A greve de hoje e a “reforma” do Estado

vinhetas_colantes_direitos_laborais_paris_1906

Mais do que uma vez escrevi no Aventar sobre o subdesenvolvimento português, cuja verdadeira dimensão talvez só agora comece a ser plenamente visível. A greve que os professores fizeram hoje demonstrou a que ponto o debate está inquinado pelas retóricas que colhem sempre entre os ignorantes sensíveis aos bons sentimentos, e a que a maioria acaba por aderir: a ideia de que o futuro dos estudantes ficou ameaçado por esta greve é uma delas. [Read more…]

Investigue-se

Sousa Tavares: “Houve um abuso do direito à greve”

País governado por filhos de conúbios ilegais

Parti em muitas, muitas ocasiões. Corri Ceca e Meca. Voltei sempre. Nos tempos da ‘outra senhora’, com frequência repeli a tentação de não regressar.

Era jovem. Visitava cidades africanas, Londres e Paris com regularidade, na aurora da actividade profissional. Poderia ter escolhido a cidade-luz e casado com determinada Brigitte. No universo dos nomes, também existem modas – moda é a tradição do instantâneo, na sublime definição de Augustina Bessa Luís. A avalancha de ‘Brigittes’ em terras francesas, ao tempo, era fenómeno de mimetismo materno-paternal. Inúmeras mamãs e papás, no baptismo das meninas, inspiravam-se no nome do símbolo sexual da época, Brigitte Bardot.

No fundo, por cobardia, patriotismo ou alguma causa abscôndita, jamais reneguei o solo pátrio, onde nasci e sempre vivi. Um país típico, de percurso histórico multifacetado no último século – como outros, certamente. Mas, esta terra, nas últimas quatro décadas e meia, serviu de cenário a profundas e múltiplas transformações políticas, territoriais, de relações externas, económicas e sociais.

Entretanto, ao correr dos tempos, foram-se fabricando núcleos de políticos impreparados, tecnocratas, incultos e refractários em relação a sérios ideais éticos, morais, políticos, de solidariedade e de sensibilidade social.

[Read more…]

Manual de iniciação à propaganda

No Abrupto.

Esc(r)atologia

Que o goveno actual é um monte de esterco, todos sabemos. Que sobrevive à custa de um parasita putrefacto do sistema democrático também sabemos. Que, de acordo com as sondagens, há pelo menos 70 por cento do povo português que continuaria a votar nos partidos da Troika. Mas. [Read more…]

Uma estátua de Estaline em Bruxelas

Krugman Foto AFP SCANPIX

Foto: Paul J Richards AFP/Getty.

Krugman, hoje, no Le Monde:

Pensez-vous, comme Mario Monti, que la crise pousse à l’union politique de l’Europe ?

P. K. J’espère qu’il a raison, mais j’en doute. C’est un peu comme penser qu’il faudrait ériger une statue de Staline à Bruxelles, en considérant qu’il a aidé à construire l’Europe. Qui sait, peut-être aurons-nous un jour une plaque en l’honneur de Lehman Brothers, pour avoir rendu possible une union politique en Europe.

Nota pessoal: Felizmente, por cá temos o meu vizinho: o nosso Fernando António, na Place Flagey. Confesso a minha aversão ao Manneken Pis, mesmo em versão “homenagem“.

Crato coloca Almeida no mapa dia 2

Ou será que vai mudar o feriado?

Reacção à *reação

Diz Vítor Cunha que “O Aventar é a reacção à reacção“. Discordo. Naquilo que me diz respeito, pretendo ser tão-somente uma “reacção à *reação“. Contudo, como João José Cardoso, “não sou o Aventar” e, confirmo, aturam-me cá por casa e, de facto, não sou muito de ler blogues.

Como dizia o Brad ‘Aquiles’ Pitt, “let no man forget how menacing we are, we are lions!”. Quanto a ‘verão‘, admito, só conheço a terceira pessoa do plural do futuro do indicativo do verbo ‘ver’.

