Os swaps e a leviandade de críticas insustentáveis.

Tenho ouvido e lido por aí a condenação generalizada do governo de Sócrates, no que respeita ao fecho de contratos de ‘swaps tóxicos’ – parte dos críticos nem sequer estão habilitados a perceber a diferença entre ‘tóxicos ou exóticos’ e os ‘vanilla swaps’ – estes últimos correspondem  a níveis de segurança mais elevados e são utilizados por gestores competentes. Sem os  enjeitar à partida, recorrem ao seu uso, numa óptica prudente de riscos pré-avaliados.

Deprimidos pelo desconhecimento, optam por personalizar a discussão. Segundo os padrões anglo-saxónicos, refugiam-se na subjectividade de acusações gratuitas a este e aquele, furtando-se à objectividade por ignorância, mentira ou motivações sectárias.

O pior de tudo é que, mesmo no plano da subjectividade, distorcem a verdade para atacar adversários e inimigos políticos que, natural e legitimamente detestam, fazendo da inconsciente ignorância uma arma pérfida de dolosa falsidade. [Read more…]

Hoje não há cortes

Viva o 1º de Maio. Quem tem gaspar e cu adia, borrado de medo.

Gaspar, os Swaps, e o Passado Interdito

Meu Deus, que País dualista, bizantinista, clivado, segundo o tal paleio que não faz acontecer. Isto, o ambiente do comentário e da politiquice, está de tal maneira maniqueu, que vale tudo, à força de insistência, para abater os incumbentes, herdeiros do Pedido de Resgate, mas poupar os agentes que fizeram trinta por uma linha e procrastinaram contas e riscos, como se não tivéssemos fatalmente de pagar todos os desmandos e optimismos.

Vítor Gaspar, só para dar um pequeno exemplo de alguém que tem apanhado forte e feio por falhar metas e previsões sucessivas, não pode dizer o que quiser e achar por bem na matéria viscosa dos swaps. No caso desses contratos especulativos e do potencial buraco extra de 2,8 mil milhões de euros nas contas públicas, está impedido pelas drago, pelos medina e demais virgens vaginais do passado, de quaiquer acusações como o facto de os swaps serem consistentes com outros actos de gestão aventureira e que compõem um padrão nos Governos de José Sócrates.

Meu Deus, isso não. Logo os tweetistas do Fascismo de Esquerda-na-Garganta e Croquetes-no-Bucho, os galambas, os jugulares, os valupis, os bicicleta, os corporativescos, toda a fauna que se locupletou directamente com o facto de ser muito competente a dourar a grande peta socialista, vêm rasgar as vestes. Não se pode! [Read more…]

Nem para o buraco da Madeira chega

Austeridade de 4700 milhões entre 2014 e 2016. Buraco da Madeira: 6328 milhões de euros. Estamos falados para que serve a austeridade.

Atenção, hoje é noite de carrapato

vg

Parece que a raça só se extingue em Maio.

Grandes títulos

benfica encomenda
Parabéns JN.

A gaffe de Ana Drago

– A senhora deputada deveria saber que eu não fui eleito coisíssima nenhuma. – assegurou Vítor Gaspar, ministro da República. Deve ser algo que o honra. Salazar também não.

Zezé Sócrates

O vídeo acima publicado constava do material pedagógico que serviu de suporte ao curso de José Sócrates. Na realidade, não foi só no Bairro Alto que o antigo primeiro-ministro aprendeu inglês. Ao que se sabe, Zezé Camarinha foi outro dos seus mestres e não apenas no campo linguístico. [Read more…]

É pr’amanhã

1maiopd1

Liberal-esclavagismo

Na modalidade trabalhas mas não pago.

Queimou-se

Gaspar põe a mão no fogo por Maria Luís Albuquerque

Extinções

Esta frase de um leitor num comentário a este poste

…quando era criança era muito comum ver joaninhas em todo o sítio, hoje em dia são cada vez mais raras…

fez-me fazer um exercício de memória.

