Canis Major

Canis Major

Canis Major

 

O Cão é um animal extraordinário e com um apurado sentido prático da vida. Ele veio vindo das estepes e das montanhas, Lobo ainda, lutando tenazmente pela sobrevivência, buscando os lugares que melhor a garantiriam pela caça, pela fuga aos predadores e pela reprodução segura da espécie. Vivia uma vida de perigos e sacrifícios, mas era razoavelmente livre.

Um dia cheirou-lhe a estufado, fez um referendo na matilha e deitou-se no sofá da sala. A lealdade e a sabedoria que por vezes oferece a quem o acolheu suplantam, talvez, a humilhação de ter sido um dos primeiros animais a vender a sua própria independência e a deixar-se seduzir pelo modelo global de aburguesamento.

[Read more…]

Um par mortífero

Já aqui contei que a minha cadela Rita adoptou um gato vadio, o Chico. Nos outros lugares, menos virtuais, onde também o contei, a reacção foi sempre de ternura embevecida. Punham-se as cabecinhas de lado quando ouviam a história, aquele sinal inegável de que os ouvintes responderiam com adjectivos como fofo, lindo, queriducho, e outros termos detestáveis. A história começou a correr e eu fiquei conhecida em certos meios como “a dona da cadela que vive com um gato”. Houve até um vizinho que veio ter comigo na rua para perguntar-me se era eu que escrevia no Aventar porque tinha lido o post e reconhecido a cadela e o gato que ele via do seu quintal. A Rita e o Chico devolviam a uma pequena amostra de seres humanos a fé quase perdida na possibilidade de um mundo de paz e harmonia.

Embalada com o sucesso da história, não me coibi de ir partilhando detalhes mais actualizados. E aí, para meu espanto, o entusiasmo esmoreceu de forma súbita. É que a cadela começou a ensinar o gato a caçar. Ele tinha o talento inato mas faltava-lhe a aprendizagem dos procedimentos. Começaram pelas ratazanas. Ao que o Chico tinha de rapidez e agilidade, a Rita respondeu com astúcia e experiência. Percebi logo que estavam ali dois assassinos em série. Orgulhoso, o Chico foi deixando um rasto de roedores chacinados por todo o lado, a sua forma de retribuir o carinho a quem lhe dá de comer. A Rita também ficou orgulhosa dele, mas disfarçou mostrando uma entediada indiferença quando ele empurrava as ratazanas mortas para junto da cama dela, uma das mais tocantes manifestações de afecto a que se pode assistir neste mundo. [Read more…]

Excalibur

Talvez seja necessário sacrificar o cão da auxiliar de enfermagem infectada com Ébola, tal como o marido dela assegura que as autoridades sanitárias pretendem fazer, e apesar da objecção dos seus donos. Talvez seja o mais seguro, uma medida entre muitas para travar o avanço de uma possível epidemia.

Mas não deixo de perguntar-me como se devem sentir estes dois, homem e mulher, ambos isolados em quarentena, ela com a certeza de ser portadora de doença, ele com a terrível dúvida de sê-lo ou não, e que têm, a julgar pelas informações que vão chegando, todas as razões para sentir que as autoridades foram negligentes com a segurança dos profissionais de saúde que tentaram salvar os missionários espanhóis infectados com Ébola. E que afirmam, sem margem para dúvidas, que quando tentaram chamar a atenção para a possibilidade da mulher, Teresa, auxiliar de enfermagem, estar infectada, não receberam a resposta pronta e cuidadosa que deveriam ter recebido das autoridades. [Read more…]

Quem tem fome dá o cão

família carenciada troca cão por cabaz d alimentos cão de pobre

“trocamos” cão por cabaz d alimentos por falta d posses pa o ter porke estamos desempregados a sobreviver com 70euros com 2miudas…nao e uma troca de coisas mas um pedido de ajuda sincero scal2@hotmail.com contacte-nos pa darmos+pormenores

O anúncio tem três meses. Esta cantiga 40 anos. E fico por aqui: a 2 de março acertamos contas, na rua.

Aviso: se me aparece aqui alguém a falar em “defesa dos animais”,  “coitadinho do cãozinho”, ou algo do género, mordo. Como um cão raivoso.

Foge, Cão

A prenda ideal neste Natal:

S. João

(adão cruz - S.João - mais um 2010)

(Texto de Marcos Cruz)