Escrito isto, voltemos ao Homero (agora, ao autêntico) e às palavras de Ájax (‘Ἕκτορ νῦν μὲν δὴ σάφα εἴσεαι οἰόθεν οἶος οἷοι καὶ Δαναοῖσιν ἀριστῆες μετέασι καὶ μετ᾽ Ἀχιλλῆα ῥηξήνορα θυμολέοντα) — sirvamo-nos da tradução de Butler («Hector, you shall now learn, man to man, what kind of champions the Danaans have among them even besides lion-hearted Achilles cleaver of the ranks of men» ou da pièce de résistance (não, não é a Bombe Surprise), a excelente tradução de Frederico Lourenço (VII, 226-8):

Heitor, agora ficarás a saber em combate corpo a corpo

como são os guerreiros que existem entre os Dânaos,

além de Aquiles, desbaratador de varões, com ânimo de leão.

Post scriptum: Até para se perceber “O Homem que Matou Liberty Valance” (aqui, no Aventar, gostamos muito dele: pelo menos, eu e a Carla Romualdo) convém ter tudo isto bem presente. Quanto ao Dutton Peabody, aposto, por mera intuição, no Bardo.

Hoje não fiz greve

abandonado

Hoje não fiz greve porque não me deixaram.

Hoje não fiz greve porque, para este governo, eu sou desnecessária. Sou uma «não-professora». Sou um número. Sou gordura. Sou dispensável. Sou lixo.

Ao longo deste ano lectivo fui-me sentindo cada vez mais triste, inútil e desesperançada. [Read more…]

Declaração de derrota

Apreciem a mímica das duas personagens que compõem o cenário. Em Portugal para se chegar a ajudante de ministro basta uma vida sexual passiva nos meandros do poder.

Quanto à argumentação de Nuno Crato, no seu tempo, tinha-lhe garantido uma viagem a Tirana. Sim, a capital da sua Albânia do coração. Os que se piram da esquerda para a direita cultivam, é curioso, os tiques da juventude.

A maior derrota laboral deste governo. Qualquer resto de dignidade que restasse a Nuno Crato e teria aproveitado para se demitir.

Um vergonhoso comunicado do meu clube

«Ou as fontes do jornal fumam substâncias proibidas ou, então, é o jornalista que assina a peça». Se querem utilizar este tipo de linguagem, têm bom remédio, vão para a taberna.

SLB_Clube_LogoBenfica_FundoBranco_Fev2012

A declaração do fura-greves

O texto tem alguma idade, mas é sempre actual e circula assinado por Alice Vieira (da escritora não se trata). Terão sido uns 15000 que hoje furaram a greve. É favor preencherem:

judas traidor

Eu,_________________________,

DECLARO:

QUE estou absolutamente contra qualquer coação que limite a minha liberdade de trabalhar.
QUE, por isso, estou contra as greves, piquetes sindicais e qualquer tipo de  violência que me impeça a livre deslocação e acesso ao meu posto de trabalho.
QUE por um exercício de coerência com esta postura, e como mostra da minha total rejeição às violações dessas liberdades,

EXIJO:

1 º. QUE me seja retirado o benefício das 8 horas de trabalho diário, dado que este benefício foi obtido por meio de greves, piquetes e violência, e que me seja aplicada a jornada de 15 horas diárias em vigor antes da injusta obtenção deste benefício.

2 º. QUE me seja retirado o benefício dos dias de descanso semanal, dado que este beneficio foi obtido, por meio de greves, piquetes e violência, e que me seja aplicada a obrigação de trabalhar sem descanso de domingo a domingo. [Read more…]

“Eleito com 50% dos votos”,

diz o Primeiro-ministro turco Erdogan, para usar o argumento da legitimidade democrática. Resta saber quantos votaram, isto é, o que representa 50% desses cidadãos eleitores. Não há volta a dar-lhe: a democracia representativa não funciona em lado nenhum.

O dia nacional do copianço

papagaio

Parece que agora se estuda para os exames. Eu pensava que o estudo visava aprender. E que demonstrar o que se sabe se faz hoje, amanhã ou noutro dia qualquer, em qualquer exame.

É verdade que o sistema de ensino-avaliação que foi sendo construído estimula esse vício: o de estudar/memorizar para despejar numa prova e esquecer no dia seguinte. É verdade que para Nuno Crato a memorização é uma tarefa fundamental, mesmo que não sirva para mais nada: é o sistema de ensino mais adequado para a formação de imbecis, incapazes de entenderem o que declamam, mais próximos do papagaio do que do humano. Mas era escusado fazer prova disso no dia em que por terem o seu exame adiado os alunos viraram coitadinhos.

