A Cidadela de Mazagão


Cisterna 1

A Cisterna Manuelina de Mazagão

“Os nossos lugares em África eram praças de guerra. As suas muralhas conservadas até hoje – na maioria dos casos – atestam a sua solidez. Os seus moradores podiam dormir sossegados. Para as erguer não se pouparam os bons materiais, alguns deles vindos de Portugal, como a pedra de cantaria, a madeira e a cal. Trabalharam nelas os melhores artífices da metrópole e dirigiram-nas os melhores debuxadores e mestres de pedraria do tempo, nacionais ou estrangeiros.” (LOPES, 1989, pág. 41)

Em meados do século XVI estava em marcha um plano de mudança na política portuguesa em relação às praças Norte Africanas. A sua insustentabilidade económica e militar, aliada à perda de valor estratégico que sofrem face ao novo contexto criado com as descobertas na América, Africa e Asia, tornam a sua manutenção nas mãos da coroa portuguesa inviável. Após a queda de Santa Cruz do Cabo Guer em 1541, inicia-se o abandono de algumas das praças, tendo no espaço de nove anos sido evacuadas Safim, Azamor, Arzila, Alcácer-Ceguer e o Castelo de Aguz. No entanto, para além de se manterem as posições estratégicas do estreito, Ceuta e Tânger, a coroa portuguesa decide manter uma presença no chamado Marrocos Amarelo, ordenando a construção de uma grande fortaleza concebida de acordo com os últimos conceitos da arquitectura militar europeia.

Mazagão, considerada a primeira fortaleza da era moderna, onde se puseram em prática as mais avançadas teorias desenvolvidas pelos arquitectos militares italianos do Renascimento, revelar-se-ia um bastião inexpugnável durante os quase 300 anos de permanência portuguesa no local.

Torre Boreja de Mazagão

A torre El Brija ou Boreja, actual posto da polícia de Mazagão

No ano de 1486 os portugueses encontraram no lugar da actual Cidadela de Mazagão uma pequena torre abandonada denominada “El Brija”, diminutivo de “borj” (torre), que ocuparam, instalando-se em permanência no local 16 anos depois, através da construção ao seu redor de diversos edifícios de campanha.

Nesse lugar, um afloramento rochoso situado a poente de um extenso areal, hoje frente ribeirinha da cidade de El Jadida, existia um povoado piscatório berbere denominado “Mazghan”. O topónimo já é citado pelo geógrafo Al-Idrisi no século XI e, segundo alguns autores, significa “pedras de mós” na língua Tamazight. Para outros autores o termo poderá ter origem na expressão “maa skhoun”, “água quente”, ou poderá significar “água do céu”, referência às cisternas que aí existiam.

Foi neste lugar que D. Jaime, Duque de Bragança, desembarcou no ano de 1513 para conquistar Azamor e foi o próprio D. Jaime que convenceu D. Manuel I a construir no local uma fortaleza, ao escrever ao Rei de Portugal, dizendo-lhe que o lugar “era o melhor porto do mundo”. (LOPES, 1989, pág. 38)

Haouzia

A praia de Haouzia em El Jadida

Francisco Danzilho, arquitecto militar biscainho que desde 1511 trabalhava nas fortificações de Alcácer-Ceguer e Arzila, acompanhava o Duque na expedição e fez os primeiros levantamentos e esboços para a construção da dita fortaleza.

Menos de um mês após a visita do Duque, “D. Manuel já enviava um superintendente com materiais para as obras – 40 vigas, 440 tábuas e 17 mil pregos – o que sugere uma primeira veloz construção de madeira efémera”. (MOREIRA, 2001, pág. 32)

No ano seguinte a coroa portuguesa decide-se por uma fortificação mais consistente e inicia-se a construção de uma fortaleza, “em pedra, cal e tijolos vindos do reino” (MOREIRA, 2001, pág. 32), obra a cargo dos irmãos Arruda, fortaleza que fica pronta em menos de um ano e que é denominada “Castelo Real de S. Jorge”.