S. JOÃO

João estava são, mas não tencionava ir ao S. João. Era uma contradição quase evidente, pois, no Porto, só não vai ao S. João quem estiver em má fase, morto ou doente. Mas João tinha uma explicação assaz convincente: o seu cão, pouco paciente, não lhe daria paz em noite tão exigente. Uma solução era deixar o cão na vizinha, mas esta, tripeira dos quatro costados, queria também ir à festa, e sozinha, sem atrelados. O que fazer, então? Das tripas coração? Talvez não. Afinal, o S. João não valia tanto, para o João, como aquele espanto de animal. No entanto, mais do que ninguém, estava o dono seguro de que quem troca o pão, mole ou duro, e a sardinha na brasa por passar, com o cão, em casa, um serão distinto, sem um grãozinho na asa, não sabe o que perde, pois como isso não há nada, nem o chouriço, o vinho, verde ou tinto, a martelo, nem a própria martelada. Bailarico popular é o S. João, e só ficam a ganhar os que lá vão. Foi já resignado à desdita que o João, acabrunhado, teve súbita visita de uma cantora de fado. Ainda ela lhe dizia que viera de Lisboa rever uma velha amiga mas não a tinha encontrado, logo o João, animado, deu corda à imaginação, pensando se não seria a sumida rapariga a sua vizinha do lado. Era mesmo, pois então, e foi em tom de cantiga que o bom do João propôs à querida fadista condição oportunista para lhe dar guarida até ao regresso da amiga: tomar-lhe conta do cão. Ela ficou convencida e, pronto, missão cumprida, lá foi ele, feliz da vida, cumprir também a tradição.

os cães de israel

Paula Rego, Mulher Cão

Paula Rego, Mulher Cão

Quando as coisas chegam à pirataria marítima pura e dura e burra mete alguma impressão que ainda surja uma horda de defensores do estado (neste caso é mais do governo, que o massacre nem colhe apoios internos) de Israel.

Pelas caixas de comentários do Aventar e em muitos blogs o fanatismo tenta tapar os olhos a quem vê, neste caso o mundo inteiro.

Uns são simples mossadistas (foi denunciada há muito tempo a sua rede de agentes de propaganda em todo o mundo, a vida está cara e custa a todos), alguns agem por convicção religiosa (convém não esquecer que o judaísmo é uma religião como as outras, a que qualquer um pode aderir), mas o mais estranho é o enternecedor carinho da direita para com esta gente.

Há várias teorias para o explicar, e também tenho uma, que não se aplicando a todos funciona bem para alguns.

Aquela direita fascistóide que não se quer assumir (a assumida vai mais pelas tradições nazis e está do outro lado, marchando sempre contra o que lhe cheire a judeu) além de apreciar as virtudes de um estado confessional e anti-democrático abusa da oportunidade de estar do lado do governo mais nazi do planeta mas que não seria nazi porque o seu povo até teria sido a vítima da Alemanha nazi.

Sendo certo que os judeus foram vítimas de um processo de extermínio ariano (mas proporcionalmente os ciganos sofreram bem mais, e os primeiros que Hitler aniquilou foram os comunistas alemães), se fossem coerentes salivavam de igual forma perante qualquer perseguição a ciganos, a comunistas, a homossexuais, ou a simples democratas.

Nunca achei o cão de Pavlov um animal inspirador, e este caso só me dá razão.

De memórias somos feitos

Lá estava o seu rosto velho e sulcado, arranhado do mundo e da vida, meio escondido na barba espessa e negra que o ninho havia impregnado de pequenas arestas de palha. Já quase não vivia, no magro sentido biológico. Apenas pensava. Por isso algumas vezes o julgaram morto quando ele verdadeiramente vivia. Outros apelidaram-no de filósofo.

Os olhos esquecidos por detrás das pálpebras negras e sujas não paravam nem por escassos instantes no rosto de alguém. Apenas um relance veloz como o raio constituía a única manifestação vital desse corpo, quando, frente a ele, alguém detinha ou abrandava o passo.

Todas as vezes que o vi me pareceu ver o meu retrato, mas sempre muito distante, muito longe. Um capote gasto e roto como a pouca vida que o mantinha ainda à flor da terra caía-lhe dos ombros magros como uma cruzeta. Há anos, muitos anos, que tal veste fora nova e de um castanho torrado como o cair da folha. Nunca deixara de cobrir aquele corpo, pois a ele o haviam cosido as mãos da miséria.

O próprio cachorro, cuja idade lhe comia no lombo grandes tufos de pelo, não reconheceria o dono sem capote, o dono cindido em dois. Cão e mendigo, esqueléticos e mudos, parados como um pântano, pousavam para o mundo, para a grande tela da vida. Constituíam os dois uma só peça, uma única escultura cinzelada numa só pedra.

Não falavam. Apenas de hora a hora gemiam. Se era a goela a queixar-se, mexia-se a mão apergaminhada e ossuda do velho a acariciar-lhe tremulamente o focinho esguio. Se o gemido nascia do peito humano, brandamente o cachorro se aconchegava a ele, lambendo-lhe os olhos e a boca, como se quisesse mostrar-lhe quanto valia o amor de um cão perante a pobreza do mundo. E o coração do pobre velho sorria sobre um mar de tristeza. [Read more…]

O Homem Que Mordeu O Cão

.

A NOTÍCIA

.

Não é ofensa, o título desta crónica. Longe de mim chamar cão ao agente da autoridade. Mas, neste caso a notícia está, não na resistência do condutor à prisão, nem o facto de o agente da autoridade entender que o deveria deter. A notícia, verdadeira e bizarra, está na forma como o homem, alcoolizado, resistiu à detenção. O individuo mordeu a perna do polícia.

Parece que o malandro, já tinha tido actuações idênticas noutros encontros com as autoridades.

Como aparte à notícia, soube-se que a mordidela foi de tal forma que o agente da PSP, teve de ser tratado no hospital.

Ele há cada um!

.