Ficamos conversados sobre o conceito de rigor e exigência de Nuno Crato, onde se permitem exames à porta fechada ou em refeitórios, vigiados por quem não faz a mínima ideia de como se copia nos dias de hoje.  O dia nacional do copianço, um presente deste governo que aumentará a sua popularidade entre os cábulas e batoteiros de costume.

Hoje somos todos professores!

A radicalização das posições começa no Governo e na sua obediência ao programa de cortes a eito do FMI. E Nuno Crato, professor, prestou-se a esse lamentável papel de timoneiro da luta contra a Escola pública – pois é disso que esta greve trata. Marioneta, aparentemente incapaz de perceber o que verdadeiramente está em causa (Pacheco Pereira, historiador das resistências, explica com clareza o que se passa), Crato já perdeu: a greve dos professores (greve a todo o serviço, note-se) está a ser muito participada.

Um dia de GREVE é sempre um dia SIMPLES

Porque só há dois lados e o muro é coisa que não existe. Ou se está de um lado ou se está do outro.

Hoje há Educadores que não vão para o jardim de infância, Docentes Universitários que não vão nem dar aulas, nem tão pouco vigiar exames. Haverá certamente milhares, muitos, do 1º ciclo ao ensino secundário que não vão realizar as reuniões de avaliações e serão também muitas as escolas onde os exames de 12º ano não se realizarão.

A GREVE de hoje assume muitas formas e terá muitos rostos. Terá a forma e a dimensão que os Professores lhe quiserem dar.

Aos outros, aos que quiserem dar a mão a Pedro Passos Coelho, a Nuno Crato, a Vítor Gaspar e a Paulo Portas, espero que o arrependimento não chegue em Setembro – será muito tarde. E, claro, podem juntar o carimbo da traição ao vosso passaporte!

A quem, de fora das Escolas, olha para esta luta sugiro a leitura do texto de Pacheco Pereira  e uma ideia que um amigo partilhava há dias: se vocês conseguirem vencer e continuar com 35h, nós, no privado ainda temos alguma esperança de lá voltar. Se perderem, não faltará muito para nos colocarem nas 45.

Tó Neto 1955 – 2013

Acabo de saber da morte súbita do meu amigo Tó Neto.

Estive com ele há poucos dias, estava cheio de projectos e muito contente com as coisas que andava a fazer. Tinha projectos para o futuro a curto/médio prazo que passavam por Angola, uma ideia muito bonita e interessante para o qual se estava já a preparar, não apenas como músico, mas como documentarista e, importantíssimo para ele, como angolano.

Cheguei a visitar o camião-estúdio que tinha comprado para, como me dizia, ir filmar os lugares de Angola que ele sabia que iam desaparecer em breve.

Partiu domingo à tarde sem se despedir dos amigos e eu não sei como o homenagear. Prefiro pensar que foi filmar, à sua maneira, paraísos longínquos perto do Kuíto, onde os rios são tantos que lhes perdemos os nomes,  enquanto nós aqui ficamos a ouvir músicas do seu último disco

Descansa em paz, Tó, foi um prazer ter-te conhecido.

Hoje há greve dos professores

a greve - pacheco pereira - teaserHoje os professores fazem greve e compreendo que a façam. Já aqui me manifestei contra algumas greves, as que há anos a fio, sejam de vacas gordas, sejam de vacas magras, têm ocorrido com a regularidade de um relógio em algumas empresas de transportes. Sobre essas digo que quem as faz está no seu direito e quem delas discorda também. Mas nestas greves dos professores, além de compreender os seus motivos, concordo com eles. [Read more…]

Confiança em Quem?

velo-tramway
Eu confiaria a minha vida e todo o meu património nas mãos da imensa maioria daqueles que foram meus professores.

A uma imensa maioria dos deputados e ministros, eu não emprestaria sequer a minha cafeteira, quanto mais a minha bicicleta.

Inovação jurídico-política: o Estado de (en)Direito

 

Inovação jurídico-política: o Estado de (en)Direito.

via Inovação jurídico-política: o Estado de (en)Direito.