Redacções invadidas por “batéria” altamente contagiosa

batéria

Imagem criada e cedida pelo Luís Canau

Por razões que a razão desconhece, há órgãos de comunicação social que resolveram adoptar o chamado acordo ortográfico (AO90).

Nos últimos dias, uma bactéria tem merecido um triste destaque. Como se não fossem suficientes os problemas de saúde pública, também a ortografia se ressentiu: em várias redacções, a palavra “bactéria” foi transformada em “batéria”, como se pode ver no magnífico trabalho do Luís Canau.

É claro que o AO90, de uma maneira geral, não preconiza a queda de consoantes articuladas (isto é, que se pronunciam), pelo que, oficialmente, a “bactéria” deveria ter resistido à nova ortografia, até porque, como medicação, é fraca.

Quem acompanha, com atenção, a aplicação do AO90 tem podido assistir à queda (im)prevista de consoantes articuladas, originando erros ortográficos que, até há pouco tempo, eram residuais ou inexistentes. A linguística explica, assim a tivessem ouvido.

A aprendizagem da escrita não se faz apenas na escola. A criança ou o jovem passam o tempo a ler, porque vivemos rodeados de escrita por todos os lados. Um erro publicado será, portanto, um erro repetido, reescrito, aprendido. Resta saber quanto tempo resistirá a bactéria.

O problema ortográfico já existia. O AO90 aprofundou-o. Com a imprensa de referência a propagar erros, ajudada por cartazes e anúncios e outros media, a ortografia adoece, como se não tivesse importância.

Limito-me a repetir a pergunta do Francisco Miguel Valada: “Confessem lá: este AO90 está a correr mal, não está?”

Comments


  1. Está a correr mal…e de que maneira!
    É a banalização e a anarquia no seu expoente máximo!…
    -“Viva a burrice!”

  2. Rui Moringa says:

    Mais uma expressão da mediocridade.

  3. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Estes neo-liberais que tudo destroem encontram agora na língua o saco da sua frustração Estra frustração que lhes permite denegrir uma das bases da nossa Identidade – a língua – chama-se em português correcto IGNORÂNCIA, ESTUPIDEZ, FALTA DE CULTURA. Fomos invadidos por uma vaga de miseráveis seres de duas pernas que são mais penalizadores que a Legionella

  4. tekapa23 says:

    Além de que grande parte dos ‘jornalistas’, da TV, pronunciam báctéria, com o 1º A acentuado. Porquê ???

  5. Abel Barreto says:

    Enquanto disserem “báctéria”, menos mal; pior é insistirem em despromove-la a vírus.

Trackbacks


  1. […] a aplicação do chamado “acordo ortográfico”. Que potencia aberrações como esta e esta. E até esta, capaz de pôr os olhos em bico a muitos acordistas: «Otimizar a recessão» […]


  2. […] lembrar que se aprende a escrever todos os dias e durante todo o dia, nas escolas, nos cartazes, nos jornais ou nas […]


  3. Wiseman & Burke

    Redacções invadidas por “batéria” altamente contagiosa – Aventar


  4. Robert Duggan

    Redacções invadidas por “batéria” altamente contagiosa – Aventar

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.