Um par mortífero

Já aqui contei que a minha cadela Rita adoptou um gato vadio, o Chico. Nos outros lugares, menos virtuais, onde também o contei, a reacção foi sempre de ternura embevecida. Punham-se as cabecinhas de lado quando ouviam a história, aquele sinal inegável de que os ouvintes responderiam com adjectivos como fofo, lindo, queriducho, e outros termos detestáveis. A história começou a correr e eu fiquei conhecida em certos meios como “a dona da cadela que vive com um gato”. Houve até um vizinho que veio ter comigo na rua para perguntar-me se era eu que escrevia no Aventar porque tinha lido o post e reconhecido a cadela e o gato que ele via do seu quintal. A Rita e o Chico devolviam a uma pequena amostra de seres humanos a fé quase perdida na possibilidade de um mundo de paz e harmonia.

Embalada com o sucesso da história, não me coibi de ir partilhando detalhes mais actualizados. E aí, para meu espanto, o entusiasmo esmoreceu de forma súbita. É que a cadela começou a ensinar o gato a caçar. Ele tinha o talento inato mas faltava-lhe a aprendizagem dos procedimentos. Começaram pelas ratazanas. Ao que o Chico tinha de rapidez e agilidade, a Rita respondeu com astúcia e experiência. Percebi logo que estavam ali dois assassinos em série. Orgulhoso, o Chico foi deixando um rasto de roedores chacinados por todo o lado, a sua forma de retribuir o carinho a quem lhe dá de comer. A Rita também ficou orgulhosa dele, mas disfarçou mostrando uma entediada indiferença quando ele empurrava as ratazanas mortas para junto da cama dela, uma das mais tocantes manifestações de afecto a que se pode assistir neste mundo.

Se é certo que ninguém gosta de ratazanas, também não vi grande entusiasmo quando fui descrevendo aos antigos fãs da Rita e do Chico a morte horrenda dos roedores. A grande reviravolta, porém, chegou quando a Rita e o Chico se dedicaram às pombas. Dominada a caça no terreno, acharam por bem abalançar-se ao abate de criaturas voadoras, o que exige maior perícia e rapidez, mas é também, ao que parece, mais recompensador. Apanharam uma e comeram-na. Quando a história da Rita e do Chico passou a ter restos de asas, sangue a rodos e penas esfrangalhadas, eles deixaram de ser o parzinho amoroso que eram para se transformarem em “serial-killers” abomináveis. Os antigos ouvintes enlevados respondem agora com “Arrghhh! Cala-te lá com isso! Que raio de bichos!”, como se os animais só merecessem o seu aplauso quando contrariam a sua natureza.

Mas a que queriam que eles se dedicassem? Ao crochet? Que passassem o dia à volta de um tabuleiro de gamão, a bebericar chá de ruibarbo? Não matam por sobrevivência, não é a fome que os move, matam porque são caçadores. Pode-se dificultar-lhes a vida pondo-lhes guizos nas coleiras mas o instinto está lá e não vai desaparecer.

Dei por mim a pensar que as pessoas esperam dos bichos que contrariem a sua natureza, que se transformem em criaturas saídas de um filme do Walt Disney, que não façam chichi nos sofás, nem roam móveis, nem deixem ratazanas mortas no tapete, em síntese, que não sejam animais, antes caricaturas deles, o que não raras vezes acaba em abandonos de beira-de-estrada ou num mais asséptico canil.

Tenho pena das pombas, pois tenho, já as ratazanas quero que se lixem, mas não acho estes dois nem um pedacinho menos simpáticos nem a sua convivência menos admirável, só porque são animais que se portam como tal. Vão chamar fofinhos a outros.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Extraordinária imagem do País. Parabéns pelo artigo.

  2. Américo Montez says:

    Há quem aponte os gatos como sendo os maiores predadores em ambiente urbano. Verdadeiros exterminadores implacáveis … nas nossas costas.

    Já agora … e os cágados ? Ninguém fala nos cágados !!

    http://youtu.be/E8rU-bLYM7Y

  3. António Fernando Nabais says:

    Abaixo o fofinhismo!


  4. As pombas são meras ratazanas voadoras, uma praga urbana alimentada por gente irresponsável. Abençoados animais.

  5. José Peralta says:

    Como sempre, uma crónica excelente !

  6. André says:

    Ratazanas e pombas bichos diferentes…a mesma peçonha!


  7. os pombos não são mais do que ratos alados…
    =;-)

  8. José almeida says:

    Mais um belo quadro. Parabéns.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.