E aquela coisa chamada garantia?

Obras feitas à pressa para ganhar a eleição, com a marca da grandiloquência socrática e mesmo a jeito para tomarem o lugar do plano furado de 2005 das duas grandes obras (aeroporto + TVG). Vai uma aposta que 2014 nos trará outras obras também?

Relatório do FMI – tradução revista

fmiMais uma vez, tal como já tinha sucedido com o Memorando da Troika, o Aventar funcionou como plataforma para a tradução colaborativa de um outro documento fundamental que o governo e a imprensa não quiseram ou não souberam traduzir: o relatório do FMI. Depois, publicámos o rascunho. Entretanto, o Luís Aguiar-Conraria pegou nesse mesmo rascunho e dedicou muito do seu tempo livre a efectuar a revisão técnica.

Merecem fartos aplausos todos os que quiseram e puderam participar em mais esta lição de cidadania.

Ficam, agora, as ligações. Tendo em conta que ainda não foi possível fazer mais nenhuma revisão, pode dar-se o caso de haver algumas gralhas. Se as detectarem, avisem e tentaremos enxotá-las.

Relatorio_FMI-versao_final (pdf)

Relatorio_FMI-versao_final (openoffice)

Subir na cadeia alimentar

a integridade física de um porco pode valer mais de 4.000€. Isto é, quatro vezes mais do que a de um arrumador e duas vezes mais do que a de uma mulher.

A ler, as contas do Rui Rocha.

BOMBA nos concursos de Professores

Segundo o Sindicato dos Professores da Madeira (FENPROF) a coisa tem que ser suspensa.

Não é o fim nem o princípio do mundo

Passaram três meses e o Manuel António Pina já nos fez falta muitas vezes. Já não me acontece pegar no JN e virá-lo para começar pela última página, mas andei semanas a fazê-lo. Imagino que não fui a única. Depois chega uma manhã em que nos lembramos e o jornal fica intocado sobre a mesa. Resignamo-nos às ausências. Se todos os grandes poetas fazem falta, o MAP cronista não o faz menos. Ele sabia que tudo é política e não voltava às costas a nenhum tema. Foi um crítico mordaz e lúcido deste e de outros governos, escreveu sobre economia, direitos sociais, educação, desemprego, crise, desigualdade. E quando lhe apetecia, enxotava a política para fora da sala, e sentava-nos ao lado dele para contar-nos coisas que realmente importam, como a notícia de que haviam nascido três melros na trepadeira do muro do seu quintal.  [Read more…]

De “clube do ano” a campeão

ImagemO Lisbon Casuals Hockey Club, de Cascais, soube honrar a distinção concedida em 2012 pela Federação Portuguesa de Hóquei, que o galardoou como clube do ano (“O prémio “Clube do Ano” é atribuído ao Lisbon Casuals Hockey Club, segundo os critérios definidos pela Federação Europeia de Hóquei (EHF), o qual será indicado pela FPH ao Club Award EHF. Entre os vários critérios definidos, o clube foi um dos que registou maior crescimento no número de atletas, e o único a participar em provas nos seis escalões existentes na modalidade”) e, no fim-de-semana passado, conquistou o seu primeiro título de Campeão nacional de sub-18.

Aconteceu no Porto, no Pavilhão do Viso, e os lisboetas apenas deixaram fugir o título de melhor marcador (João Basílio, do CAMIR, de Mirandela). O Lisbon Casuals HC venceu os quatro jogos da fase final concentrada, e só outra equipa, para nós a grande revelação, os transmontanos do CAMIR, deu mostras de poder incomodar os novos campeões nacionais. O jogo entre estes candidatos foi dramático.

Os internacionais Miguel Ralha (que subtileza, que classe) e André Rosa (o omnipresente guardião azul) venceram os prémios individuais de MVP do torneio e melhor guarda-redes, respectivamente. Recorde-se que André Rosa tinha sido eleito “voluntário do ano” pela FPH, numa prova de que no clube se ensinam as qualidades do verdadeiro desportista, desde logo a disponibilidade.

Banha da cobra ou ciência?

As previsões económicas do banco central australiano são tão boas como mandar uma moeda ao ar (em inglês). Estas previsões, lá como cá, são usadas para decidir o nosso futuro. Assustador.

República de coelhos ou de bananas?

Qualquer pessoa que meteu a pata no BPN devia estar presa. E quem os encobre também.

Aprende Seguro, segue-o Costa

Papandreou, do ainda existente PASOK, está entre nós. Um mestre.

Órfãos de Sócrates

abutres11Todos os dias, parece confirmar-se que o S de PS é a primeira letra de “socrático”. O actual líder do partido tenta parecer seguro, treinando seguranças barítonas que escondem mal uns arranques aflautados patentes em frases pífias ou em abstenções violentas, mas, na sede do Rato, ao passar pelo corredor, sente suores frios, jurando aos mais íntimos que há movimento no olhar da fotografia do anterior primeiro-ministro, que, à mesma hora, estará a acomodar a baguete debaixo do braço, enquanto trauteia Que reste t’il de nos amours. [Read more…]

Tupac Amaru

Em resposta à investida do neoliberalismo na Argentina, e à grave crise que se lhe seguiu, na  década de 1990, em Jujuy começou a desenvolver-se uma nova forma de organização e de trabalho cooperativo e solidário.

“Tupac Amaru – Algo Está Cambiando”  (2012) é um documentário realizado por Magalí Buj y Federico Palumbo (legendado em castelhano).