Televisão pública grega, a partir de hoje

ert

(www.ert.gr)

2.656 funcionários públicos despedidos da noite para o dia. O primeiro país da União Europeia a perder os serviços de rádio e televisão públicas, financiados pelos cidadãos com uma taxa mensal de 4,3 euros. Uma emissora nacional com 70 anos de história encerrada até ordem em contrário. Em nome da redução de gastos e do superior interesse dos credores. Bem-vindos à Europa pós-troika.

Entretanto, a emissão continua aqui.

Golpe de Estado

O governo recusa-se a cumprir a deliberação do Tribunal Constitucional que impõe o pagamento do subsidio de férias este mês. Em segredo, argumentando com legislação que ainda não foi aprovada no parlamento.  Enlouqueceram? não, assumiram-se: este governo não tem nenhuma legitimidade democrática. Lidamos com gente completamente fora-da-lei: há que metê-los na cadeia.

Conceito alternativos

Tudo fazer pelo “bem da empresa” passa por levar à perda de 5 milhões de euros. Não se passa nada.

O Uso de Crianças nas Campanhas

Eleitorais: sou contra.

Saíram-lhes os serviços mínimos pela culatra

tiro-culatra

Nuno Crato parece um zombie de si mesmo: contava com os serviços mínimos para anular uma luta dos professores que segue em crescendo, passando à agora completamente ilegal requisição civil. Azar, o óbvio foi decidido pela comissão arbitral.  A margem de manobra que lhe resta é menor que a possibilidade de Vítor Gaspar acertar numa previsão económica: embora certamente em menor número na 2ª feira, a greve às avaliações tem sido um sucesso e assim será, apenas perturbada aqui e ali por um director mais capataz e envolvendo muitos professores que até são apoiantes deste desgoverno que conseguiu o imprevisível: voltar a unir uma profissão, depois das malfeitorias de Maria de Lurdes Rodrigues e sua cuidadosa preparação de uma escola pública pronta a privatizar. Ao não adiar os exames optou por esticar a corda, nem percebendo que com isso o ónus das consequências lhe bate à porta.

Sonhará certamente hoje Nuno Crato com uma escola em que um director tivesse o poder discricionário de seleccionar os seus professores. Esses certamente que não arriscariam uma greve aos exames, tal como vai suceder nos colégios. A ideia é precisamente essa: reduzir a função pública aos abusos empresariais do costume, e na impossibilidade de proibir greves assegurar que só sejam feitas ao Domingo, mais uma peça do golpe de estado que tenta dissolver a Constituição sem os 2/3 de votos necessários. Vai-lhes rebentar na cara, e que doa muito.

Que se lixe o contribuinte…

-Que interessa encurtar distâncias e poupar combustível, sempre quero ver a opinião de alguns ambientalistas neste ponto em concreto, reduzindo custos? Percebo a lógica da classe, mas a U.E. e governos nacionais têm obrigação de atender em primeiro lugar o interesse do contribuinte, garantindo a eficácia do serviço.

Choveu, subiu o nível dos juros da dívida portugesa

As taxas de juros da dívida pública portuguesa agravaram-se para as percentagens seguintes:

0001 (2)Fonte: Jornal de Negócios

Também Itália e Espanha viram os juros das dívidas públicas registarem aumentos, embora com intensidade inferior à verificada para Portugal. Saudado pelo aliado Cavaco, o governo, pela mão da swinger dos swaps, Maria Luís Albuquerque, exuberou na euforia do regresso aos mercados, há cerca de um mês, realizando uma operação de 3.000 milhões a 10 anos à taxa de 5,669%.

Agora, em momento de subida sensível e generalizada a todos os prazos de juros, os membros do governo ou mesmo os deputados da  maioria emudeceram.  Olham para o ar e assobiam ‘Singing in the Rain’.

Sinceramente também não tenho paciência para ouvir Vítor Gaspar a argumentar que, tendo chovido torrencialmente no centro da Europa, os juros, fluídos como a água, também registaram subida nos níveis das taxas; ou então, as vacuidades da madame d’ air négligé, estilo Saint Germain de Prés, Teresa Leal Coelho.

[Read more…]

A greve dos professores

Diz-se amiúde que os professores são uma classe muito organizada e com grande poder de bloqueio da acção governativa. No entanto, como noutras acções de spin, esta é uma ideia plantada, sem fundamento na realidade. Atente-se nas mudanças decorridas com o passar dos anos, que continuam um inexorável caminho independentemente dos ministros que momentaneamente dão a cara pelo Monstro Educativo, para se perceber que os professores fazem muito barulho, até conseguem fazer cair ministros, mas o rumo mantém-se. Muito poder têm, essas sim, ordens profissionais como as dos farmacêuticos, dos médicos e dos juízes, as quais conseguem impedir que eventuais mudanças cheguem sequer à ordem do dia. Os professores, esses reagem perante os factos (quase) consumados.  [Read more…]

A culpa deve ser do vento

Sem serviços mínimos, com uma adesão estrondosa, a greve dos professores promete.

AD Lousada: e vão três!

cfb vs adl 21Quem esteve no Jamor garante que há muito tempo não se via um jogo assim. E se esse jogo correspondeu à Final da Taça de Portugal em seniores masculinos, viva a festa da modalidade! Arbitraram duas glórias presentes da modalidade, Pedro Santos e Carlos Silva.

