Alberto da Ponte: televisão e cerveja são produtos semelhantes

“Há uma grande proximidade entre o negócio da cerveja e o da televisão.” terá declarado Alberto da Ponte, ao tentar demonstrar que é indiferente vender cerveja ou gerir um canal público de televisão. “Em primeiro lugar, ambas podem contribuir para criar barriga e ambas estupidificam as pessoas, se consumidas em excesso. Por outro lado, o comércio de cerveja, em Portugal, é um serviço público, especialmente nas festas universitárias.”

Depois de terminar o seu mandato na RTP, e desejando dar novos usos à experiência de acabar com serviços públicos, Alberto da Ponte já terá manifestado o desejo de ser ministro da Educação, porque, segundo diz, a cerveja e a escola, no fundo, despertam-lhe a mesma vontade de engolir tudo de uma só vez.

Baratas tontas –

Pânico sem limites. – BCE anuncia programa de compra de dívida soberana.

Hoje há bandarilhas – Canadá

Num dia a Procuradora, em entrevista a um jornal, fez uma confissão: “eu sou de esquerda”. Dali a poucos dias, fazia o seu número na chamada “universidade de verão” do PSD, que é onde os jotinhas acumulam créditos para um dia pedirem equivalências às lusófonas, obtendo licenciaturas Pepe-Rápido, segundo o egrégio modelo Relvas.

Fico sem saber se a Procuradora pertence à esquerda de quem entra ou de quem sai.
Tomada de imparável verve, animada por uma jotinha que queria Sócrates preso por ter dinheiro para viver em  Paris, a Procuradora, naquele  seu  discurso errático, foi dando os amens ao ódio cego dos jotinhas. Tão cego que nunca repararam nos teres e haveres do Valentim  Loureiro, do Oliveira e Costa, do Isaltino,do Dias Loureiro, do genro daquele senhor que está a fazer de rei em Belém e outras ínclitas figuras da social democracia à portuguesa.
Lançada em órbita, a Procuradora proclamou:”Digo olhos nos olhos:o nosso país não é corrupto, os nossos políticos não são corruptos, os nossos dirigentes não são corruptos”. Dei comigo a pensar, já que a senhora vê sem óculos e parece esperta: Julieta dos Espíritos convertida ao Padre Américo. Não há rapazes maus. É o nacional porreirismo em todo o seu esplendor. [Read more…]

Rui Ramos e Steven Weinberg

Não me pronunciarei sobre a polémica Manuel Loff/Rui Ramos. Ainda não li a História de Portugal de Rui Ramos, Bernardo de Vasconcelos e Sousa e Nuno Gonçalo Monteiro.

Apenas assinalo, com satisfação, que o grande Steven Weinberg começa a fazer escola em Portugal. Pode ser que a doutrina pegue.

Finalmente, Fernando Rosas, quando me criticar, tente criticar-me por causa daquilo que eu escrevi e penso, não por causa daquilo que lhe dava jeito que eu escrevesse ou pensasse

Rui Ramos, no Público de hoje, p. 47.

[Read more…]

Parabéns Adriano Moreira

Sim, ter sido ministro de Salazar e acabar democrata é raro, mas possível.

Mistérios

Porque será que alguém oculta um cargo que exerceu no seu curriculum vitæ?

Lázaro

Há escritores, esses bons amigos, que nos abrem portas ou retiram pedras para o lado para vermos a luz, como o australiano Morris West (1916-1999), um dos romancistas “mais populares” do século XX:

Sempre me interroguei sobre Lázaro. Transpusera os portões da morte. Quereria regressar à vida? Agradeceu a Jesus Cristo por o trazer de volta? Que tipo de homem foi depois? Como foi que o mundo o viu? (Uma Visão Sublime, 1996)

(Ressureição de Lázaro, Rembrandt, 1630/31 )

A História de Rui Ramos desculpabiliza o Estado Novo?

Transcreve-se aqui um artigo de São José Almeida no Público que pode clarificar algumas coisas sobre a “polémica” do momento. Coloco aspas porque um dos lados nem um argumento utiliza: rodeado de gente das mais variadas profissões que não a de historiador do séc. XX, o contra-ataque não passa disso mesmo na forma mais baixa: Manuel Loff é acusado de ter escrito o que não escreveu. Transcrevo o artigo integralmente pela simples razão de que o Público se esquece dos seus próprios arquivos, e da pertinência de colocar online (já para não falar em republicar na edição em papel) aquilo que sem dúvida é seu. Ora nem esta edição do jornal (31-05-2010) está à venda, nem no séc. XXI faz sentido ir a uma hemeroteca procurá-lo.

A História de Rui Ramos desculpabiliza o Estado Novo?

Rui Ramos lamenta que em Portugal a História seja vista “a preto e branco, ou esquerda ou direita”. E que se conviva mal com diferentes interpretações do passado. Mas outros historiadores vêem na mais recente História de Portugal, coordenada por este autor, um discurso que desculpabiliza o Estado Novo e diaboliza a I República. Há mesmo quem fale em “legitimação” do regime de Salazar. E quem acuse esta História de ignorar a violência daqueles anos.

