Olha que coincidência: por cá é igual

Passe a palavra? Partilhe?

969201_383243238448878_383805132_n

http://on.fb.me/16wHXYn

Passar a palavra? Partilhar? Com certeza, mas sem grande entusiasmo. Contudo, é importante dar-se a conhecer esta cacografia que actualmente se adopta em Portugal. Escreve-se *’direto’ e ‘Junho’ e tudo continua como dantes. Nem uma coisa, nem outra: a mistela do costume. Divulgado e partilhado está: siga.

Post scriptumNo JN já sou obrigado a escrever de acordo com o acordo ortográfico“. Rui Moreira foi obrigado a…?  A sério? Ah! Está bem. O Jornal de Notícias?

Projectando o presente, chegaremos a essa fase em que, teoricamente, passaríamos a financiar-nos no mercado, com uma dívida pública colossal, as famílias angustiadas, as empresas exangues e um país dividido. Não são boas as perspectivas.

(…)

Será o Governo, na sua actual configuração, capaz de conduzir o país nesta recta final até o pós-troika? Duvido.

Alberto Castro, Jornal de Notícias, 28 de Maio de 2013

Ansiedade

AnsiedadeClaro.

Hoquei em Patins

Os jogadores mereciam? Mereceram.

Dois minutos depois do tempo regulamentar (no início do prolongamento).

Magrebinos dominam o poder do dragão

Benfica é Campeão Europeu de Hóquei em Patins.

Benfica, campeão europeu!

Excelente jogo. Viva o Benfica! Parabéns aos vice-campeões europeus. [pág. oficial]

SLB_Clube_LogoBenfica_FundoBranco_Fev2012

Eles estão com medo da greve

ColigaçãoO primeiro-ministro, de acordo com a SIC Notícias, “garante que não vai pôr professores efetivos na mobilidade especial.”   É claro que Passos Coelho se refere a efectivos, mas isso é outra questão. Muitos jornalistas insistem em usar o verbo “garantir”, quando, na realidade, só se sabe que alguém “declarou”. Como se isso não bastasse, é do conhecimento geral que, de qualquer modo, as garantias de Passos Coelho são enfeites eleitorais.

A mobilidade, prática usual no mundo do trabalho, é, nos dias que correm, um acto de pura e simples selvajaria, imposta cegamente por empregadores que se limitam a olhar para os empregados como peões de xadrez. É, aliás, importante, numa sociedade que de sociedade só tem o nome, lutar pela manutenção e recuperação de direitos laborais.

A mobilidade, no entanto, está longe de ser a única razão para que os professores lutem e seria bom que a classe deixasse isso claro: o problema está, também, nos milhares de profissionais do ensino que foram artificialmente colocados no desemprego, graças a uma série de medidas contrárias ao interesse dos alunos.

Paulo Portas, com o ar compungido de quem está a recitar a “Balada da Neve”, veio pedir aos professores que não façam greve, porque isso prejudicará os alunos, os pais e os próprios professores. É claro que Portas nunca perceberá que é o governo que está a prejudicar toda essa gente. [Read more…]

Afinal, há final

Afinal, às 17h00, no Dragão Caixa, haverá final da Taça dos Campeões Europeus de hóquei em patins.

Não, não foi o bom senso, foi a “honra dos atletas” e foram “as condições parcialmente satisfeitas” que ditaram o volte-face dos responsáveis do Benfica para se apresentarem a jogo. Foram os atletas que se impuseram, porque foram eles que suaram e deram tudo para estar na final.

Salve-se o desporto, que o dirigismo está a precisar de limpeza.

O combustível que alimentou a reunião dos líderes com poder para, alegadamente, decidir sobre o jogo estava marado!

Haja Deus!

PS. Em momento de segredo, se o Benfica vencer a final, eu vou aplaudir. Porque, como dizia antes, os atletas ainda são a melhor coisa do desporto. A única limpa!

Hóquei em patins

Armindo, já está resolvido. Que seja um grande jogo. Como este.

Em nome de quê?

ng7C4BF980-13C5-4F8E-9610-88084BF7CB0D

É o Benfica no seu melhor. Em nome da transparência, do respeito – pelo público, por todos aqueles que gostam de hóquei em patins. Maxime, pelos atletas que ontem fizeram tudo para estarem na final com merecimento.

Eu até posso compreender que quem, como eu, viu na televisão – onde os pormenores são mais evidentes – os atletas do Benfica, tenha ficado com a certeza de que a equipa lisboeta acabou presa por arames um jogo morno, ainda que emotivo pelo resultado.

Quem, como eu, viu a velocidade da meia-final entre os italianos e a equipa do FC Porto, ficou igualmente com a certeza de que quem defrontasse os portistas na final se sujeitava a um resultado catastrófico. A diferença foi abissal entre um e outro jogo das meias-finais. [Read more…]

Errosondagem

Estou convencido que não existe grande diferença entre as previsões do Bruxo de Fafe e algumas sondagens que se fazem neste país.

Num mero exercício sem ter feito grande esforço:

a) Eurosondagem dá vantagem a josé Couceiro nas eleições do Sporting com 52,3% contra 44,6% de Bruno Carvalho. Contados os votos, ganhou o Bruno Carvalho com 53,6% e Couceiro teve 39,4%….

b) Eurosondagem Presidênciais de 2006 dando Soares na frente de Alegre (bem na frente) e depois foi o que se viu…

c) Eurosondagem dá vitória a Fernando Gomes contra Rui Rio (2001) e o resto da história é conhecida…

d) Eurosondagem dá vitória a Vital Moreira nas europeias. Ganhou Rangel…

Mas não se pense que é só a Eurosondagem. É só para recordar a diferença entre uma sondagem e o voto dos eleitores.

Nós, os ingratos.

No dia em que alguns ingratos se manifestaram contra o longo braço que fortalece as suas finanças, Portugal voltou a provar que a política de austeridade continua a dar frutos com o anúncio do Governo de que a receita fiscal continua em linha com o esperado.

De onde vem tanto protesto? Logo nós que somos liderados por pessoas sérias e tranquilas, que não se metem em aventuras com dinheiros públicos e que traçaram um rumo claro e objectivo sobre para onde queremos ir e como lá chegaremos, “catedráticamente” delineado por técnicos altamente competentes? Nós que temos garantias de um futuro promissor depois da tormenta, repleto de exportações, mercados e flexibilização laboral com empreendedores que se multiplicam por todo o lado? De onde vem tanta ingratidão?

Somos muito injustos com a nossa classe política. Aqui vive-se bem melhor do que na Grécia ou na Coreia do Norte. Os sacrifícios estão a ser bem repartidos, o “sistema” é transparente e a justiça social impera. Ninguém vive acima das suas possibilidades e alguns decisores políticos chegam mesmo a contar os trocos até ao final do mês. Será que faz sentido tanto protesto contra aqueles que mais não fazem do que lutar pelo futuro de  Portugal e que continuam a apresentar excelentes resultados? Será que faz sentido protestar contra o altruísmo  da Troika que nos ajuda a sair desta triste condição cujos culpados somos nós, que gastamos mais do que podiamos?

Somos ainda mais ingratos do que os germânicos que se manifestam contra a austeridade. Manifestações? Isso é coisa de sindicalistas radicais e e saudosistas dos bons velhos tempos do PREC. É a malta dos subsídios que não tem mais que fazer…

 

 

 

%d bloggers like this: