A Ascendi-BES de Merda não tem NIF?

Ascendi de Merda sem NIF

Se não souber qual é o estado do Relvas

É só clicar!

Isto anda tudo ligado

Conduzido pela memória da Ana Matos Pires, então isto é assim: o Relvas, coitadinho que não o deixaram falar, é o mesmo Relvas que afirmou em 2008 sobre Augusto Santos Silva:

O senhor ministro tem que perceber que a barricada da liberdade, desta vez, não está do lado do PS, mas do lado dos professores e não tem que ficar indignado que estes se manifestem e reclamem os seus direitos.

Isto porque o então ministro despejou uma enormidade de insultos sobre os professores que o vaiavam em Chaves:

o mesmo Augusto Santos Silva, agora ex-ministro, que ocorre em defesa da liberdade porque o ora ministro foi vaiado. Sobre a defesa da liberdade de expressão em Augusto Santos Silva, basta ouvi-lo, é uma espécie de sindicalista dos pobres ministros do rotativismo, ofendidos pelos ultrajes da populaça; dessa parte e da sua defesa acérrima da pré-privatização da escola pública pelo governo anterior não me tinha esquecido. O Relvas e o seu governo umas vezes são, outras nem pensar nisso.

Coerentes ou incoerentes, sobre ministros de Portugal, estamos conversados.

Qual é o problema de interromper o Relvas? (2)

“Parece que estamos a voltar ao tempo dos ‘catadores de lixo’, uma situação própria de países do Terceiro Mundo.” [Vale a pena ler a notícia e descobrir que é importante multar quem esteja na miséria]

Esta mensagem autodestruir-se-á ao primeiro acorde de Grândola Vila Morena…

Não escrevo este texto para defender o tão aclamado Ministro, nem para partilhar lugares-comuns como o de que cada individuo tem o direito de expressar livremente a sua opinião. Escrevo estas linhas apenas porque não acredito em muros ideológicos ou respaldos de moral que sirvam de desculpa para quaisquer actos. Acredito na democracia, acredito na república, e não acredito em qualquer forma de contenção da liberdade. O Governo que temos foi eleito por nós. Por todos nós. Não concordamos com as suas políticas então manifestemo-nos fazendo uso dos instrumentos, locais, e tempos próprios que nos são dados por lei para demonstrarmos o nosso desagrado.

Não defendo que o Ministro não se deva demitir mas não quero viver numa democracia platónica em que qualquer fim justifica o meio, em que qualquer acto é permitido. O direito à indignação é tão inalienável como o direito à liberdade mas exactamente como o direito à liberdade, o nosso direito de indignação acaba quando o infligimos ao próximo.

E sobre a Grândola Vila Morena, partilho uma estrofe de que gosto particularmente:

Em cada esquina, um amigo
Em cada rosto, igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade

Relvas dasafinado

Relvas cantou a Grândola de forma claramente desafinada. Mas esteve bem – para quem canta uma música pela primeira vez.

A democracia abalroada

“Não há democracia se os representantes legítimos do povo, por estes eleitos directa ou indirectamente, forem impedidos de expressar o seu pensamento” Luís Montenegro

Certo, mas. Mas não há democracia quando os candidatos a deputados prometem uma coisa e fazem outra depois de eleitos. Não há democracia quando a promessa eleitoral tem valor zero. De contrário, como é que se escolhem os legítimos representantes dos cidadãos? Com base na cor do cabelo?

O facto é que  os “representantes legítimos do povo, por estes eleitos directa ou indirectamente”, como Montenegro disse, foram eleitos com base num programa eleitoral. Mas esse programa eleitoral não está, nem de longe, a ser cumprido. Assim sendo, estes deputados são ilegítimos representantes do “povo”. A democracia foi abalroada, sim, mas pelo governo e pelos deputados que o suportam.

Les beaux esprits…

Luís Montenegro, na Assembleia da República, elogia a grandeza de figuras como António Barreto e Santos Silva que, tal como ele, verberaram o “comportamento anti-democrático” dos cidadãos que nas fuças do Relvas cantaram a “subversiva” Grândola Vila Morena.

Dizem as eminentes criaturas que tal é uma limitação à liberdade de expressão.

Francisco de Assis, não se ficando e na passada, defendeu uma aliança do PS com o PSD e CDS. Tão fofos, tão queridos! Chiça, que isto cada vez está mais parecido com uma telenovela mexicana

Gaspar dançará a Grândola?

inimigosodgaspar

A valsa do Festival da Canção de Grândola continua.

