De todos! Mesmo de TODOS!

Claro que a Manif de sábado é de TODOS os portugueses, pelo menos dos que trabalham ou dos que querem e não conseguem trabalho. O 15.S foi o primeiro de muitos dias  – será um marco na história Portuguesa – e descansem os mais sossegados boys de serviço – ninguém se vai calar com a TSU porque quem esteve na rua está tão interessado na TSU como noutra forma de roubo qualquer! O ponto é este amiguinhos laranjinhas: não queremos continuar a ser roubados! Basta! Há outro caminho e já muita gente o diz. Por isso, Sábado, voltamos à rua. E tu? Queres transporte para Lisboa no Sábado? Anda daí!

Comments


  1. Eu vivo em Lisboa e não precido portanto de boleia – mas obrigado – que bom virem em nº máximo por carro – para chegarem melhor porque até creio que as IP estarão engarrafadas quem sabe
    TODOS é todos de facto e mesmo os que até tâm mais do que o ordenado mínimo ou mais inda mas não é APENAS o ddinehri e falta de emprego que está em causa mesmo que o mais importante para a visa sega poder ser livre e governar a sua vida com o que se ganha, mesmo injusto (como é o meu caso em que desde 1995 já me sacaram 44%-como disse engºPicanço) – Eu vou por todos pois já disse que para mim vai chegando – mas eu tenho sentido colectivo que fui cultivando e desenvolvendo e, como os mais pobres dos pobres e mesmo analfabetos, esses eu tenho, como eles, o sentido de justiça, mais próximo da natureza cósmica do homem e até isso está inscrito no genoma humano, embora saibamos que há gangsters e Al Capones
    Ou seja, a dignidade e honra humanas estão a ser tocadas como nunca foi, nem no tempo de Salazar em que vivi e não esqueço e me “marcou tanto” e levei anos, depois de 1974, a perceber onde estava, mas mesmo assim havia liberdade ao menos de PENSAR e SENTIR, calado para não se sofrer mais pois que nem todos podiam ir para o Aljube ou Caxias ou Tarrafal e nem se era nem politizado nem partidarizado (fora os que eram e eram poucos) – Adriano Moreira é bom exemplo do que digo e antes de 25 a viveu, como eu, com o que havia – Mas agora tiraram até o SILÊNCIO que tínhamos de sentir e pensar que preencheram de ruídos ensurdecedores fazendo dos VIVOS além de drogar – drogar o pensamento – como antes se fazia – mas nem todos se drogam – acordaram e manifestaram-se porque se atingiu a honra de se ser homem – Ontem “entalaram o dr Pinto Monteiro” que tem a minha idade e muitas vivências comuns e foi bastante subtilmente claro fazendo entender que nem ele, mesmo diriguindo um orgão de soberania, podia cortar a direito – certamente porque seria substituído por outro que seria pior e sem honra – quando não se pode fazer a 100% faz-se o que é mais útil e eficaz e a longo prazo – creio até que pior do que o bastão da polícia e do Aljube, é a metralhadora esconmdida que destrói o ser humano no seu sentido mais completo – salazar destrui mentes e a pobreza não foi erradicada – e AGORA qual a diferença em termos de essência ?? Temos mais IPS e somos da UE – e depois ?? e vamos ter TGV e outras merdas e mentiras e de+pois ?? E tínamos os sectores produtivos equilibrados e os serviços e agora ?’ está tudo espatifado como se fôssemos agredidos por um PIT-BUL raivoso com ar de santinho a cantar ópera e a dizer poesia camoniana ? Mas que PERVERSÃO – PERVERSÂO – PERVERSÂO – isto não vai ficar assim – os portugueses não são estúpudos – são lentos mas descobriram a INDIA indiana e a INDIA INTERIOR em cada um de nós


  2. ESTÚPIDOS – lentos – para não se precipitarem – espero que não se perca a cabeça e que os agitadores que há sempre nos mundos – não POLUAM e sejam bem manietados
    Mas na NATUREZA natural há também parasitas porque é preciso de tudo p+ara fazer o mundo e termoe regerências para apartarmos o preto do braco – cansados de viver no “cinzento” – é preciso limpar a porcaria que cai “de cima”

  3. carlos says:

    concordo com tudo mas só n~~ao quero que saiam os laranjinhas para entrarem os rosinhas

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.