Por São José Almeida [Read more…]

a marcha dos jornaleiros

 Foto: La Opinión

Quando Miguel Hernández, que haveria de morrer, aos 31 anos, numa prisão franquista, escreveu “Andaluces de Jaén”, elevou a símbolo de um povo esses homens e mulheres, “aceituneros altivos”, cujas vidas eram uma sucessão de trabalhos e penas para não mais do que um pouco de pão e um humilde abrigo.

Na Espanha dos “señoritos”, que o romancista Miguel Delibes retratou impiedosamente, os camponeses estavam à total mercê dos seus senhores, e se a um señorito, numa tarde de calor entediante, lhe apetecesse espancar um camponês, ou toureá-lo, ou cuspir-lhe no rosto, ou esbofeteá-lo perante os seus filhos e netos, nada nem ninguém o impediriam.

Nada que se compare com os dias de hoje, dirão, mas quando vejo a marcha dos jornaleiros – os trabalhadores agrícolas sem terras, que trabalham a troco de uma remuneração diária, e que ganham em média 6 a 7 euros por hora de trabalho – ocorre-me que não há muita diferença entre os azeitoneiros altivos de Miguel Hernández e estes homens e mulheres que avançam pela estrada que une Utrera a Sevilha, onde o sol queima mais do que em qualquer outra terra de Espanha,  que fazem ondear bandeiras da Andaluzia, da República e do Che, e vão tomando, sem violência e por poucos minutos, sucursais de bancos, gritando, de cada vez que avistam uma: “Aquí está la cueva de Ali Babá”. [Read more…]

Nem as estradas nos valem

Carta da Estradas de Portugal insere-se num quadro de normal funcionamento entre empresas e tutela - Min. Obras Públicas“Nem as estradas salvaram Portugal da queda no índice de competitividade.

País desceu quatro lugares, para a 49.ª posição, no Índice Global de Competitividade e está “perigosamente

na cauda do pelotão” face à Irlanda, Chile e República Checa, consideradas economias similares.

Entre 144 países analisados pelo Fórum Económico Mundial, Portugal é o quarto com as melhores estradas.” (hoje no Público).

Portugal perde competitividade mas é o País das Estradas (e do Futebol)!

Continuam as trapalhadas, ilegalidades e imbecilidades nos concursos de professores

Admito, caro leitor, que começa a ser um exagero esta coisa dos concursos de Professores. Mas é tão estranho o momento, que só os dedos nas teclas permitem alguma paz.

No dia 31 o Ministério colocou uns milhares de professores. Sabemos agora que cerca de 1500 estão mal colocados! Há escolas com professores a dobrar, docentes colocados em escolas a centenas de quilómetros da que seria a sua justa colocação e até há um professor aposentado colocado em Braga.

Há de tudo, como na farmácia.

Para ajudar à festa, o MEC resolveu obrigar algumas escolas a desenvolverem um concurso interno (ofertas de escola) para os lugares ainda em falta – a confusão estalou, cresceu e agora chegou a indicação do MEC: tudo suspenso até ordens em contrário.

Já não chegava a vergonha que foi o tratamento aos docentes dos quadros durante o verão.

Já não era suficiente os mais de quarenta mil desempregados.

Ainda era preciso isto!

O que diria o comentador Nuno Crato no Plano Inclinado?

 

O Mercador de Veneza

Filme realizado em 2004 por Michael Radford, com Al Pacino, Jeremy Irons e Joseph Fiennes. Baseado numa obra de William Shakespeare, serve sobretudo como contextualização da época em estudo.
ficha IMDb

Da série Filmes para o 8.º ano de História
Tema 5 - Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.
Unidade 5.2. - Os novos valores europeus

Muito trabalho, pouco resultado

Ofertas de Escola estão suspensas?

Nos concursos de Professores, são tantos os erros e as confusões que o MEC acaba de enviar para as escolas uma informação dando nota da suspensão das ofertas de escola. Mais informações em breve.

Do debate

Um artigo sobre uma discussão que me passou ao lado mas que trago aqui pela caracterização feita quanto à forma de debate que volta e meia se encontra. É nesses debates onde se vê, ou melhor, onde não se vê, a capacidade de discordar mas reconhecendo o direito de opinião diferente que se revela quem é democrata de palavra vã ou de actos realmente praticados. É nessas trocas de picardias onde se cai ou não na tentativa de descredibilizar o adversário pelo insulto que se constata estar ou não perante um simples censor. É em se procurar simular ter o apoio de uma multidão recorrendo aos conhecidos truques da navegação anónima que facilmente se identifica o troll.

A seguir, “Órfãos da guerra civil”, Pedro Lomba, Público, 4 Setembro 2012

[Read more…]