Tomai cultura

Aqui na terra onde se agarra a carteira quando alguém fala de cultura, temos paredes que falam, temos paredes que gritam, temos paredes que nos fazem parar e agradecer que haja quem nos deixe recados espalhados pelas esquinas. É uma sorte que ainda nos vai restando e às vezes até nos faz ganhar o dia, basta um desvio não pensado, um súbito olhar de relance para a ruela por onde nunca vamos.

Não estou a falar de tags, de cagalhotos pintalgados nas paredes, de pirocas (embora também esses possam justificar-se, que as paredes não são todas iguais). Estou a falar de arte, aquilo a que se convencionou chamar arte urbana, expressão criativa num espaço público. E entre os muitos talentos que nos povoam as ruas está o Hazul Luzah, cuja obra podem conhecer melhor aqui, e, por enquanto, em algumas ruas da cidade.   [Read more…]

Plataforma de Professores está de volta

A FNE decidiu juntar-se às restantes organizações sindicais de Professores – não estamos em tempo de procurar as vírgulas que nos afastam, mas de encontrar pontes e ligações que nos permitam reagir ao que aí vem. Nuno Crato acaba de entregar à FENPROF a sua proposta para aplicar a mobilidade, ainda que com outro nome, aos Professores, isto é, Nuno Crato desmente-se e abre a porta aos despedimentos: de acordo com a proposta, dia 1 de Setembro um Professor sem horário, entra em Mobilidade e perde uma boa parte do seu salário e o despedimento fica a um ano e meio de distância.

Só temos um caminho – a unidade na reacção e, claro, na acção! Não precisamos de caminhar para a Unicidade e fazer de conta que estamos todos pelas mesmas razões. Mas, conscientes das diferenças, vamos trabalhar para juntar as Federações de Pais à luta pela Escola Pública e, fundamental, procurar envolver os Directores no processo.

Subscrevo, também por isso, a ideia do Paulo: devemos juntar FORÇA à nossa luta e por isso faz todo o sentido que a FRENTE COMUM (CGTP) se deixe de merdas e procure entendimentos com as estruturas da UGT – no dia 17 de Junho há TODAS as condições para que a GREVE seja de TODOS!

Já e agora!

TODOS!

As coisas no devido lugar

Vindo de um benfiquista como o João Gobern, nada mais tenho a acrescentar.

Empreende-dor-ismo

Parece que há aí um vídeo de um miúdo empreendedor a circular na internet. Mais um, este ainda em boa idade para bater punho, com apenas 16 anos. O vídeo circula e agrada a algumas pessoas, desde fazedores de opinião aos que toleram que o pouco é melhor que nada. Ora, na vida, o pouco não é melhor que nada. Principalmente quando falamos de direitos. O Martim é novo mas, se já pode saber tanta coisa sobre o mercado que terá analisado para adequar o produto à realidade portuguesa, tem obrigação de saber mais coisas.

Por exemplo, saber que, hoje, o trabalhador é obrigado a aceitar trabalho mesmo que o salário seja inferior ao que recebia através do subsídio de desemprego. É evidente que estar empregado é melhor do que estar no desemprego. Desde que o salário seja justo. O Martim e os aplausos que recebeu são a prova de que a mensagem dos pobrezinhos mas honrados está a passar mesmo entre os mais jovens. E isso preocupa-me e inquieta-me.

O que é que define o empreendedorismo? [Read more…]

Diário Económico

A Grande Repórter Maria Teixeira Alves já deve estar aos pulos a preparar a entrevista ao Martim.

Já valeu a pena marcar a GREVE

Do silêncio dos gabinetes e da ditadura das propostas para o Espaço Público, está conquistada a primeira vitória que prangelresulta da marcação da GREVE pela Plataforma Sindical de Professores.

As sucessivas intervenções dos paineleiros do governo mostram que a marcação foi acertada e que mexeu claramente onde tem que mexer – no poder. Esse mesmo que no último ano despediu mais de dez mil docentes e que este ano tenta avançar pelo mesmo caminho.

