Cacém-Barcarena-Mont’Abraão

Cacém - BarcarenaLinha de Sintra. A pé, ao longo dela, do Cacém a Vale Abraão, há flores na berma, campestres, de todas as cores e para todos os gostos. O variegado delas embriaga, paraíso de abelhas que não vemos, promessa de néctar, âmbar ou luz que nem sabemos.

Humildes, airosas, pisáveis, misturam-se a marginar o férreo caminho, iluminando a grande e metálica certeza de haver por onde ir e regressar às pobres moles. Estão desempregadas, coitadas, as flores na berma do caminho, sem prado, esquecidas, encharcadas de efémero e eternas porque as vemos. Dir-se-ia que é só por elas que ali há linha e a nossa azáfama, meu amigo!

Com Aznar, ganhava o Real Madrid

Com Zapatero, o Barcelona. E com Rajoy, os alemães.

(Circula pelo twitter, mas já se perdeu o rasto ao autor)

Angola é uma lição

O estado da Educação em Portugal é bastante melhor do que há quarenta anos e bastante pior do que aquilo que foi transmitido pela propaganda governamental, especialmente a dos governos de José Sócrates.

A entrada de alunos em massa no sistema de ensino, desde 1974, não mereceu, até hoje, políticas consistentes e estáveis e tem estado sujeita a modas e deslumbramentos. Estamos, portanto, numa situação muito melhor do que a proporcionada por uma ditadura que afastava da escola a maior parte das crianças, mas estamos, ainda, muito longe de um patamar de qualidade educativa minimamente aceitável, num país europeu que vive em democracia há quase trinta e nove anos.

Há uma iliteracia generalizada que não tem sido devidamente combatida. Pior: muitas decisões políticas terão como consequência o aprofundamento dessa mesma iliteracia. Entre muitos exemplos, poderemos dar o despedimento de professores, o aumento do número de alunos por turma ou a inevitável perda de qualidade da formação inicial dos professores, vitimada pelo acordo de Bolonha.

A imposição do chamado acordo ortográfico (AO90), com todas as suas deficiências, está a dar origem a um caos ortográfico que atravessa toda a sociedade, incluindo as escolas. Mandaria o bom senso que não tivesse entrado em vigor ou que fosse imediatamente suspenso.

Os problemas educativos de Angola serão bastante mais graves do que os de Portugal, mas os responsáveis políticos daquele país perceberam a tempo que a aplicação de um instrumento carregado de erros como é o AO90 iria contribuir para dificultar ainda mais os vários problemas que é necessário resolver, a começar pelo analfabetismo. [Read more…]

Guantánamo está-me a matar

Prisioneiros em fatos de macaco laranja aguardam numa área temporária sob o olhar atento da polícia militar no campo “Raios-X” na Base Naval de Guantánamo, em Cuba, durante o processamento para o centro de detenção temporária em 11 de janeiro de 2002. Aos detidos vai ser dado um exame físico básico por um médico, que inclui uma radiografia do tórax e recolha de amostras de sangue para avaliar a sua saúde. Foto do DoD (departamento de defesa) pelo sub-oficial de primeira classe Shane T. McCoy, da Marinha dos EUA.

Os EUA mantém prisioneiros em Guantánamo, à margem de todas as leis, sem acusação e sem julgamento homens sem qualquer esperança (muitos deles capturados ainda menores). As notícias nos media normais sobre este caso em Portugal são mínimas (ao contrário do que aconteceu quando os criminosos combinavam a guerra de agressão).

A seguir ao corte pode ler o testemunho de Samir Naji al Hasan Moqbel, preso há 11 anos em condições desumanas (traduzido do New York Times).

[Read more…]

O Operário em Construção

Poema de Vinicius de Morais declamado por Mário Viegas.

A “Glorificação” do Trabalhador

glorificacao do trabalhadorSimpática oferta da Direcção Geral de Arquivos, hoje no seu Facebook, este panfleto da Confederação Geral do Trabalho sobre o 1º de Maio, que me parece datável de c. 1931.

Das alfuras reaccionarias do capitalismo espoliador, servidas pelos molossos e rafeiros duma imprensa imunda, surgiu a peregrina ideia da “Glorificação” do Trabalhador, especie de mea culpa hipocrita de todos os bandidos que vivem á custa do esforço e miseria do proletariado.

Relembrando os camaradas  anarco-sindicalistas que sofreram a repressão da monarquia, da república e do fascismo, aqui fica a imagem editada do panfleto: [Read more…]

Dia do mentiroso liberal

não há desempregados do público.

escreve Vítor Cunha.

Professores, enfermeiros e até militares, nunca foram contratados nem nunca existiram.

Eugenismo, ciência de merda e nacional-liberalismo

540119_329425197160224_766347618_n

Há tempos vi o programa de Anderson Cooper que tratava, entre outros, o tema do eugenismo e sua história. O próprio apresentador repetia manifestações de perplexidade pelo facto de os EUA serem pioneiros do chamado “eugenismo negativo”, que consiste na selecção da espécie humana no sentido de a melhorar, através de esterilização forçada, confinamento ou pura e simples eliminação por eutanásia dos humanos considerados defeituosos e indesejáveis como procriadores. Foi neste país que se fundou o movimento e não na Alemanha nazi que, mais tarde, veio a estudar as práticas e leis americanas no sentido de as aplicarem à sua realidade, ou melhor, aquilo que eles imaginaram ser a sua realidade. O resto é história conhecida.

O termo eugenismo aparece no século XVIII, com Galton que pensava ser possível melhorar a espécie humana através de factores sociais e escolha adequada de pares reprodutores. Estava-se no inicio do fascínio pelo estudo da hereditariedade, e nunca passou pela cabeça do pobre Galton o que aconteceria a seguir, nomeadamente quando esta hipótese mergulhasse no pântano de preconceitos de algumas sociedades que aí vinham. Em muitos países esta teoria teve até aspectos positivos e, por isso, se distingue um eugenismo positivo, frequentemente focado em domínios como o da higiene social e condições de vida das populações. [Read more…]

Gostos para tudo

“… Arranco-lhe os tomates à dentada…”

Trofa

Realmente, eu que sou vizinho e utilizo as estradas da Trofa, fico doido. Parabéns aos autores:

VIDEO TROFA FINAL from JSDTROFA on Vimeo.

Swapologia

É isso: queremos o texto integral da reestruturação dos contratos swap, em 2010, nada de segredos fora-da-lei, e saber, em toda a extensão, até que ponto Goldman Sachs, Nomura e JPMorgan ficam a rir na nossa cara.