Diogo e Francisco de Arruda eram dois mestres-arquitectos portugueses originários de Évora, que deixaram uma vasta obra construída. Diogo, o mais velho, foi autor do Paço da Ribeira de Lisboa, do Castelo de Évora Monte e trabalhou no Convento de Cristo em Tomar, tendo sido nomeado “Mestre de Obras da Comarca de Entre Tejo e Odiana”. Francisco foi o autor da Torre de Belém, trabalhou na reparação dos Castelos de Portel, Moura e Mourão, sendo-lhe também atribuídos os projectos da Casa dos Bicos e do Palácio da Bacalhoa. Em Marrocos trabalharam juntos nas fortificações de Safim, Azamor e Mazagão.

Torre Rebate de Mazagão

A torre Rebate e o pano Poente do Castelo Manuelino de Mazagão

O Castelo, de planta quadrangular com 30 varas de lado (33 metros), com quatro torres cilíndricas nos seus vértices, denominadas Cadeia, Rebate, hoje minarete da mesquita, Cegonha, posteriormente casa do governador, e Boreja, esta última coincidente com a antiga “El Brija” e actualmente ocupada pelo posto da polícia da Cidadela de Mazagão, tinha a sua entrada no local onde hoje existe o acesso à Cisterna Portuguesa. Essa entrada era guarnecida de ponte levadiça e grade com abertura vertical. A construção do Castelo processou-se com apoio logístico de Azamor e decorreu num período extramente rápido, já que em Agosto de 1514 estava em funcionamento, apesar de o fosso que o rodeava ter demorado mais quatro anos a concretizar.

Nos anos seguintes são implantadas várias edificações de madeira de apoio à guarnição militar no pátio central e construídos vários edifícios adoçados aos seus muros, no exterior.

Castelo de Mazagão

Interior de uma das construções adoçadas aos muros do antigo Castelo

Nas imediações do Castelo começam a fixar-se actividades e população, cercas para gado e hortas, dando origem à formação de um pequeno povoado do seu lado Noroeste. Os ataques quase diários a que esse povoado é sujeito obrigam à construção de uma barbacã e fosso para a sua protecção e à constituição de uma força de batedores comandados por um adaíl, que fazia incursões ou surtidas-relâmpago preventivas.

Conforme referido anteriormente, a expulsão dos portugueses de Santa Cruz do Cabo Guer, actual Agadir, em 1541, e o abandono de Azamor e Safim no ano seguinte, obrigam à concentração das defesas da costa atlântica de Marrocos na praça de Mazagão. As suas estruturas defensivas são então completamente renovadas, a fim de assegurar uma posição estável para o apoio às frotas portuguesas que faziam a rota da costa Africana. O objectivo era “concentrar forças numa fortaleza roqueira construída do zero segundo os princípios do moderno sistema abaluartado italiano“. (MOREIRA, 2001, pág. 42)

Mazagão

Planta da Cidadela de Mazagão de 1622, anónima, Códice Cadaval, Torre do Tombo

Para essa decisão foi determinante a inspecção que João de Castilho fez a Mazagão em 1529. Arquitecto da Cantábria com grande experiência profissional, João de Castilho ou Juan de Castillo, instalou-se em Portugal em 1509, depois de em Espanha ter trabalhado nas catedrais de Burgos e Sevilha, e dirigiu obras tão importantes como a do Convento de Cristo em Tomar, dos Jerónimos ou do Mosteiro da Batalha. A conclusão dessa inspecção foi a de que o Castelo Manuelino não cumpria o objectivo para que fora criado, já que não sobrevivia sem a vila, mas também não garantia a sua defesa.

