Desta vez a culpa não é do Relvas

Foi do Luís M. Jorge.