Tenho cinquenta e dois anos, nasci em Angola, vim para Portugal com quase quinze, há trinta e sete anos, portando. Sem nenhuma pretensão científica e não sendo exaustivo, dei por mim a pensar nas extinções a que assisti – aqui a palavra é utilizada de forma pouco exacta, sendo que chamo extinção ao (quase) desaparecimento de certas espécies de determinados locais.

Um dos primeiros insectos que me maravilhou em Portugal foram os pirilampos. Lembro-me deles às centenas, à noite, piscando nos campos. Há anos que não vejo um único pirilampo nos mesmos campos. O que se passou? Não sei, sei que as crianças os apanhavam às dezenas para brincar, mas imagino que sempre tenham feito o mesmo ao longo de gerações. [Read more…]

A Impostura de Monsenhor Bardamerda

Espero sempre o pior dos que se têm a si mesmos por donos do Regime, especialmente quando persistem em encher de treta aquilo que pertence à crueza dos números: um Estado tornado inviável e agora acossado por exigências de rigor  desde o núcleo do Poder Político Europeu, estando em causa, conforme está, a saúde mesma do Euro. Não estranho sequer que a senecta abécula Soares, um desses donos regimentais da Coisa Pública como coisa sua, alguém que sempre abusou da influência por detrás dos panos, alguém que sempre enfastiou a Opinião Pública e abusou dos media, comente pela enésima vez outros titulares no exercício de cargos públicos, cargos que já ocupou, e o faça em termos chulos, num tom vexatório, desleal, incompetente e desonesto, e, sim, mal-fodido. [Read more…]

High Quarter English

Sócrates fez inglês no Bairro Alto

Um oportunista é um oportunista

Victor Baptista processa AR em busca de pensão vitalícia.

P183 (Pavel Puhov), 1983-2013, RIP

thumbMorreu um dos maiores, a alma russa afirmando-se através da arte contemporânea que não se prostitui em salões. E que se explicava: expressar a tua opinião é uma forma de defesa civil.  A obra fica, através da fotografia: veja mais trabalhos de P183

Karzai, um investidor de risco controlado

Karzai usou dezenas de milhões de dólares da CIA para subornos. O exemplo do investidor prudente e de risco controlado.

O palhaço brincalhão

“Qualquer leilão parece positivo, alerta as pessoas, mas se há margem ou não, veremos”

Citação do Mexia das rendas garantidas.

Seguro, o líder do PS que a todos agrada – até ao próprio PS

o nada panhonhas

Correia de Campos introduziu a adjectivação do “panhonhas” referindo-se a Passos Coelho e logo o congresso do PS aplaudiu Seguro como um líder excepcional e nada panhonhas. Com amigos destes é mais fácil ter inimigos, mas adiante. É Seguro o líder certo para o PS? Claro que é. Apesar dos jogos palacianos do pedido de eleições e da moção de censura, a última coisa que PS quer é ir para o governo agora. Com o país em ruínas e condenado a seguir as pegadas do actual governo, quem é que se quererá queimar na governação? Quanto mais tarde melhor.

Com Seguro à frente do PS, a esquerda (PCP, Verdes e BE) agradecem o espaço por preencher, Passos Coelho e o seu PSD mais o reboque CDS suspiram de alívio por terem oposição mais cerrada no próprio PSD do que no PS e, por fim, o PS repousa tranquilo sem o risco de ainda ser chamado a formar governo numa altura tão inconveniente. A todos agrada.

Que venham as autárquicas e depois terá o PS tempo para escolher um candidato a primeiro-ministro. Até lá, não vá o diabo tecê-las, deu o congresso 99% de votos de segurança ao seu líder. Pelo caminho, enquanto os partidos cuidam da sua estratégia umbilical, vai a carteira de alguns ficando diariamente mais leve. Enfim, não se pode ter tudo, não é?