ali) + contrabaixo, médico AntºManuel Veloso (ainda vivos) e não me lembro de mais nomes agora – tendo Villas Boas realizado, também, o primeiro Festival de Jazz em Cascais e os que se seguiram
    O 1º edifício ardeu (em cave) em 2010 ?? ou 2011 ?? ardeu – mas outro ficou na mesma Praça em edifício cedido pela CML- clube por onde passaram os mais importantes homens do jazz dos USA (do tempo do jazz revivalista de New Orleans) e não só – não me recordo se também Miles Davis – creio que sim – e outros, claro, que não recordo como é natural PS: subdesenvolvimento em Portugal só nos governantes e outras castas de decisores – desgraçadamente têm todos a mais baixa capacidade cognitiva do país – mas não têm o meu salário, que até prometem ratar, mais uma vez, a partir de um de janeiro, além de encarecer assistência médica e medicamentosa – estão para ali na SIC a dizer que a taxa moredadora das consultas vai mesmo triplicar creio que para 10 euros, atitude que me parece estar na linha do que sucedeu no governo antrior (ou também agora mas nem noticiam), das parturientes que têm as suas crianças nos carros de Bombeiros que têm de repente de acostar na beira da estrada (IP) – E em que terra ficarão registados bébés como tendo nascido ?? filhos da A1 ou do IC 23 ?? – já nem há local para nascer – até os animais nascem nos currais sossegados e com telhado, em cima da palha, e sem mirones – o sr do CDS está práli a explicar tudo “aos soluços” muito bem explicado mas como não teve aulas de leitura, porque não aprendeu, nas escolas por onde andou, a LER sem soluços – coitadinho – mas há pior pois que outros “arrotam” ou lêm palavras em fracês e inglês aportuguesadamente – boa – o ministro da educação nem dá por nada – Na clínica de Santo Antº da Amadora a transfusão de sangue de um senhor para operar a joelho morreu – enganaram-se no tipo de sangue a dar-lhe – boa – a tentativa de o salvar no Curry Cabral não deu nada – Stª Maria cegou as pessoas operadas a cataratas – mas quem são estes médicos que só podem entrar nas univ com 20 valores e saem “matadores” ?? E.ON vai comprar a EDP – para a srª Merkel que vem ainda cá buscar mais umas “coisas” – faz favor minha senhora, por quem é – Em Castelo Branco os professores (novos mas casados e com filhos e sem ter onde os deixar) que aí dão aulas, mas não habitam, para não terem tanta despesa em portagens e gasolina (por veses vivem a quase 200 km de distância da escola onde foram colocados) unem-se e vêm em carro de outrém – pela A23 – portagens e gasolina a dividir por todos. Parece o que vi (e vivi) em 1967 (??) no México em que o taxi ía enchendo pelo caminho até estar cheio, e dividia-se a despesa com os desconhecidos – andar em autocarro nem pensar – mas adorei o México, as Pirâmides do Sol e da Lua que estavam a ser desenterradas e o lindo parque no centro da cidade capital e de Chochimilco (sitio de flores e barcos decorados com pintura estilo Aveiro), o de parque urbano de Chaputelpeck que tinha um ZOO de animais selvagens misturados com domésticos e as crianças brincavam com todos os bichos – e eu também – e um dia um pprof que aí ensinava, meu amigo, pediu que desse uma lição de Recreio e Espaços de Recreio e tinha muitos slides do mundo percorrido, e lá levei 50 slides lindíssimos – mas roubaram-mos do carro estacionado frente à escola – irrecuperáveis claro – patifes (não eram brasileiros) – ainda não havia, nem de longe, computadores e powerpoints – rais parta os ladrões – mas parece que pelo UK os portugueses não andam, mais uma vez, a ser bemtratados pois que um bom profisional, e a aí a trabalhar há vários anos e falar fluentemente 3 línguas, acaba de ser despedido, mesmo chefiando serviço, porque todos os trabalhadores que chefia são polacos e só falam polaco – rua ??? rua !!
    MAs também foi posto na Rua o dr Osório cnvidado para gerir o Banco mais importante da City – o LLoyds – que trablhou tanto que teve um esgotamento e veio para Portugal tratar-se – RUA !!!!!!!!!! mas consta que decidiram voltar com a palavra atrás e que pode regressar (parece ???assim que não se compara a sua qualidade profissional com a dos impecáveis e valiosos britânicos) será que Cambrigde e Oxford já não forma os melhores ou é uma questão de preço de salário

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.