O processo que conduziria à construção da Cidadela de Mazagão é centralizado na pessoa de D. Luís, irmão do rei D. João III, que organiza uma equipa de arquitectos e engenheiros militares, começando por recolher informações e opiniões de vários especialistas. Um deles foi Francisco de Holanda, que elabora em Itália um primeiro esboço a partir dos conceitos teóricos mais avançados da época. Iluminista, arquitecto, pintor, escultor e crítico de arte, Francisco de Holanda ou d’Olanda foi um dos mais importantes vultos do Renascimento em Portugal.

Planta de Mazagão

Planta da Cidadela de Mazagão de 1720-1760, de Simão dos Santos, Instituto Português de Cartografia e Cadastro

Miguel de Arruda é o responsável pela coordenação do projecto e gestão da obra no terreno. Filho de Francisco de Arruda, ficou célebre pelos importantes projectos que desenvolveu em Portugal e no Além-Mar, como sejam o Forte de S. Julião da Barra, as Muralhas de Lagos, as fortificações de Ceuta, a Fortaleza de S. Sebastião em Moçambique ou a Praça-Forte do Salvador na Baía. Após a construção da Cidadela de Mazagão seria nomeado por D. João III, “Mestre das obras dos muros e das fortificações do Reino, Lugares d’Além e Índia”.

Miguel de Arruda contrata em 1541 o engenheiro militar italiano Benedetto da Ravenna para desenhar o projecto-base. Benedetto encontrava-se ao serviço de Carlos V de Espanha, trabalhando na adaptação de diversas fortificações para a utilização da artilharia, sendo autorizado a prestar serviço a D. João III de Portugal no reforço das defesas de Mazagão, Tânger e Ceuta.

Planta de 1757 atribuída a J. B. C. Bélicard . Bibliothèque Nationalle de France

Planta de Mazagão de 1757, de J. Bélicard, Bibliothèque Nationalle de France

Quando Benedetto da Ravenna chega a Mazagão com Miguel de Arruda e João de Castilho, já se encontrava no local o arquitecto Diogo de Torralva, cunhado de Miguel de Arruda, responsável pelo estudo do local e implantação da fortificação.

“Do diálogo no terreno com Arruda e Castilho ficou clara a inutilidade de tentar remodelar estas duas cidades (Azamor e Mazagão), que sucumbiriam a qualquer ataque em massa; e impôs-se a primeira opção de as abandonar pura e simplesmente, num recuo estratégico a uma única fortaleza a erigir de novo.” (MOREIRA, 2001, pág. 43)

Os estudos de Torralva vão no sentido de se implantar o forte o mais possível junto do mar, de forma a ter o mínimo contacto com terra. Este princípio era defendido pelo próprio D. João III quando escreve em 1541 a Miguel de Arruda, que “quanto mais metido no mar for, melhor, e mais seguro será” (MOREIRA, 2001, pág. 51). Rafael Moreira compara Mazagão a um vaso de guerra pétreo pronto a zarpar.

Baluarte do Anjo Mazagão

O Baluarte do Anjo e o pano Nascente da muralha

Benedetto estabelece então as linhas-mestras a que deveria obedecer a nova fortificação:

Planta quadrangular com cerca de seis hectares de área, com os lados “quebrados” em estrela de quatro pontas, para aumentar o ângulo de tiro, com quatro baluartes nos cantos, encimados por casamatas, paredes com doze metros de espessura, sobre as quais se implanta o caminho de ronda, e fosso dos lados Sul, Poente e Norte. Do lado Nascente, na frente de mar, a muralha sofre uma descontinuidade para formar um pequeno porto de abrigo. Uma porta principal no centro do pano Poente, duas pequenas portas secundárias e mais outras duas pequenas portas de apoio á construção.