Em confronto, as duas equipas que dominaram a fase inicial do Campeonato Nacional, a AD Lousada, ainda campeã nacional, e o CF Benfica, que parte à frente para o play-off. Como atractivo, saber se os lisboetas, que recentemente venceram os lousadenses no campeonato, tinham caparro para repetir a cena. [Read more…]

Greve dos professores

Como registo inicial de interesses, devo afirmar, desde já, que não compreendo que, nos dias de hoje, se continue a considerar a greve como um direito. Não entendo e, dificilmente, entenderei que se tenha por legítima uma acção cujo único propósito é causar prejuízo em grau tão elevado que leve o interlocutor a ceder e a acatar as reivindicações dos grevistas. Para mais, normalmente, os danos sobram, não para a contraparte negocial, mas para o público em geral.

[Read more…]

Acordo Cacográfico da Língua Portuguesa de 1990

1370905712-the-president-of-brazil-dilma-rousseff-in-lisbon-with-pm-pedro-passo_2140657

Luís Nunes/Demoticon (http://bit.ly/1688Tde)

Acerca desta notícia, uma consideração intempestiva, cinco perguntas de algibeira e respectivas reacções irreflectidas (respostas), durante um curto intervalo para café.

Consideração:

Trata-se de inaceitável ingerência no processo de avaliação actualmente levado a cabo pelo Grupo de Trabalho — Acompanhamento da Aplicação do Acordo Ortográfico, da Comissão de Educação, Ciência e Cultura da Assembleia da República. Para já, é tudo o que tenho a considerar. Se mais considerasse, correria o risco de pressionar os deputados e de perturbar indecentemente o processo de avaliação em curso. Em suma, de ter um comportamento semelhante ao do Governo português.

Pergunta:  É possível, em Declaração Conjunta de uma Cimeira Brasil-Portugal, que as grafias *Arquitetura (duas vezes, uma com ‘A’ inicial, outra com ‘a’ inicial), *Projeto [Read more…]

Baba de Camilo

Lourenco

Camilo Lourenço, que se excita com qualquer tirada marialva, não consegue conter um grito de prazer, diante das palavras de Silva Lopes, esse defensor dos pobres e dos desempregados.

Curiosamente, trata-se do mesmo Camilo que, nos últimos dois anos, tem andado a perorar sobre a inevitabilidade dos sacrifícios e que isto custa a todos e que andámos a viver acima das possibilidades e que agora há que aguentar. Desta vez, estranhamente, acede a preservar os pobres e os desempregados, o que parece um indício de rara humanidade.

Na qualidade de parolo do excel, característica que partilha com Silva Lopes e outros simplórios da comunicação, é natural que deixe escapar o habitual reflexo de que ninguém pode protestar enquanto houver quem esteja pior, asserção que não corresponde a um raciocínio mas a uma reacção semelhante à do cão de Pavlov: Camilo Lourenço ouve falar em professores ou em sindicatos e baba-se.

Em Alfena não se realizaram Conselhos de Turma sem todos os professores presentes

alfena
Perguntei em post anterior se seria verdade que na Escola E B 2 3 de Alfena se realizaram Conselhos de Turma sem todos os professores estarem presentes por motivo de greve. Pelos vistos, os Conselhos de Turma não se realizaram mesmo e, por isso mesmo, cumpre-me pedir desculpas a toda a comunidade educativa de Alfena pela minha suposição.
Uma suposição que, de resto, partiu de um inacreditável erro do agrupamento. Durante todo o fim-de-semana, os alunos e seus encarregados de educação puderam consultar as suas notas do 3.º período através da plataforma do GIAE. E pelo menos num dos casos, estavam lançados todos os níveis à excepção dos da disciplina de Inglês. Suposição óbvia dos encarregados de educação: a professora de Inglês fez greve e a reunião foi realizada na mesma. Da forma como este Governo pressiona os seus directores, não seria algo de tão extraordinário assim.
Felizmente que não aconteceu, que a lei se cumpriu e que o agrupamento de Alfena deu mostras da sua honestidade. Mas em vez de insultos na caixa dos comentários do Aventar, por parte de 2 ou 3 professores, talvez fosse de bom tom o agrupamento reconhecer erros próprios. É que não fui eu que disponibilizei as notas aos alunos antes ainda da realização dos Conselhos de Turma.

Cidadões

dia de camoes

Nem tudo o Rio levou

Os funcionários da Câmara Municipal do Porto, na rua das Flores, limparam os riscos mas preservaram o graffiti de Hazul. Fotografia de Egídio Santos

Os funcionários da Câmara Municipal do Porto, na rua das Flores, limparam os riscos mas preservaram o graffiti de Hazul. Fotografia de Egídio Santos

Cavaco confunde a “Era do Vazio” com a Vera no bacio

cavaco2Estávamos à espera de um discurso do PR e afinal tivemos um discurso de um vogal de uma confederação de agricultores.

Grotesco, penoso, patético! A senilidade tomou conta do mais alto cargo da nação. Temos de remover este funcionário público. Alguma ideia?

“O presidente da República não governa e não é responsável pelos actos do Governo”, afirma, categórico, Cavaco Silva, à Fátima Campos Ferreira, na RTP 1, nos prolegómenos ao Prós & Prós.

E quando o Governo viola de forma sistemática a Constituição que o PR jurou defender? Também não é responsável por permitir essa violação reiterada?