Missa de corpo presente

Num governo perto de si.

Zona Euro está bem, Portugal também

O primeiro segmento deste texto parece contraditório em relação ao título, mas a razão ficará demonstrada ‘à posteriori’.

Comecemos pela parte negativa. O alemão Wolfgang Munchau, residente no Reino Unido e editor do ‘Financial Times’, afirmou ao ‘Expresso’:

Portugal vai precisar de um segundo resgate

Negando o acesso fácil de Portugal aos mercados – ponto de vista oposto ao de Gaspar e da ‘troika’ – Munchau prognostica para o nosso País um nível significativo de incumprimento da dívida, negociado ou não.

Sucede que Munchau e a mulher, Susanne Mundschenk, são fundadores do blogue Eurointelligence. Publicou, com sarcasmo, o ‘post’ intitulado ‘All is well in the eurozone’ (Tudo está bem na Zona Euro), a seguir traduzido:

Num texto ‘op-ed’ no New York Times, celebrando a capacidade de resolução de problemas da zona do euro, o presidente do Eurogrupo Dijsselbloem, o comissário Rehn, O conselheiro do BCE Asmusen, Regling do FEEF e Hoyer do BEI dizem que a evidência é clara e que a resposta política à crise é reequilibrar a economia e garantir a integridade do Euro. Eles explicam que a crise do Euro é a consequência da ‘falta de reforma’ do passado, levando a um acumular de desequilíbrios macroeconómicos e orçamentais que a UE está a trabalhar duramente para corrigir. A falta de uma união bancária é igualmente mencionada como uma falha de projecto estrutural, que também está a ser tratada. O ‘sério desafio social’ do ‘desemprego inaceitavelmente elevado’ é um lamentável custo das reformas necessárias, mas o BEI está expandir os seus empréstimos para solucioná-lo. O artigo também explica que as políticas do BCE não convencionais têm resolvido com sucesso a fragmentação dos mercados financeiros. [Read more…]

Para onde vão os seus impostos, A Tale of Two Narratives

impostos

Há tempos, a long, long time ago, houve um governo que nos fez um desenho sobre o destino dos nossos impostos, mais concretamente, do IRS (como se IVA, taxas, ISP, cortes, contribuições extraordinárias, licenças, IMI, IMT, contribuições, etc., etc. não fossem igualmente impostos). [Read more…]

D@s put@s

deputados

Como vai ser a tradução do WordPress para português?

Participe na sondagem para não ficar indiferente  sobre este desacordo que nem pára nem arranca.

Um cagalhão pode ser secretário de estado?

Pode. Francisco Almeida Leite, o mentiroso do DN, recebeu os três dinheiros.

Concurso de Professores começa a 23

Está publicado o aviso de abertura do concurso de professores. Neste momento e antes de leituras mais atentas, ficam as datas mais importantes:

“A candidatura é feita em dois grupos cujo calendário é o seguinte:

1 — Primeiro grupo, letras A a K:  10h de 23.04 às 18h 03.05;

2 — Segundo grupo, letras L a Z —   10h de 26.04 às 18h 07.05;

Boa sorte!

Vale tudo

Só faltava isto!

O Expresso deixou de adoptar o acordo ortográfico…

…e continua a adoptá-lo. Sim, sim, deixou de o adoptar (actual, co-autor, pára). Não, não, continua a adoptá-lo  (*abril, *atualização, *atualmente, *direção, *setembro). Este é tão-somente um de muitos exemplos desta mescla. Das duas, uma, poderíamos dizer. Contudo, como verificamos, das duas, nenhuma. E assim continuaremos. Enfim, tudo como dantes. Nada de novo a assinalar.

Expresso 2242013Actualização (24/4/2013): Falta o cê de ‘actual’…

 

E aos Bancos também?

Portugal tem um mês para explicar apoios aos estaleiros de Viana.

Ficções sem hora marcada

Rui Oceano estacionou cuidadosamente o seu Simca de colecção. Tirou um paninho de flanela, friccionou com cautela todos os frisos, guardou cuidadosamente o paninho no estojo de pele, bateu a porta muito devagar e dirigiu-se para o palco da feira do livro. Era caro para a sua Câmara, mas valia a pena: os seus concidadãos acotovelavam-se nos escaparates, homens de letras abancavam em sítios combinados e faziam dedicatórias. O povo gostava, e Oceano, o Rio, (Rui, aliás) estava feliz.
Por dentro. Por fora, aquela máscara de mau feitio. De quem pensa que, pelo facto de ter estudado numa escola de referência, deve  ser olhado de baixo, para a sua superioridade. Aquele ar de quem tem sempre razão e nunca se engana, como o Outro. [Read more…]

Que não seja outro vendido

Uma nova esperança para a UGT e para os trabalhadores.

E a Foda Má Converteu a UGT numa CGTP B

Corrigenda: onde se lê FODA deve ler-se FADA.

Não é com prazer que digo isto, mas afigura-se-me que Carlos Santos ascendeu à liderança da UGT com um tom de ruptura que dá a entender querer converter a UGT numa CGTP B. O discurso do novo líder já se move pelas tóxicas águas enganosas do radicalismo populista de uma Esquerda desactualizada e nada nórdica na construção de acordos duradouros e robustos. Não se pense que o populismo seja uma maleita que acomete somente os líderes demagógicos e danosos dos governos ávidos que tivemos nos últimos 39 anos. Não. Pode ser um problema da linguagem sindical, especialmente quando pretende afirmar-se. A de Carlos Santos pretende ser mais radical que os radicais tradicionais.

Defender parlapatoriamente os trabalhadores, mas criar atrito negocial e todas as condições para a saída do Euro, para a turbulência dos mercados, para a irritação dos Poderes Globais que realmente põem e dispõem da nossa liberdade e democracia, da nossa soberania perdida porque sem dinheiro, esse é um caminho ínvio e que Carlos Santos, meu homónimo, não deveria trilhar. [Read more…]

Financiamento de risco!?

Um CDS é isto, ou seja é um seguro. A história que nos contam é que um seguro provocou a remodelação governamental? – Esta história está mal contada.

Não basta aos idosos serem velhos

Em artigo anterior fiz a defesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS), frente à Exploração Capitalista da Saúde. Esta reflexão, contudo, não é tanto em relação ao SNS que existe, mas ao que o SNS poderia vir a ser, se houvesse vontade política. Ao que o SNS poderia vir a ser se houvesse uma vontade séria de eliminar os seus defeitos, as suas imperfeições e as suas carências, no sentido de o programar para um profundo desenvolvimento, indispensável à saúde de um povo.

Hoje, o conhecimento e a experiência médica são muito grandes. A investigação científica atingiu uma dimensão incalculável e a sua aplicação prática trouxe avanços inimagináveis na assistência aos doentes. Existem muitíssimos profissionais idóneos, com excelente formação técnica e humana e com grande vontade de colaborar nesse promissor futuro que seria um SNS de alto nível. Assim como existem instituições vocacionadas para a defesa dos profissionais, dos doentes e do correcto exercício da medicina, com uma consciência mais viva da nobreza da sua missão. Tudo indica, infelizmente, que este valioso património profissional, científico, social e humano será desprezado e destruído pelos poderes governativos vigentes. [Read more…]

2º golo do Benfica/Sporting, uma obra de arte

Só falta dizer que o golo é de Lima, depois de uma finta de Nico Gaitan e uma combinação com Salvio. Clubismos à parte, um grande golo em qualquer lugar do mundo, dedicado a quem gosta de futebol.