Percebo, por isso, o que leva Paulo Rangel a escrever hoje no Público que se trata de

“um protesto paradoxal, porque afasta os docentes daqueles que poderiam ser os seus mais valiosos aliados, os alunos e as suas famílias.”

Creio que Paulo Rangel estaria a pensar nos Governantes do MEC que aumentaram os alunos por turma, prejudicando, com isso, os que mais precisam de apoio. Estaria, não tenho dúvidas, também a pensar no Governo que reduziu o currículo, que tirou disciplinas apenas porque era preciso juntar uns cobres para pagar a Gestoras do BANIF. [Read more…]

E assim se fazem novos portistas

porto2
Foi linda, a festa. Ao lado da minha mulher e pela primeira vez com as minhas filhas, fui para a Baixa festejar mais um título e acabei no Estádio do Dragão. A mais velha já tinha adormecido ao meu colo quando, um a um, os jogadores e a equipa técnica foram sendo chamados ao «cogumelo», ontem engalanado para a ocasião. Arredado que ando destas lides por causa dos afazeres familiares, revivi velhos tempos, agora com outros protagonistas.
Tinha 3 anos quando comecei a ir às Antas com o meu velho pai. O Oliveira, o Seninho, o Duda ou o Gomes eram os heróis de então. Na fase em que já ia sozinho e pertencia à claque dos «Dragões Azuis», festejei muitas, muitas vezes com os meus ídolos – o Gomes, o Madjer, o Futre. Agora que sou eu o pai, já não tenho tempo nem paciência para criar ídolos (cada um dos jogadores que passa naquela casa é apenas o instrumento de uma vontade colectiva), mas pude perceber que o João Moutinho é um dos jogadores mais queridos da massa associativa, talvez porque personifique aquilo que é o espírito do «dragão». Um espírito que culmina com um título justíssimo, tão justo como seria se fosse o Benfica a vencê-lo.
A análise da época fica para depois. Por agora, fica a celebração. A festa. Uma festa que, pela primeira vez, teve duas novas protagonistas. E assim se fazem novos portistas. Só quem não sente o ardor da juventude / poderá vê-la, de olhos descuidados /Porto – palavra exacta. Nunca ilude / Renasce, nela, a ala dos namorados!
– «Quando é que vimos outra vez à festa do Pôto, pai?»
– «Sei lá, filha, espero que seja já pró ano!»
– «Pró ano? Isso é muito!»

Sente-se Aqui no meu Colo, Mamã

velhinhaSENTE-SE AQUI NO MEU COLO, MAMÃ

“sente-se aqui no meu colo, mamã, hoje faço anos”

Suavemente assim o fez. Quase não a senti. A minha mamã está tão levezinha, tão sem ser, tão quase nada. Encosto a minha mão, espalmada, na sua cara, sobre a face e a orelha esquerda

“que bom! – disse”

Que bom, pensei enquanto a cabeça da minha mamã se inclinava para o lado da minha mão e ma prendia de encontro ao seu ombro. Já há muito tempo que me não fazia isso

“que bom” – disse eu”

E beijei-a na testa, e encostei a minha testa à dela, e fiz movimentos de carinho com os dedos da minha mão direita. A minha mamã fez mais força com a cabeça, prendendo ainda mais a minha mão de encontro a ela, e sorriu.

Há muito tempo que a não via sorrir, ou falar, ou sequer reagir a um qualquer estímulo que eu lhe desse. A doença tinha-a comido e da minha mamã pouco restava. Qualquer dia nada sobraria mesmo, só a lembrança e a saudade.

“sente-se aqui no meu colo, mamã”

E a minha mamã sentou-se, quase sem que eu a sentisse de tão levezinha que estava. E ali ficamos os dois, um bom bocado, a apreciar o calor que transmitíamos um ao outro.

E eu sorrindo

“até amanhã, mamã”

e ela também com um leve sorriso nos lábios

“até amanhã, meu filho”

(Como Se Fora Um Conto)

 

O puto explorador – de pequenino se torce o pepino

Quer lá saber que os operários ganhem o ordenado mínimo. Desde que venda as suas camisolas.

