Se o PSD diz

Quem sou eu para duvidar?
psgaia

E, já agora, a malta do PSD já se decidiu?

De manhã andam com um, supostamente independente, para a Câmara e à tarde aparecem com outro, do partido, para a Junta…

Vão levar a candidatura até ao último lugar do pódio ou  vão mudar de candidato para, juntando dois perdedores, conseguirem um resultado um pouquito menos mau?

Série Maridos (I)

SPYROS

O meu marido era o magnata de uma aldeia em Creta. O restaurante onde eu comia todos os dias era dele, e também a agência de viagens, e o hotel, e a loja de aluguer de bicicletas, e o rent-a-car, e o supermercado, e a loja de souvenirs, e os táxis, e a transportadora. A ilha era longínqua, a aldeia distante, plantada na costa sul. Era bom ter maneiras de sair dali. Quando eu olhava o mar, parecia-me ver o fim, juraria que depois do horizonte havia uma montanha (ou talvez um Deus-muro, enorme como um King-Kong) que separava dois mundos – e por isso aquele mar era de certa forma o último. A história daquela ilha, cheia de mitologia, tornava tudo impreciso, fazendo esbater as fronteiras entre a realidade e a ficção. Um véu de incerteza pairava no ar da praia, nas conversas dos naturais sobre o labirinto de Knossos ou os restantes lugares arqueológicos da ilha, transportando todos para uma dimensão simbólica cheia de fatalidade. Sentia-me circunscrita – sobretudo pela acção do meu marido.

O meu marido chamava-se Spyros. Tinha um bigode e uma barba, e umas bochechas proeminentes. Deslocava-se de Mercedes pela aldeia e aparecia por todo o lado, a todo o instante, sem se fazer anunciar. Cortejava-me sem constrangimentos, sentava-se à mesa sem ser convidado, impunha-se com a naturalidade de um príncipe, determinado a fazer de mim a sua princesa. Expliquei-lhe que não podia ser sua mulher, porque já tinha um marido, que aliás viajava comigo, e a quem embora divertissem os arremessos arrebatados de Spyros, começou a dar mostras de alguma irritação. Mas o meu marido agia como se nada fosse, sorrindo sempre muito. Vi-me cheia de filhos com bochechas iguais às do pai, demasiado bem nutridos, a andar de Mercedes pela rua principal da aldeia – e os meus filhos bochechudos não falavam português.

5ª Feira: Polícia “fomenta” a prática de um crime?

Ponte 25 de Abril

Ponte 25 de Abril

Perplexidades sobre a conduta da PSP na manif. que, supostamente, pretendia bloquear a Ponte 25 de Abril

Por Ergo Res Sunt

 

Os Bancos e o carácter Internacional da crise

Participação de João de Sousa no Opinião Pública da SIC Notícias 27/06/2013

Por Ergo Res Sunt

A Cidadela de Mazagão

Cisterna 1

A Cisterna Manuelina de Mazagão

“Os nossos lugares em África eram praças de guerra. As suas muralhas conservadas até hoje – na maioria dos casos – atestam a sua solidez. Os seus moradores podiam dormir sossegados. Para as erguer não se pouparam os bons materiais, alguns deles vindos de Portugal, como a pedra de cantaria, a madeira e a cal. Trabalharam nelas os melhores artífices da metrópole e dirigiram-nas os melhores debuxadores e mestres de pedraria do tempo, nacionais ou estrangeiros.” (LOPES, 1989, pág. 41)

Em meados do século XVI estava em marcha um plano de mudança na política portuguesa em relação às praças Norte Africanas. A sua insustentabilidade económica e militar, aliada à perda de valor estratégico que sofrem face ao novo contexto criado com as descobertas na América, Africa e Asia, tornam a sua manutenção nas mãos da coroa portuguesa inviável. Após a queda de Santa Cruz do Cabo Guer em 1541, inicia-se o abandono de algumas das praças, tendo no espaço de nove anos sido evacuadas Safim, Azamor, Arzila, Alcácer-Ceguer e o Castelo de Aguz. No entanto, para além de se manterem as posições estratégicas do estreito, Ceuta e Tânger, a coroa portuguesa decide manter uma presença no chamado Marrocos Amarelo, ordenando a construção de uma grande fortaleza concebida de acordo com os últimos conceitos da arquitectura militar europeia.

Mazagão, considerada a primeira fortaleza da era moderna, onde se puseram em prática as mais avançadas teorias desenvolvidas pelos arquitectos militares italianos do Renascimento, revelar-se-ia um bastião inexpugnável durante os quase 300 anos de permanência portuguesa no local. [Read more…]

Receitas de sangria e caipirinha para fazer em casa

A canícula chegou e, com ela, o desejo de bebidas frescas e saborosas.

Muitas vezes achamos complicadas algumas coisas que, afinal, são simples e podemos fazer facilmente em casa. Uma caipirinha, por exemplo: achamos que temos que moer o gelo e não dispomos de máquina apropriada, precisamos de limas e só temos limões…

Pois que nada disso seja impedimento, podemos sempre substituir um ou outro ingrediente e fazer interpretações. Claro que, para uma caipirinha, precisamos de cachaça (aguardente de cana) mas, se apenas tivermos vodka, fazemos uma caipiroska. O resto, lima (limão em caso de recurso, mas menor quantidade), gelo e açúcar não exigem propriamente uma “logística” apurada. Quanto à receita, pode segui-la aqui, vai ver que, em poucos minutos, achará que valeu a pena.

O mesmo vale para uma sangria, conhecendo as bases podemos ser criativos.

Se não tem vinho tinto, use vinho branco. Prefere espumante? pois seja. Adapte as frutas, vinho branco casa bem com ameixa, pêssego e ananás, por exemplo, espumante combina na perfeição com frutos vermelhos, morangos incluídos . Consulte esta receita e adapte-a ao seu gosto.

Não abuse, digo eu, que ainda há muito Verão pela frente e oportunidades não faltarão.

À nossa, tchin-tchim.

%d bloggers like this: