Contributos para os futuros acórdãos do Supremo Tribunal Administrativo

marteloTendo em conta a recente decisão do Supremo Tribunal Administrativo (STA), é fácil adivinhar o espírito dos futuros acórdãos desta prestigiada instituição.

Antes de mais, e sempre que estiver em causa algum cidadão com mais de cinquenta anos, os juízes usarão como referência o provérbio “Quem já andou não tem para andar”. Bastará substituir o verbo “andar” por outro qualquer que se possa relacionar com o caso que estiver a se julgado.

Para além disso, os juízes do STA continuarão a encarar perdas ou amputações com o mesmo espírito de abertura que usaram para considerar que não é grave estar impedido de ter relações sexuais a partir dos cinquenta anos. Continuamos sem ter a certeza se há vida para além da morte, mas, graças aos juízes, ficamos a saber que não há vida sexual para lá dos cinquenta.

Vale a pena, ainda assim, descer a alguns pormenores, antecipando futuros acórdãos.

No que se refere a amputações, a perda de um braço, por exemplo, não trará problemas aos cinquentões, porque ainda lhe sobrará outro. Aos que quiserem inventar problemas como o da necessidade de manusear faca e garfo, os juízes responderão que um braço chega para a colher, porque, a partir de uma certa idade, uma sopinha é mais do que suficiente.

A perda de um pé também não será considerada grave, uma vez que ninguém irá iniciar uma carreira de futebolista ao atingir a meia centena de anos. Para além disso, evitará que as pessoas mais violentas se dediquem a distribuir pontapés pela humanidade.

A própria decapitação será vista, por contraditório que pareça, como a melhor maneira de nunca mais perder a cabeça. De qualquer modo, já toda a gente ouviu a um idoso a frase “A minha cabeça já não é o que era.”

Perder a própria visão acaba por ser positivo, pois sabe-se, desde tempos imemoriais, que não há nada de novo debaixo do céu, pelo não haverá nada para ver que já não tenha sido visto.

Os próprios juízes estarão a pensar em encarar a violação sexual sob outro prisma. Se a vítima – doravante designada como “feliz contemplada” – for uma mulher ainda fértil, o violador poderá estar a prestar um serviço patriótico, tendo em conta a baixa da natalidade; se a feliz contemplada tiver mais de cinquenta e/ou for infértil, já não tem idade para andar na rua e deverá ser condenada por desperdício de esperma.

Comments


  1. Será que estas decisões terão alguma coisa a ver com as praxes a que estes juízes terão sido sujeitos na juventude?! Ou será consumo inadequado de alcóol e quejandos?!

  2. Francisco Costa says:

    Falta de assunto
    Que chatice, isto parece a silly season, dizia um jornalista do Público para uma jornalista do Correio da Manha – é que não há assunto !
    O País está óptimo, o orçamento geral do estado é consensual, a dívida pública está baixa, os juros da dita estão baixíssimos, o povo está feliz, o Passos acabou com as roubalheiras, o Crato meteu os professores na ordem, a da justiça diz que o Citius já foi ao sítio, o ébola já era, a Europa está rejubilante com a retoma económica, a Grécia está cada vez mais próspera, os islamitas do exército dos loucos foram submetidos pelos curdos, a faixa de gaza é um exemplo de sã convivência, gaita que não há assunto !
    Olha, procura aí na base de dados dos tribunais – com sorte ainda apanhas algum juiz a dizer que o sexo das mulheres murcha a partir dos 50 !

    • António Fernando Nabais says:

      Ó Francisco, não seja bruto, homem!

      • Francisco Costa says:

        Antes Bruto que estúpido…

        • António Fernando Nabais says:

          Ser bruto e ser estúpido não são características incompatíveis. Pode haver quem consiga acumular, porque não configurará uma ilegalidade. Um estúpido pode, por exemplo, desvalorizar a vida de uma pessoa, limitando-se a declarar que há assuntos mais importantes, como se não houvesse sempre pelo menos um assunto mais importante do que aquele que está a ser tratado num dado momento. Um bruto será sempre insensível à situação de alguém que viu desvalorizado o que resta da sua dignidade. Mas estúpidos são os outros. Um bom dia também para ti, bruto.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.