Hoje somos todos professores!

A radicalização das posições começa no Governo e na sua obediência ao programa de cortes a eito do FMI. E Nuno Crato, professor, prestou-se a esse lamentável papel de timoneiro da luta contra a Escola pública – pois é disso que esta greve trata. Marioneta, aparentemente incapaz de perceber o que verdadeiramente está em causa (Pacheco Pereira, historiador das resistências, explica com clareza o que se passa), Crato já perdeu: a greve dos professores (greve a todo o serviço, note-se) está a ser muito participada.

Comments


  1. Tinha sido bom era que os pais e alunos e outros não tivessem contra os professores, pois não perceberam que de facto a luta devia ser de todos. E só espero que os profs contínuem com a luta, que até podem ter vencido hoje, mas ainda há muita coisa para conquistar de novo.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.