Acabar com o desemprego é fácil

Contratados a três euros/hora para escolas

Faz sentido

-Colocar na supervisão da Banca europeia quem foi em Portugal tão eficiente na última década. BPN e BPP não passaram de mera ficção…

Nogueira Leite já se pirou?

Depois de ter anunciado que se pirava se os impostos aumentassem, para alivio da pátria e dos portugueses honrados em geral, António Nogueira Leite apagou a declaração de partida do Facebook. Será que abriu uma vaga na administração da CGD?

A ansiedade entre os candidatos ao lugar é enorme. É que ele até pode trabalhar para os impostos até Agosto, mas um salário bruto de 189 mil euros/ano mesmo que se receba apenas três meses chega perfeitamente para várias famílias numerosas.

Catalunha Independente?

Manifestação de um milhão em Barcelona (em inglês)

Hoje há bandarilhas – Canadá

11 de Setembro de 1973

Estava em Munique pela segunda vez para voltar a ver a fabulosa pinacoteca. Por um lado, a paixão pela pintura. Por outro, o assombro magoado com que olho para as pedras vivas do nazismo, de todas as brutalidades e crimes hediondos, sejam de direita ou de esquerda. E foi ali, numa taberna de Munique, que Hitler fez as primeiras reuniõs do que viria a ser a legião dos exterminadores. Para alem do genocídio, a grande roubalheira. As paredes do museu bem o demonstram. Ao saír, deparo com um desfile de homens e mulheres morenos, sombrios, alguns chorando, que empunhavam cartazes em alemão, língua que não entendo. Aproximo-me. Oiço que falam espanhol entre si. Pergunto: que pasa? Responde-me um rapaz: mataran a Allende, estan matando como locos, es un golpe fascista de Pinochet.

11 de Setembro de 2001

Tomava o pequeno almoço, em Toronto, olhando pela tv as notícias da manhã. Subitamente, o noticiário é interrompido para, por palavras e imagens, darem a saber que um ataque terrorista estava a atingir as Torres Gémeas em New York. Horrorizada, pensei: estão lá a Susy e o Manny (jovem casal meu amigo). New York aqui tão perto, de repente tão longe. Seguiu-se um dia inteiro de sofrimento e mágoa. Os estados maiores do Estados Unidos da América e do poder islâmico não são flor que se cheire mas, meu Deus, porque têm sempre de ser os mais pequenos e desmunidos a pagar? [Read more…]

Fernando Antão de Oliveira Ramos (1933-2012)

Antão Ramos

No passado Domingo, despedi-me pela última vez do meu Patrono.

Senti a solidão própria de quem perdeu uma referência viva, e a amargura consequente de não ter aproveitado mais a sua vida. O que sempre acontece quando damos as coisas e as pessoas por garantidas, olvidando, tantas vezes, a nossa precária condição existencial.

Fernando Antão de Oliveira Ramos ensinou-me tanto sobre advocacia quanto sobre a vida. No seu estilo próprio, sólido, entre o racional e o temperamental. O seu pensamento metódico e a sua capacidade de articulação de raciocínio preciso e assertivo. O seu riso ritmado pela sucessiva graça encontrada na piada repetidamente analisada. O seu olhar vivo, cativante e profundo, com que perscrutava tudo quanto mirava. A sua imponência física em homenagem à sua solidez de carácter e de pensamento, retocado com um sorriso maroto.

Aprendi muito sobre a prática política, nas suas resenhas sobre a sua actividade enquanto deputado da Assembleia da República pelo PS na sétima legislatura, ora feita num  intervalo de trabalho ora decorrente de um assunto do escritório.

O reconhecimento do seu valor intelectual, alcança-se pela alcunha que lhe foi dada enquanto membro da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias: “O Sábio”.

Tudo quanto aprendi não é possível elencar, porque há coisas que se absorvem e se interiorizam, sem ser possível, sequer, enunciar.

No passado Domingo, a despedida física passou enquanto momento, mas irá permanecer como memória. Aqui, hoje, só posso despedir-me como sempre me despedi: “Com um grande abraço amigo, deste seu eterno estagiário.”

Mais instruções

Quando a realidade contraria os desejos de Nuno Crato

Aldrabar estatísticas já faz parte da natureza de um ministro, em particular se tiver a pasta da Educação. Nuno Crato tem demonstrado estar à altura dos seus antecessores, justificando a austeridade no seu ministério com a quebra do número de alunos, mentira que vai sendo repetida pelos engraxadores de serviço.

