Felizmente tenho escolha

E desde 2005 que opto por não voar na TAP… Nada contra o direito à greve. Tão legítimo como escolher a companhia aérea que me transporta ao destino que escolhi na data e hora que agendei e pelo qual previamente paguei…

Os lucros e a criação de empregos

Lloyds aumenta lucros e anuncia nove mil despedimentos

Sempre que se alude à importância de aumentar os impostos sobre os mais ricos ou sobre os lucros das empresas, aparece sempre alguém a condenar essa intenção, defendendo que esse lucro dará origem a mais empregos.

A verdade é que ganhar mais dinheiro ou muito mais dinheiro não significa que se vá a correr diminuir a taxa de desemprego. Se assim fosse, por cada vencedor de um jackpot dos euromilhões apareceriam vários empregos.

Nada disto é simples e muito disto é fado, mas dá, no mínimo, que pensar a história do banco que, hoje, aumenta os lucros e amanhã despedirá nove mil pessoas, o que poderá afectar, pelo menos, outras tantas.

Talvez um banco não tenha de pensar nisso, mas a sociedade, essa forma humana de se ser solidário, não pode fingir que o desemprego não traz vários problemas e acabamos sempre por voltar ao papel do Estado e à importância dos impostos.

Horta Osório é o presidente do Lloyds Bank. Fez parte do Compromisso Portugal, onde estão cristalizadas muitas das ideias que este governo continua a impor. Recentemente, explicou que os salários dos portugueses podem subir se a produtividade dos trabalhadores aumentar. Pelos vistos, as reduções salariais dos últimos anos resultaram da diminuição de produtividade dos trabalhadores.

Trânsito e economia

Toda a gente ri (amargamente) das declarações de Pires de Lima, segundo as quais Portugal estaria “à frente de grandes economias mundiais”. Ora, de uma certa perspectiva – em linguagem da prevenção rodoviária, por exemplo – o ministro pode ter alguma razão. Ainda há pouco dei comigo à frente de carros que circulavam na minha rua a imprudente velocidade.e, apesar de estar sobre a passadeira de peões, vi jeitos de a coisa acabar mal.

“Estamos à frente de grandes economias mundiais”? Caramba! O melhor é fugir rapidamente, não vá dar-se o fatal atropelamento.

Dia de todos os santos

dia de todos os santos

A memória é traiçoeira. De que mais se lembram?

Adenda:
Guterres: O pântano
Passos Coelho: O regresso de emigração

Halloween

Confesso que não gosto do Halloween nem do que o acompanha. Mas vi. Os monstros estavam lá. Amontoavam-se em filas, olhos raiados, expressões sinistras, gestos lúbricos, goelas ávidas. Havia mortos-vivos, vampiros, múmias e seus servos menores – os monstros têm sempre servos menores. Todos ululantes, dirigindo os seus impropérios às pessoas que, em frente deles na ampla sala, apesar de inquietas, respondiam conforme as forças que tinham. Mas os monstros eram mais e avançavam. E venceram. Assim, apesar da resistência das pessoas, o Orçamento Geral do Estado foi aprovado.