Coca Cola nas veias

Nos dias que correm tenho-me lembrado de uma alta patente militar, da oposição ao regime de Salazar, com quem tive uma conversa antes de 1974. Tinham ocorrido manifestações de estudantes que, pela primeira vez, partiram à pedrada montras de bancos para os lados da Escola Politécnica. O militar estava contra e achava incivilizado. Eu, subscrevendo Gondi quando afirmou que “quando os que mandam perdem a vergonha, os que obedecem perdem o respeito”, respondi enxutamente que preferia ver as pedras atiradas à cara dos governantes e que me nauseava uma oposição de opereta que não passava de cartas clandestinas e abaixo assinados que a Pide valorizava prendendo os seus signatários. Ele achou, escandalizado, que eu sugeria um desconchavo. Ficámos desentendidos. Mas não havia nada a fazer com um homem que acreditava no Pai Natal e na amantíssima esposa, uma que lhe fazia inenarráveis cenas de ciúmes e o deixou cego e paralítico com umas doses de arsénico quando se apaixonou por outro mais novo. Voltei a encontrá-lo depois do 25 de Abril, muito eufórico e a querer saber se a coisa tinha sido a meu gosto. Ficou fulo quando lhe respondi que tinha preferido uma revolução com grande fartura de pancadaria e contas ajustadas, mais me parecendo aquilo um golpe de floristas a prometer muita cobardia e confusão. Infelizmente, não me enganei. Aquilo que mais abominei no regime de Salazar foi a hipocrisia e a perfídia com que castrou o povo. Quando dali a pouco se cometiam as maiores tratantadas, vi com desgosto que ninguém tinha estaleca para pegar em democratas do 26 de Abril pelos fundilhos e atirá-los de janelas altas, pondo tudo na conta da “justiça revolucionária” propagandeada pelos arautos dos amanhãs que afinal não cantaram. Com isso tinham-se evitados grandes crimes sobre o corpo martirizado da Pátria, porque há uma gentinha neste mundo que só percebe e acorda à estalada. É uma perda de tempo a gentileza e as boas maneiras com tal gentinha.

Na minha geração houve muitos adeptos do politicamente correcto que é como quem diz, muitos com coca cola nas veias, sendo que a coca cola é a água suja do capitalismo. Que a terra lhes seja leve. Felizmente, quase 40 anos depois, há uma geração que se borrifa no politicamente correcto e trata os políticos desavergonhados como eles merecem ser tratados.

Afinal, há motivos para esperança. Bendita juventude!

Grândola Vila Morena Shake

 

A fruta está podre, é da época

O da Bulgária já caiu. Na rua. Faltam mais alguns.

Núncio Atafulha Cu de Viegas

Paulo Núncio Mangalho Fiscal… com o facto de 2,7 milhões de contribuintes terem indicado o respectivo NIF nas facturas comunicadas à Autoridade Tributária e Aduaneira, pouco preocupados com o aval da Comissão Nacional de Protecção de Dados. Coube ainda, no apertado recinto do Francisco, a introdução do mangalho adicional: 300 mil consumidores finais que já inseriram voluntariamente as facturas no portal e-fatura.

O acto metafórico-sexual, bastante civilizado, por sinal, foi exercido esta manhã, durante a audição da equipa governamental do Ministério das Finanças na Comissão Parlamentar Ordinária de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Civilidade é cumprir deveres. Nunca se saberá até que ponto a ‘delação’ fiscal dos Povos do Norte, tão tardiamente aplicada nesta republiqueta de bananas, poderá salvar vidas e impedir suicídios.

Para que o metafórico cu de Viegas não tome hiperbolicamente no respectivo em vão [nem mande tomar!], Núncio explicou ainda que só do sector da restauração já estão inscritas mais de 11,6 milhões de facturas, logo no primeiro mês.

Este volte-face só vem provar que quem com o cu mata, com o cu morre e assim sucessivamente. [Read more…]

Liberdade de expressão

Alô, alô, Pedro Rosa Mendes.

“Se tiverem bom senso, arrepiam caminho”

Boaventura Sousa Santos comenta os protestos contra o governo.

O Álvaro irá cantar a Grândola?

alvaro grandola

Em S. João da Madeira, dia 22, o Festival da Canção de Grândola prossegue

Qual é o problema de interromper o Relvas? (1)

Disparou o número de chamadas para o 112 por falta de dinheiro

A vez de Paulo Macedo

Não cantou no Festival da Canção de Grândola, prefere música fúnebre.

Quem tem um 2 de Março pela frente tem medo

relvas iscte

Completamente em pânico, este mais que ilegítimo governo. Ontem Miguel Relvas, tentou uma licenciatura em Vitimizações Tipo Marinha Grande no ISCTE. Coitado, não é Mário Soares quem quer mas quem sabe e tem talento. Chumbou: agressões só vi as dos seus capangas, e a defendê-lo, meu caro Fernando, lastimo ver do teu lado esse padrão de comportamento democrático chamado Augusto Ernesto Santos Silva.

