O Natal triste de José Pacheco Pereira

Hoje, dia 24 de Dezembro, José Pacheco Pereira (JPP) desejou-nos «Um Natal triste».
Não, obrigada, sr. Dr.! Vamos tentar que ele seja o mais feliz possível.
O historiador teve a oportunidade única de desejar Um Feliz Natal a cerca de 45 mil leitores do PÚBLICO em papel mais os leitores online. Desperdiçou-a totalmente. Teve azar que este dia tão especial fosse a um sábado, dia do seu espaço no referido diário. Sem nada para dizer que pudesse contribuir para alimentar um pouco da esperança que anda pelas horas da amargura, escreveu “Este Natal será triste. (…) Digo triste, porque mais ou menos, vaga ou profunda tristeza, todos sabem que a vida vai piorar, e que não existe esperança no futuro próximo (…). Tudo é mau para milhões de portugueses (…).
Os jovens que o lerem (leram) terão mais uma razão para o desânimo: “um mundo com emprego e com a possibilidade de «construir» o seu espaço próprio não existe”. Assim também os mais velhos terão mais um motivo para lembrar o que já adivinham, que “o fim da sua vida, a reforma, a doença, o declínio físico, vão ser muito piores, a solidão e a dependência ainda maiores”. E ainda há mais: as decisões deste Natal,  “de um Natal triste” é “matar-se, emigrar, desistir, resistir”, escreveu JPP.
Aproveito apenas a palavra «resistir».
É preciso muita resistência e resiliência. Resistir, «aguentar», « aturar», «lutar», «subsistir», «reagir», »recusar» estas palavras de pessimismo que não levam a nada. Apenas à inação e à não-vida.
Tretas são as suas palavras, JPP,  que depois de lidas vão para o papelão de forma a poderem vir um dia a transformarem-se em algo positivo e , quem sabe, virem calhar às suas mãos em algo novo.
Mesmo assim, desejo,  sinceramente, ao sr. Pacheco Pereira, um  Feliz Natal e um Bom Ano Novo.
(Numa coisa ele terá esperança: que muitos leitores tenham paciência em lê-lo e ouvi-lo em 2012…).
Céu Mota

Comments

  1. Céu Mota says:

    Texto de Céu Mota, que vos deseja um Feliz Natal. Eu acredito num tempo melhor. É preciso acreditar e ter esperança no futuro que depende, em grande medida, de nós próprios!

    • maria celeste d'oliveira ramos says:

      Céu Mota-É claro não é ?? até faz pensar na Primavera Árabe sem sindicatos, e porque não na impensável e espontânea e primeira manifestação na RUA, de 300 mil russos e a palavra de Gorbi depois de 20 anos do desmembramento da URSSS?? As prendas de Natal não têem de ser o que eram, mas natal é sempre porque o “novo sol” nasce no tempo certo do solstício de inverno após a escuridão da noite mais longa do ano – a RTP INFORMAÇÂO está a dar a síntese dos acontecimentos mais desatrosos de 2011 como se fôra não um dia, mas um ANO de escuridão, não penas devido aos grandes acidentes naturais no mundo deitando ao chão e apenas em instantes breves, o que se construíu em séculos, desde os tsunamis, mas também às manifestações dos cidadãos que foram para a rua aos milhares, e que varreram o mundo e sendo até que a Libia agradeceu perante os écrans do mundo, aos soldados de portugal de boina azul, que como engenheiros e homens de paz, construíram e levantaram do chão o que outros deitaram abaixo espalhando dor e morte
      Tsunamis naturais e humanos que acordaram os mundos do “ter” e dos enganos e mêdos e ameaças – cá estamos para ver o desmembrar de todas as injustiças e indignidades cometidas contra os homens de bem


  2. Isso não são desejos, são inevitabilidades que a maioria dos portugueses já deviam ter percebido em Março.

  3. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Juntem J.Pacheco Pereira a Marcelo Rebello de Sousa, misturem, adicione-se uma folhinha de hortelã, mas cuidado, e veja se está preparado para este fortíssimo “shot”

  4. Tito Lívio Santos Mota says:

    O Pacheco Pereira marimba-se para tudo.
    é o Bernard-Henry Levy português.
    Um camafeu político ultra-reacionário que foi para o MRPP por ódio à democracia nascente e se refugiou no PSD/Tacho depois de morto Sá Carneiro, porque a viragem direitista lhe agradou e lhe garantiram tacho vitalício.

    E se passássemos a outra coisa?

  5. Joao says:

    O pacheco é hipócrita, não faz nada que se veja da vida a não ser dar palpites e ideias tolas, cujo fundamento e moral é gelatinoso, na tv e nos jornais, ganhando o seu cheque mensal que não há.de ser pequeno. Diz ele que o Natal este ano é triste? Palhaço, é mais um verme ascroso que anda para aí a usar situações alheias para ganhar o dele sem contribuir um milímetro para o melhoramento de nada; pelo contrário. De medíocres está Portugal cheio, já enerva tanta hipocrisia…

  6. Ricardo says:
  7. maria lina vicente says:

    este senhor JPP já não me conhece…desde que foi para o PSD ficou com o ego inflamado,um dia gostava de passar por ele na rua…

  8. edmundo ferreira says:

    eu pergunto-me que raio de diretinha é esta e que raio de esquerda especial é esta que insulta um dos seus principais representantes ou elite intelectual naquele sentido em que o
    Pereira Coutinho o empregou .
    Tenho pena , muita pena de vocês…falo bem no plural .

    Eu

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.