O Zé fugiu

Mais vale rir… e pagar.

Eurogrupo: conjunto de imbecis às ordens de Schäuble e participado por Gaspar

De Manuela Ferreira Leite a Paul de Grauwe, passando por Paul Krugman e outros académicos e especialistas, há um numeroso grupo de economistas que se pronunciou, em uníssono, pela contestação  da medida imposta a Chipre e sua generalização de confiscar depósitos bancários em situação de resgate financeiro de qualquer País da Zona Euro que, no futuro, venha a recorrer à tóxica ajuda da ‘troika’ – depósitos superiores a 100.000 euros, entenda-se.

A generalização da medida foi anunciada por Jeroen Dijsselbloem, o holandês agora presidente do Eurogrupo, eleito para a função; segundo o suplemento económico do ‘Expresso’ (pg. 5), os critérios de selecção foram os seguintes:

Foi escolhido não pela sua experiência política e económica mas por ser um guardião das ideias mais ortodoxas do norte da Europa relativamente ao sul.

Esta frase não se limita a definir o mandarete holandês. Caracteriza claramente a subserviência à Alemanha – personalizada em Schäuble – a que o belga Paul da Grauwe, Prof. da ‘London School of Economics’, no mesmo suplemento (pg. 9) se refere nos seguintes termos:

[…] A Alemanha nunca aceitaria que os seus bancos fossem tratados como os bancos cipriotas foram. E usam o dinheiro dos contribuintes se necessário. [Read more…]

É desta que aprendo o alfabeto russo

0_746af_e0a0c83d_orig1Pelo meu amigo António Oliveira chego a estas fantásticas ilustrações, com as quais Sergei Merkurov participou na luta contra o analfabetismo, URSS, 1931.  Sim, não é gralha: a União Soviética em 1931 ainda estava muito à frente nas artes (o estalinismo iria impor o realismo socialista no ano seguinte), pese que nesta altura o grande Malevich já tivesse levado nas orelhas. Desconfio que com estas imagens as campanhas de alfabetização no Portugal de 1975 teriam durado ainda menos tempo, mas teriam sido um nadinha mais emocionantes.

Pode ver o alfabeto completo no The Charnel-House que as publica.

O Inaniloquente

Aquele que é loquaz a proferir insanidades

Abriu hoje. Dizem que também sou loquaz, às vezes, insanidades é sempre.

Rio contra as paredes insurrectas

Há uma proximidade que quase roça o erotismo entre autarcas com tiques autoritários e paredes brancas. Brancas, impolutas, imaculadas, inexpressivas, em silêncio. Paredes ordeiras, sem cartazes nem grafitis. Eles anseiam pelas paredes brancas com um ardor voluptuoso, quase fetichista, e parecem dispostos a qualquer sacrifício para alcançá-las, ainda que seja tão efémero o tempo que lhes é concedido para que estejam juntos.

Rui Rio, a minha bête noir, juntou, aqui há dias, funcionários da câmara, estudantes da Universidade Lusófona e beneficiários do Rendimento Social de Inserção para, numa algazarra de baldes, vassouras e imprensa local e municipalizada, dar início a mais uma etapa da cruzada contra as paredes insurrectas.

Juntou esta insólita brigada e liderou-a pelas ruas mais problemáticas, apontando-lhes o que havia que apagar. Na luminosa manhã de faxina ergueu-se a voar, à roda das paredes conspurcadas voou três vezes, voou três vezes a chiar, e disse: [Read more…]

Preso na “Ditadura da Pedra” sem Acusação

MAKA ANGOLA
Com Alexandre Neto:

Angola é um dos poucos países do mundo onde, ao arrepio da lei, oficiais superiores do exército, particularmente generais no activo, se apresentam abertamente como empresários e fazem negócios privados com o Estado, que supostamente servem, para enriquecimento pessoal.

No léxico oficial, a prática de misturar o exercício de funções públicas com a realização de negócios privados, ao mesmo tempo, tem sido celebrada como o estabelecimento da “burguesia nacional”, “empreendedorismo”, “direito de cidadania” dos dirigentes, “reforço da capacidade empresarial dos angolanos”, etc. Do lado contrário, um auto-proclamado brigadeiro, filho de um general na reserva, dá-lhes luta e afirma-se revolucionário e defensor do povo roubado proclamando: “Faço a minha luta sem violência/ a minha arma de combate são as palavras (…)”. É o polémico rapper Brigadeiro 10 Pacotes.

mapa-angola

Os generais-empresários, regra geral, gozam tanto de imunidade quanto de impunidade. Com tais exemplos no exército, aos 23 anos, um soldado da Brigada de Tropa Especial, decidiu também tentar a sua sorte como produtor musical e, por isso, está preso sem culpa formada. Trata-se do comando Jaime Manuel Mateia, mais conhecido por “Negro Py”. [Read more…]

Hoje Portugal acordou assim

ppc
[Read more…]

Espanha: Os sindicatos e o capitalismo

Aqui ao lado, em Espanha, fruto de mais uma bronca com dinheiros públicos, os ERE – Expediente de Regulación de Empleo, envolvendo políticos, empresários e sindicalistas (UGT e CCOO) colocou na agenda a questão da transparência dos dinheiros dos sindicatos.

A UGT e a CCOO (a CGTP espanhola) receberam mais de 30 milhões de euros de dinheiros públicos sem terem realizado nenhum trabalho. Os números são incríveis: o governo da Andaluzia entregou aos sindicatos (a troco de garantir a paz social) mais de mil milhões de euros entre 2001 e 2010. As duas centrais sindicais receberam, só em 2011 e 2012, mais de 220 milhões de euros de dinheiros públicos sem qualquer controlo.

A prisão de um sindicalista nos últimos dias, fez acordar a sociedade  civil espanhola para esta realidade. É caso para perguntar: e em Portugal, tudo normal???

25 de Abril em Espanha

Concentração no Parlamento por tempo indefinido até à sua “libertação”. E depois? Um novo modelo organizativo “liderado pelo povo”.