“O modelo repousava sobre o princípio fundamental da eliminação dos ângulos mortos ou cegos através do cruzamento de linhas de fogo rasantes e paralelas aos planos horizontal da água do fosso e vertical da muralha, disparadas a partir de dois níveis de canhoneiras colocadas nos orelhões dos baluartes. O sistema assumia-se como um autêntico organismo bélico através da desmultiplicação das direcções de tiro desde as plataformas superiores dos baluartes, coroados com seus cavaleiros, e ao longo dos caminhos de ronda das instâncias intermédias dos muros, como provam as diferentes orientações das canhoneiras mazaganenses.” (CORREIA, 2007, pág, 198-199)

Frente Norte

O pano Norte da muralha. Vista tirada do Baluarte de S. Sebastião

A geometria da fortificação é assim determinante para garantir a sua eficácia enquanto estrutura defensiva.

O fogo cruzado de artilharia concentra-se nos quatro baluartes situados nos cunhais _ Baluarte do Anjo ou de Santiago e Baluarte de S. Sebastião ou do Norte, do lado do mar, e Baluarte do Espírito Santo ou do Combate e Baluarte de Santo António ou de S. Jorge, do lado de terra _ e no pano de muralha ao longo do caminho de ronda, cobrindo o terreno circundante de forma a aniquilar qualquer tentativa de assalto. Sob o Baluarte de S. Sebastião foi criado um depósito para armazenamento de pólvora, o paiol.

“Mais importante como experiência, já teorizada na Itália mas só aqui empregue pela primeira vez, (…) é o traçado dos muros em cortinas rectas até 300 metros de extensão: eles inclinam-se para o interior formando ângulos muito abertos entre dois baluartes adjacentes. Trata-se de um recurso para aumentar a capacidade de vigilância e alargar a zona de tiro…” (MOREIRA, 2001, pág. 57)

pano Sul

O pano Sul da muralha e o fosso, vendo-se ao fundo o Baluarte do Anjo

O perímetro da muralha é acompanhado por um caminho de ronda, acessível através de três rampas, que permite a movimentação das tropas sem necessidade de percorrerem a área urbana. Os próprios edifícios da cidadela eram mais baixos do que a altura das muralhas, ficando mais protegidos, e permitindo abarcar uma perspectiva global da praça a partir de qualquer ponto do caminho de ronda.

No fosso foram introduzidas duas buxas, dispositivos que retinham a água no seu interior na maré-baixa, não permitindo que ficasse seco.

A entrada na Cidadela fazia-se pela Porta da Vila, situada no eixo do pano Poente, protegida por um quinto Baluarte, chamado Baluarte do Governador ou de Nossa Senhora.

“A vila‐fortaleza foi pensada como um todo. A definição da escala do perímetro fortificado estava directamente relacionada com a dimensão da estrutura urbana interior e com o número de pessoas adequado à sua defesa, procurando assegurar um elevado grau de autosustentabilidade”. (MATOS, 2012, página electrónica citada)

Portado Mar e da Ribeira

O pano Nascente da muralha e o Porto ou Calheta, sendo visíveis o arco da Porta do Mar e a Porta da Ribeira

Para além da Porta da Vila foram criadas duas outras, de pequena dimensão _ a Porta da Ribeira do lado do mar, actualmente integrada num forno comunitário, pela qual se processavam as operações de carga e descarga dos navios, e a Porta da Traição, situada junto a um dos orelhões do Baluarte de S. Sebastião, uma espécie de entrada e saída secreta na cidadela. Existiam ainda mais duas portas, criadas para apoio durante a construção _ a Porta do Mar, um arco de volta perfeita de dimensões apreciáveis situado no Porto ou Calheta, e a Porta dos Bois, no centro do pano Norte da muralha. Três delas, concretamente a Porta do Mar, a Porta da Traição e a Porta dos Bois seriam entaipadas após o cerco de 1562.

