Órfãos de Sócrates

abutres11Todos os dias, parece confirmar-se que o S de PS é a primeira letra de “socrático”. O actual líder do partido tenta parecer seguro, treinando seguranças barítonas que escondem mal uns arranques aflautados patentes em frases pífias ou em abstenções violentas, mas, na sede do Rato, ao passar pelo corredor, sente suores frios, jurando aos mais íntimos que há movimento no olhar da fotografia do anterior primeiro-ministro, que, à mesma hora, estará a acomodar a baguete debaixo do braço, enquanto trauteia Que reste t’il de nos amours.

Segundo parece, a curta trégua concedida por António Costa a António José resulta do compromisso deste em aceitar assumir a herança dos governos Sócrates. Entretanto, Edite Estrela, um dos muitos donaltins do PS, afiança que o regresso de Sócrates seria uma mais-valia para o partido.

Ainda que de modo involuntário, Edite Estrela confessa que o importante é, exactamente, o partido. Caso contrário, teria dito que o possível regresso seria uma mais-valia para o país. Nada de novo no mundo clubístico em que se movem todos os vários bandos de necrófagos que disputam, alternadamente, os restos de um país em decomposição.

Os abutres do PS vivem, assim, num estado de orfandade e é inegável que Sócrates lhes faz muita falta. Não me refiro, é claro, ao alegado estudante de Filosofia, esse padrasto sempre presente, mas antes ao mestre de Platão, a figura paterna desprezada. Na verdade, se usassem os ensinamentos do filósofo, se perdessem tempo a interrogar o passado, se conseguissem perceber que governar e governar-se são duas acções opostas, poderiam vir a ser uma mais-valia para a nação. Pelo contrário, preferem continuar a ser um partido político, fazendo a apologia do pior dos Sócrates e evitando qualquer laivo de reflexão auto-crítica.

Comments

  1. josé Dias Fernandes says:

    A direita odeia socrates, a extrema esquerda odeia socrates o poder financeiro odeia sócrates, as corporações odeiam sócrates, os media odeiam sócrates só por isto volta socrates Portugal precisa de ti

    • António Fernando Nabais says:

      O portuguesinho é tão engraçado: quando alguém do seu clube é elogiado, é justo; quando é criticado ou odiado, o portuguesinho ainda fica mais certo de que o respectivo santinho merece ser elogiado (porque é um parente do forcado corajoso, ao enfrentar corporações mal-intencionadas e feias). O portuguesinho nunca se engana e raramente tem dúvidas e é por isso que está sempre bem representado em qualquer órgão de soberania. Volta, Sócrates, que o portuguesinho precisa de ti.

      • josé Dias Fernandes says:

        o portuguesinho tocou-te na ferida, ai ai dói tanto

        • António Fernando Nabais says:

          O portuguesinho toca-me sempre na ferida, porque é graças ao portuguesinho que somos governados por outros portuguesinhos, tais como Sócrates, Cavaco e Passos. O portuguesinho vota sempre muito contente, limitando-se a agitar a bandeirinha e o cachecol e prescindindo de pensar. Dói-me muito ter de viver num país com excesso de portuguesinhos, ai dói, dói.


          • Enganas-te Fernando: o portuguesinho *não vota*, pensando com isso estar a lixar os políticos. Em vez disso, lixa-se a si próprio e aos outros todos, e perde a mão no destino do seu voto, que vai inexoravelmente servir o partido vencedor.


    • Ora aqui está o erro grosseiro dos portugueses: ignorar a história. Que a direita e a extrema esquerda odeiem Sócrates, vá lá, concedo, embora sem grande convicção. Mas as corporações, o poder financeiro, os “media”?! Quando? Como?

      • António Fernando Nabais says:

        Há, pelo menos, uma corporação que odeia Sócrates: a dos professores. É claro que a clique socrática vê nesse ódio a reacção de uma cambada de calaceiros privilegiados. De resto, Sócrates foi muito bem tratado pelo poder financeiro e pelos “media” (e quem o tratou mal, levou).

  2. lidia drummond says:

    O ÓDIO E A PAIXÃO – deve temer-se mais o amor de uma mulher do que o ódio de um Homem- Sócrates O grego
    O oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença-. Sócrates o Português
    O amor está mais perto do ódio do que a gente geralmente supõe. São o verso e o reverso da nossa Paixão – Honoré de Balzc
    o Ódio, tal como o amor, alimentam-se com as menores coisas, tudo lhe cai bem. Assim como a pessoa amada não pode fazer nenhum mal, a pessoa odiada não pode fazer nada de BEM. Honoré de Balzac
    O Ódio tem melhor memória que o AMOR – H DE B
    O ÓDIO revela muita coisa que permanece oculta no amor. Lembra-te disso e não desprezes o discurso do inimigos – minha autoria
    Tanto ódio para quê?, ficam corroidos e míopes. UM CONSELHO DE AMIGA – CONSULTAR UMA EXCELENTE PSÍCÓLOGA-PSIQUIATRA, lindissima e inteligente
    Doutora Sofia Peralta. Escrevi o mesmo no Blog do Portugal Profundo o iniciador da campanha do ódio, talvez por PAIXÃO. Isto de ser belo, inteligente, distinto, workwholik. tem muito que se lhe diga, JUNTA-SE O ÓDIO À PAIXÃO UMA PITADA DE INVEJA e eis um cocktail explosivo especialmente para os tacanhos como é o caso do António e do José da Porta d Loja. Os SeNHORES NÃO!! É SÓ FUMAÇA E ISSO PASSA, quando o apocalipse todos os dias se proxima sobre os gentíos. Obrigada e até sempre

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.