Hoje o inflexível Vítor Gaspar dobra a cerviz, num contorcionismo digno daquele italiano que retirou uma costela para lamber a própria pilinha,  e lança-se na mais espantosa acrobacia que me foi dado ver até hoje: salto mortal (era ele que nunca pediria nem mais um dia), pirueta (afinal estamos em espiral recessiva) e saída com o nariz no chão, personificando um boneco dos melhores tempos do cinema de animação americano.

Têm medo, muito medo, e em semana e meia chegarão ao pânico. [Read more…]

A culpa é do incorrigível défice

Gaspar e a sorridente Albuquerque – lembre-se que esta declinou participar num filme publicitário da ‘Colgate’ – bem se esforçam a entesar a malta, a cortar nos apoios no âmbito do SNS e a complicar a vida de pais, crianças e adolescentes no acesso e permanência no ensino público. No fim de tantos cortes e contas, nem mesmo o recurso a matrizes de modelos macroeconómicos certeiros em exercícios de abstracção lhes vale, na prática, na eliminação de resultados desfavoráveis de execução orçamental; bem como em outras variáveis do desempenho económico, tal como o terrível PIB inseparável companheiro do défice – o desemprego é questão despicienda para eles.

A despeito do empenho e duro trabalho do Gaspar e da Albuquerque, possivelmente ajudados pelo Rosalino que é, no masculino, o nome da bisavó Rosalina do meu pai; apesar desse esforço desumano e repartido, pasme-se, as contas saem constantemente erradas.

De reflexão em reflexão, mediante a cooperação dos técnicos do FMI, especialistas há décadas neste género de insucessos, do Oli Rhen e do ECOFIN do princípio ao fim, lá conseguiram a procurada explicação:

Portugal é bom aluno, mesmo o mais disciplinado a cumprir o programa, mas tudo isso e a severidade de vida imposta ao povo não resultam. Porquê? Nem mais nem menos pelo comportamento do défice; é uma figura incorrigível, ninguém consegue fazer nada dele. A culpa, portanto, é do défice.’

Identificado o responsável pela desgraça, e  interpretando o raciocínio e a conclusão da equipa do Ministério das Finanças, é mais do que lógica a crença declarada por Gaspar de que os nossos generosos beneméritos amigos da ‘troika’ concederão a Portugal mais um ano para corrigir o défice. [Read more…]

SNS e Exploração Capitalista da Saúde (ECS)

A destruição do Serviço Nacional de Saúde (SNS) é um facto e pode considerar-se um crime de traição, um crime de lesa-Pátria que ficará na História deste Portugal de quase mil anos.

Tudo isto pela força-fraqueza de políticas de direita, muitas vezes ditas socialistas, ignorantes, insensíveis, medíocres, incompetentes e tantas vezes corruptas, e com a falta de moral e desprezo social indispensáveis ao dobrar de joelhos perante os poderes diabólicos que as comandam.

O embrião do SNS começou a gerar-se há meio século, quando Miller Guerra era Bastonário da Ordem dos Médicos. Posteriormente, o Relatório das Carreiras Médicas foi um passo gigante no caminho do que, uma década depois, se haveria de tornar num dos mais modernos serviços de saúde pública. Apresentado por António Arnaut, o diploma criador do SNS foi aprovado no parlamento. Em trinta anos, o SNS transformou a saúde em Portugal, conseguindo aproximar este país dos países mais avançados do mundo em termos de saúde pública. [Read more…]

A França em recessão

François Hollande bem pode fugir com o rabo à seringa da austeridade: o Estado social francês vai mesmo a debate.

Hoje Greve geral na Grécia

louisa_gouliamaki_afp_source_liberation©AFP
Contra a continuação das políticas de austeridade exigidas pela troika. Mais aqui.

Por que ri a vaca que ri?

Piada «sacada» do Facebook.

A viver acima das nossas possibilidades

Passos tem os recordes do aumento da dívida nesta década.

Kissinger                       ressuscitado

Mas que  é isto? que autoridade tem o governo dos EUA para avisar os venezuelanos com quem têm muito a aprender sobre democracia?

Os locais das manifestações do 2 de Março: o Povo é quem mais ordena

2 de marco

(40 manifestações, em actualização)

  • Angra do Heroísmo: 15:00, Praça Velha – Evento no Facebook
  • Aveiro:  16:00, Estação CP -> Praça da República – Evento no Facebook [Read more…]