515_001

A Calheta com a Porta do Mar e Porta da Ribeira entaipadas

“O arco da Porta do Mar, protegido pela grade de ferro que descia do interior do reparo, permitiu encerrar o perímetro fortificado, permitindo o acesso de materiais, soldados e pedreiros, durante os trabalhos de enchimento e definição do nível interior da praça e a construção da vila (…) Logo que o ritmo dos trabalhos o tenha permitido, seguramente, antes do cerco de 1562, o arco foi encerrado por panos de alvenaria, assegurando o necessário grau de protecção da fortificação. Num processo semelhante ao que aconteceu com a pequena Porta dos Bois, foi reaberto mais de duzentos e cinquenta anos depois.” (MATOS, 2008, pág. 224)

frente Nascente

A frente de mar entre a Couraça e o Baluarte de S. Sebastião

Entre os dois baluartes da frente de mar foi criada a Calheta ou Porto, acessível através da Porta do Mar ou da Ribeira, e protegido por uma Couraça. O pano de muralha da frente de mar foi reforçado com a introdução de alvenaria de pedra aparelhada, capaz de suportar o embate das ondas, pedra essa trazida do sítio da Pedreira, situado a uma pequena distância da vila.

A construção da Cidadela decorre num curto espaço de tempo, evitando possíveis ataques dos mouros, e é acompanhada por um corpo militar comandado por Luís de Loureiro, capitão experimentado na guerra de Africa, e por uma esquadra fundeada no mar. O Castelo Real tem um papel importante durante as obras, constituindo a base das operações até ao encerramento do perímetro da Cidadela. A dirigir os trabalhos encontra-se João de Castilho, com a colaboração de João Ribeiro.

“Em fins de Julho (de 1541) aí chegava o já sexagenário João de Castilho, à frente do verdadeiro exército de 1500 mestres-pedreiros recrutados em Évora e Tomar. Em 2 meses fazia-se o que se não fizera em 20 anos.” (MOREIRA, 2001, pág. 43)

Cidadela de Mazagão

A Cidadela vista do Baluarte do Anjo

A fundação da praça no primeiro dia de Agosto de 1541 decorreu em plena laboração do estaleiro. Nesse ano foram abertos os caboucos na rocha e o perímetro foi encerrado. As obras concentraram-se na edificação da frente de terra, tendo-se concluído a edificação dos Baluartes de Santo António e do Espírito Santo, bem como a execução das portas. O ano seguinte foi dedicado à frente de mar, construindo-se os dois outros baluartes, o Baluarte de S. Sebastião e o Baluarte do Anjo, este último totalmente dentro de água. Em Dezembro de 1542 o capitão Luís de Loureiro informa o Rei de que as muralhas se encontram acabadas, podendo os restantes trabalhos decorrer com a sua protecção.

A construção da fortaleza em si é acompanhada pela organização do tecido urbano, com base num eixo estruturante, a Rua da Carreira, que liga a Porta da Vila á Porta do Mar, e a partir do qual se organiza uma malha urbana ortogonal. O Castelo mantém a sua estrutura fundamental e assume-se como centro da Cidadela, em torno do qual se agrupam as principais funções administrativas e logísticas.

Csterna 5

A Cisterna Manuelina de Mazagão

No seu pátio é construída a Cisterna Manuelina, de forma quadrangular, com 34 metros de lado,  área de 1.156 m2 e capacidade para cerca de 5.000 metros cúbicos de água, armazenada através de um pequeno aqueduto e de uma abertura central com 3 metros de diâmetro.

“Reaproveitada do pátio aberto do forte de 1514, de solo rebaixado para poder conter a floresta de colunas e pilares de ordem toscana que sustentava a meia altura do terraço superior, único espaço usualmente acessível – pois o depósito de água, como era lógico, era fechado – com o seu bocal de poço, (hoje no interior) e rodeado pelo magnífico conjunto de escadarias e armazéns de víveres tão castilhianos que se diria transportados desde Tomar, nessa junção simbólica da água com o pão: a Cisterna era e é o edifício emblemático de Mazagão. Nela resume-se, o coração da vila, o que ela tem de melhor.” (MOREIRA, 2001, pág. 58)

Rua do Arco

Placa toponímica portuguesa numa das ruas de Mazagão

As torres do Castelo são adaptadas a novos usos e ligam-se funcionalmente aos edifícios abobadados adoçados aos seus muros, onde são criadas as suas principais dependências, como as casas do Hospital e da Misericórdia e a Cadeia. Ao seu redor situam-se a outros equipamentos como a Vedoria, os Celeiros e o Palácio da Inquisição.