Azar dos azares, até a OCDE acaba de o desmentir:

Segundo o ministro da Educação português, a tendência para a redução do número de alunos está para ficar devido aos baixos níveis de natalidade. Já a OCDE, no seu relatório anual sobre o Estado da Educação – Education at a Glance -, hoje divulgado, coloca Portugal entre os sete países da organização que, em 2015 escaparão a esta tendência, no que respeita ao grupo dos jovens entre os 15 e os 19 anos.

É que se a demografia puxa para um lado, a escolaridade obrigatória até ao 12º ano empurra para outro, e com mais força.

Claro que essa obrigatoriedade pode ser revogada com um simples decreto-lei. A chatice é que o descaramento ainda não chegou a tanto. Para lá caminhamos.

“Um terço é para morrer”

José V. Malheiros (não) foi duro! Escreveu hoje no Público O Sonho de Pedro Passos Coelho. Coloca aspas na primeira frase e fecha aspas após a última palavra de um longo e eventual sonho do PM ou, melhor, o grande pesadelo dos portugueses:

Um terço é para morrer. Não é que tenhamos gosto em matá-los. (…)não os vamos matar-matar (…). O Mota Soares (…) com aquela cara de anjo (…). O Paulo Macedo (…) não é genocídio, é estatística. (…) Estas tretas da democracia e da educação e da saúde para todos foram inventadas quando a sociedade precisava de milhões e milhões de pobres (…). O outro terço temos de os pôr com dono. (…) O outro terço são profissionais e técnicos (…) estes estão no papo. (…) Com um terço da população exterminada, um terço anestesiado [futebol, telenovelas e reality shows] e um terço comprado, o país pode voltar a ser estável e viável. (…) O Ângelo diz que, se continuarmos a portarmo-nos bem, um dia nós também vamos poder pertencer à elite.”

Estamos todos no papo, independentemente do terço a que pertencemos.

Mas pensando bem… Malheiros não fez bem as contas. A divisão em 3 partes não é rigorosa.  Infelizmente, é mais que “um terço para morrer” …

A turma de Nuno Crato tinha mais de trinta alunos

Confesso que tenho um gosto perverso em assistir a programas televisivos que detesto. Sempre que posso, revejo, por exemplo, o Knight Rider, provavelmente uma das piores séries do mundo. Também não consigo tirar os olhos do ecrã, quando vejo um cantor pimba a repetir quarenta vezes um refrão, enquanto pula com uma alegria tão postiça que parece um capachinho de má qualidade. A idiotice de José Castelo Branco deixa-me absolutamente mesmerizado. Durante algum tempo, o cabotinismo de José Sócrates punha-me um sorriso de beatitude nos lábios. [Read more…]

Um ingrato…

O indivíduo que nos governa oferece-lhe de mão beijada 20 milhões de euros por ano e o Belmiro ainda vem criticar a medida. Há cada ingrato neste mundo…

Instruções

Salvador Allende Gosens

220px-Allende.jpgLo conocí por casualidad. Fue en la época en que se candidateaba para la Presidencia de la República de  Chile. Corría contra Jorge Alessandri Rodríguez, en 1954 quien ganara la presidencia por una mayoría de votantes muy baja, pero que le permitió ser Presidente de la República sin consulta al Parlamento. Tenía yo trece años, el Senador Allende, en el año de 1945, tenía cincuenta y seis. Supe que visitaba nuestras tierras, en donde nuestro padre era quién poseía la jefatura de una central eléctrica, trabajaba con 350 obreros y 27 técnicos. Mandaba también sobre la fuerza policial. A nuestra casa, en época de elecciones, entraban todos los candidatos de la ideología del ingeniero especialmente la Democracia Cristiana.

[Read more…]

Luís de Camões – 10 canções ditas por Luís Miguel Cintra

Sobre Luís de Camões, temos na net Os Lusíadas em versão integral e temos um conjunto de filmes, documentários e narrações da sua obra. Apenas como forma de introduzir Camões, que posteriormente será estudado em Português, aconselho as canções ditas por Lu+is Miguel Cintra, de um album editado em 1995. O texto do poema que apresento pode ser encontrado aqui.

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 5 – Expansão e mudança nos séc. XV a XVI
Unidade 5.2. – Os novos valores europeus

A Garda (Galiza)

Vítor Gaspar fala hoje ao país

Dizem que os amaricanos da CIA lêem estes comentários e posts todos, não é? Através de algorítmos e tal, não é?… Então, aqui vai:
Kill the US President, Victor Gaspar is the Al Qaeda hitter who is going to kill the president and Mitt Romney too. He will, with the aid of Pedro Passos Coelho (head of our portuguese section) kill also the entire Saudi royal family and take over the oil, all of it. Allah Uh Akbar.

Imaginem quem vai levar como secretário

Vítor Constâncio apontado para presidir à União Bancária

%d bloggers like this: