A prisão do incendiário

incendiario

Carlos Roque

Em relação às acusações por corrupção do Sócrates, palpita-me que muita gente, que se congratula pela sua detenção, se está rigorosamente nas tintas para cada uma delas.
Não é por isso.
Por ele estar preso, congratulam-se. Não pelo que o acusam, mas sim por o responsabilizarem por tudo o que de terrível aconteceu ao país… depois de ele abandonar o poder — o horror dos efeitos retroactivos da sua governação, que incendiou o país nos 4 anos a seguir — e por ele, o incendiário, ter tido o arrogante desplante de vir ainda criticar “a água a mais” destruidora dos bombeiros que andavam, mais ou menos desastrados, a apagar as chamas.
O Al Capone também não apodreceu na prisão por nenhum dos crimes que nos horrorizam — foi por outros que nada nos dizem.

José Sócrates não devia ter sido detido de noite

Clara Ferreira Alves está muito preocupada pelo facto de José Sócrates ter sido detido durante a noite quando chegava de Paris.
Não a preocupa o facto de José Sócrates andar a ser acusado de corrupção há 17 anos sem que tenha sido minimamente investigado em todo este período. Não a preocupa o facto de o Ministério Público ter travado em 2003 uma busca à sua residência que investigaria as ligações perigosas por causa do processo da Cova da Beira. Não a preocupa que os claros indícios de corrupção no caso Freeport tenham passado ao lado do Ministério Público. Não a preocupa que a Procuradoria-Geral da República e o Supremo Tribunal de Justiça o tenham protegido descaradamente enquanto ele foi primeiro-ministro. Nada a preocupa, nem mesmo os evidentes sinais exteriores de riqueza que ele ostenta, tão suspeitos quão inexplicáveis.
Nem sequer se pergunta por que razão José Sócrates só foi detido depois de abandonar o poder. Porque isso não a preocupa. É um cidadão diferente dos outros, por isso, ao contrário dos outros, tinha o direito de estabelecer condições, como foi público, para as perguntas que o Tribunal lhe queria fazer.
O que a preocupa é que ele tenha sido detido durante a noite. Também acho. José Sócrates devia ter ido calmamente para casa, reunir-se com os principais implicados no caso, engendrar a estratégia de defesa, destruir as provas se ainda as houvesse e, aí sim, avisar as autoridades de que estava disponível para ser ouvido. Afinal, ele foi um primeiro-ministro, merece um tratamento especial.

Troika para o Bloco já!

Juntem Pedro Filipe Soares a João Semedo e Catarina Martins e está ultrapassado o impasse: uma liderança tricéfala! No Bloco, cabem todos…

Cartoon do dia

17764227_QVpmp

Também tenho coisas para dizer

Interrompo o meu retiro nos planaltos das Lowlands para dizer quatro coisas que me parecem fundamentais:

1- Sócrates, como qualquer cidadão de um Estado Direito democrático, é inocente até prova em contrário. O facto de ser arguído não é prova da sua culpa ou inocência. Não serve de nada, penso eu, voltarmos ao caso da licenciatura ou do Freeport porque não é disso que Sócrates está a ser acusado. Ir buscar isto ou aquilo para provar a sua culpa na praça pública é um erro que descredibiliza quem escreve.

2- Contudo, (e isto vai para a Clara Ferreira Alves com quem eu desde já assumo uma relação amor-ódio) faz-me “espéce” o argumento que muitas pessoas já assumiram: que o processo está descredibilizado porque Sócrates foi preso mal chegou a Lisboa (e de noite, ainda por cima!), ou porque a televisão estava lá (!) ou porque a Felícia Cabrita entrou em histeria no Sol ou porque o Correio da Manhã foi, enfim, o Correio da Manhã. Tudo isto é entrar por um caminho que não devia interessar minimamente. Quer queiram quer não, parece que estão a tentar desviar a atenção do que é importante, como se o Procurador e a Procuradoria não tivessem pensado nas coisas antes de irem deter um ex-primeiro-ministro ao aeroporto, como se o tivessem feito para se vingar de Sócrates (com que razão? Não se sabe porque nesta linha de pensamento fica-se sempre pela insinuação) como se nós, os bloggers, os jornalistas de serviço, comentadores e malta do facebook, soubessemos mais e melhor do que quem está de facto envolvido no caso.

[Read more…]

Recordatório

Senhor engenheiro