O Palácio do Governador e a Igreja Matriz, dedicada a N. Sra. da Assunção, são elementos da composição urbana da área Poente da Cidadela, situada perto da Porta da Vila, definindo o chamado Terreiro, espaço público de maior área. Para além da Igreja Matriz, existiam as igrejas de S. Sebastião, de N. Sra. da Luz e de N. Sra. do Pilar.

Mazagão mantém ainda hoje o seu traçado urbano original e muitas das ruas conservam nomes portugueses, patentes nas placas toponímicas da época, como a Rua da Carreira, a Rua Direita, a Rua da Nazaré, a Rua do Arco, a Rua do Governador, a Rua da Mina ou a Rua do Celeiro.

Vista aérea de Mazagão

Vista aérea da Cidadela de Mazagão . foto Aéroclub Jean Bertin

O pioneirismo da fortaleza de Mazagão, fortaleza inovadora, peça-chave da evolução das fortificações modernas, percursora da transição para o uso da artilharia, materializa em Marrocos pela primeira vez as novas teorias da fortificação abaluartada, que daqui seriam transpostas para a colonização europeia da América, Africa e Asia.

A sua eficácia enquanto estrutura defensiva ficou patente na sua inviolabilidade durante os cerca de 260 anos que serviu a coroa portuguesa.

Mas a excepcionalidade de Mazagão ultrapassa o simples conceito de fortificação, revelando-se também como um modelo de planeamento e construção da cidade, de transposição para o território de funções urbanas, instaladas segundo determinada escala e de acordo com princípios de racionalidade e sustentabilidade.

Serão também estes conceitos da cidade do Renascimento que as novas cidades coloniais irão por em prática, e que contribuirão decisivamente para o desenvolvimento do planeamento urbano moderno.

frente Oeste

A Porta da Vila

Bibliografia:

CARABELLI, Romeo. “L’Héritage Portugais au Maroc, un patrimoine d’actualité”. Mutual Heritage

CORREIA, Jorge. “Implantação da Cidade Portuguesa no Norte de África. Da tomada de Ceuta a meados do século XVI”. FAUP publicações. Porto 2008

CORREIA, Jorge. “Mazagão. A última praça Portuguesa no Norte de Africa”. Revista de História da Arte nº 4. 2007

FARINHA, António Dias. “Os Portugueses em Marrocos”. Instituto Camões, 1999

LOPES, David. “A Expansão em Marrocos”. Editorial Teorema, Lisboa, 1989 (Publicação original BAIÃO, António, CIDADE, Hernâni e MURIAS, Manuel . “História da Expansão Portuguesa no Mundo, 3 vols. Editorial Ática. Lisboa, 1937)

MATOS, João Barros. “A Fortaleza de Mazagão e a Porta do Mar”. Actas do IV Colóquio de História Luso-Marroquina, 2008

MATOS, João Barros. “El Jadida [Mazagão], Norte de África, Marrocos”. Património de Influência Portuguesa. Fundação Calouste Gulbenkian. Página electrónica. 2012

MOREIRA, Rafael. “A construção de Mazagão. Cartas inéditas 1541-1542”. IPPAR/CPML. Lisboa, 2001

Comments

  1. Bufarinheiro says:

    Muito bom.
    Apenas um reparo:
    O Carlos V de que falas (1541) é Carlos I de Espanha e V do sacro-império.

  2. Manuel Lopes Cardoso says:

    Um belo artigo sobre a Cidadela de Mazagão-El-Jadida hoje. Conheço a terra, adoro El- Jadida e comovi-me quando vi a bela Cisterna! E toda a fortificação, as ruas. Inesquecível! Obrigada. Maria João Falcão Blogue falcão de jade.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s