Humberto Delgado, o aeroporto e os ceguinhos

Humberto_Delgado_coimbraAntónio Costa apresentou uma proposta no sentido de o Aeroporto da Portela ser baptizado com o nome de Humberto Delgado. Acho bem. Passam 50 anos sobre o seu assassinato e o homem até foi aviador.

Curioso é o 31 que a extrema-direita levanta a propósito da proposta. A coisa desce ao nível disto: ” Deverá ser esta a primeira personagem histórica a conhecer por quem nos visita?”

Portugal tem três aeroportos internacionais. O segundo, em volume de tráfego, chama-se Sá Carneiro. É essa a primeira personagem histórica que quem nos visita também conhece, um líder partidário  (que muita falta faz ao seu partido, mas isso é outra conversa).

Mas enfim, quem a seguir acrescenta a conquista de Ceuta (só a maior imbecilidade da autoria de governantes portugueses, que apenas trouxe despesas e nenhum benefício) e Afonso de Albuquerque como glórias nacionais, deve ter um problema qualquer com o turismo marroquino ou indiano. Com a História tem de certeza absoluta, e não é miopia, é cegueira pura.

Imagem: comício de Humberto Delgado em Coimbra. Entre a multidão o meu tio e o meu pai, com muito orgulho.

Comments

  1. tio patinhas says:

    Em alternativa ao nome do aeroporto de Lisboa, poderia pensar-se no do atual presidente da república, como o homem (e o seu séquito) que destruiu este país, por vingança dos que perderam o poder em 1974, por ignorância dado não ler jornais nem livros, por ter passado por aqueles neurónios apenas números, pela imbecilidade de julgar raramente se engana e nunca tem dúvidas. Esse grande cidadão do mundo deveria ter uma estátua para que pudéssemos pintá-la com merda. Qual Humberto Delgado qual quê, Aníbal é que é.

    • celesteramos.36@gmail.com says:

      Quando se atribuem Oscars aos actores e directores de cinema e música e etc – também há oscars “paralelos” para o PIOR FILME – o pior actor – A república portuguesa devia medalhar o actual PR como o PIOR “qualquer cisa” – inventem – mas já metem na linha da Frente esse inverosímil Santana Lopes e COSTA já no lugar marcado atrás dele para segui parra o Palácio de Belém e entretanto obras no CONVENTO de Alcântara para LAR de 3ª idade dos PR – mas que vizinhos terei – que grande asar – escreve-se com ou são H – tanto me faz Hasard – é hasard

  2. Marquês Barão says:

    Sugestão séria: Aeroporto TAPOLHOS extenção BEJAOTA.

  3. Os nomes devem representar um ponto historico. Andar a mudar o nome das coisas é mascarar e travestir as coisas. Nem o aeroporto representa uma realização em memoria do general H:D. é antes uma farsa; a seguir a mudarem o nome a turba vai beber uns belos copos e cuspir na memoria de quem o fez , criando mais uma taxa ou portagem como fizeram com a ponte 25 Abril já mais que paga – agora para gaudio dos mesmos DDTs

  4. Eu acho que o aeroporto devia chamar-se Mário Lino!

    • celesteramos.36@gmail.com says:

      BOA – Mário Lino – o sr jamé que actualmente é actor no teatro de Cascais de Avillez – aí está no lugar certo

  5. JgMenos says:

    Portela é bem adaptado nome de aeroporto.
    Façam-lhe mais uma estátua numa qualquer rotunda que não pareça o anão de chapéu que fizeram no Porto, e chega.
    Batizar aeroportos, eis um génio político em acção!

  6. celesteramos.36@gmail.com says:

    Também podiam propor ampliar o aeroporto de Sines que é bem bom

  7. Maria João says:

    Melhor ainda: dada a premência da matéria, faça-se um referendo nacional!

    (Comentário feito sem qualquer intenção de desrespeitar a memória e dignidade histórica de H. Delgado)

  8. AntónioF says:

    Caro JJCardoso,
    a propósito da foto que publica, o comício de Humberto Delgado em Coimbra, seria interessante ver quem, em nome dos estudantes da academia, falou no outro comício, aquele que será o Venerando Chefe de Estado, realizado no ginásio do Liceu D. João III.
    Neste, no de Humebrto Delgado realizado no Teatro Avenida foi António Arnaut!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.