Cavaquices

Cavaco apaga opiniões de conselheiros de estado. Para a próxima que reuna com a Fátinha.

Bandex & Cavaco Silva: O Meu Chá

Empreendedorismo em Portugal

Invariavelmente em Portugal o empreendedorismo esbarra no parasitismo. Parabéns Martim pela lição que deste… Mas claro que se esbarrares em mais pessoas do calibre de Raquel Varela, ou pior, se pessoas dessa estirpe detiverem algum tipo de poder, talvez seja melhor mudares de país ou continente…

Faço-o aqui…

Quero dedicar este título ao Rui Gomes da Silva.

Fátima minha

detective.7691530_std

      Um caso de James Marlowe, Chico Nelo para os inimigos.

O meu nome é James Marlowe, embora toda a gente me chame Chico Nelo, porque fui baptizado Francisco Manuel. As pessoas não percebem que isso me pode retirar credibilidade como detective privado, mas velhos hábitos são difíceis de matar.

Aquele era um dia igual aos outros, talvez um bocado mais quente. O sol estava abrasador e, apesar do meu esforço por passar despercebido, as pessoas riam-se, quando passavam por mim, e algumas chegavam a inventar piadas sobre o facto de caminhar pela rua de gabardina apertada, como se fosse possível ser-se um verdadeiro detective privado de t-shirt e calções.

Quando cheguei ao prédio onde ficava o meu escritório, acendi mais um cigarro, a fim de estar preparado para subir quatro andares pelas escadas. Antes de entrar, olhei para o edifício onde era obrigado a conviver com a pior escumalha à face da terra: havia ali vários escritórios de advogados e duas sedes de partidos políticos. Iniciei a subida, sempre preparado para o pior, sentindo, ainda, um calafrio na espinha, ao lembrar-me de que me tinha cruzado com dois ministros na semana anterior, o que me fez ficar dois dias com vontade de fazer promessas e quebrá-las, porque apanho doenças com muita facilidade. [Read more…]

O negócio tradicional do entretenimento 4/4: a árvore das patacas

copywrite

Depois de algumas considerações no texto anterior sobre conteúdos sobre como é que eles chegam até nós, é tempo de olhar para a estratégia que os actuais gigantes dos conteúdos estão a usar para conseguir manter o seu modelo de negócio: fazerem pressão para que seja aprovada legislação que lhes faça chegar dinheiro dos contribuintes.

A árvore das patacas [Read more…]

O que é que a Igreja percebe de crianças?

Sim, há aqueles padres que gostam muito de criancinhas e assim. Mas tirando isso, o que é percebem do assunto?

Os debruçados

579342_443510599075666_1545891718_nCom a ansiedade dos tolos, esperei pelo comunicado do Conselho de Estado, em tão boa hora convocado por Marques Mendes, com a concordância de Cavaco Silva.

A hora é grave. Que conclusões produziriam os melhores entre os melhores, os “aristoi”? Iriam debruçar-se sobre os nossos problemas? Debruçaram! Eu próprio li no comunicado. Debruçaram-se múltiplas vezes. Aliás, um dos atributos daquela corte de escolhidos é o de se debruçarem frequentemente.

Tal como em outros Conselhos de Estado, não se sabe o que viram ao debruçar-se e muito menos o que tencionam fazer ao que viram. Mas debruçaram-se, justos céus! Vem lá repetido numerosas vezes no comunicado. Vozes malévolas perguntarão que raio estiveram lá a fazer quase oito horas e não deixarão de lembrar que todos os comunicados deste órgão de estado não relatam senão o facto de o Conselho se debruçar, sem resultados, sem substância, sem sentido.

Não é justa esta critica. Não é fácil uma pessoa debruçar-se e não é um exercício isento de riscos. Não é por acaso que os nossos pais nos advertiam tantas vezes: “não te debruces”! Ora, o que não nos falta são políticos que se debrucem intrepidamente e verguem a coluna com grande elasticidade. O pior é que eles é que se debruçam e nós é que caímos.

Ray Manzarek (1939-2013)

Miguel Sousa Tavares pode salvar a pátria

Sim, é possível, a explicação.