O infiltrado fascista

Petro Poroshenko

Fico sempre muito comovido quando assisto a declarações do milionário ucraniano que os EUA adquiriram para servir os seus interesses nos jogos de poder em curso fronteira russa, posteriormente convertido em presidente da república daquele triste país transformado em ringue de boxe por russos e ocidentais. Como se já não chegasse serem governados pela extrema-direita que, apesar de extremamente violenta e perigosa, não desperta a obsessão pelo uso dos termos “radical” e “extremista” por parte dos Josés Rodrigues dos Santos desta vida, os ucranianos têm também que aturar este mercenário alinhado com os neonazis no poder chamado Petro Poroshenko.

Depois do encontro em Minsk, e de Poroshenko ter imediatamente afirmado não acreditar que o cessar-fogo entre forças ucranianas e separatistas pró-russas fosse respeitado, a verdade é que, à excepção de pequenos incidentes que se verificaram durante o fim-de-semana, os beligerantes parecem estar empenhados em cumprir o acordo assinado na capital bielorrussa, o que poderá complicar os planos de imposição da tão pretendida lei marcial por parte dos fascistas ucranianos. A NATO vai ter que esperar.

Comments

  1. tio patinhas says:

    “…I love the smell of napalm at the morning” – in Apocalypse Now.O cheiro a petróleo e a gás chega desde Kiev e os vampiros do ocidente e de leste fazem as suas apostas. Fascista claro que sim, apesar de não ser louco da américa do sul.

Trackbacks


  1. […] não-sufragado que governa a Ucrânia, onde o próprio presidente foi (e ainda deve ser) um peão local de Washington, desmascarado pelo Wikileaks. Quando o assunto são os novos actores […]


  2. […] Depois acordo e subitamente me apercebo que estou perante um estado governado por nazis e presidido por um infiltrado fascista do governo norte-americano que, também na Quarta-feira, ordenou a prisão de Igor Kolomoysky, oligarca ucraniano […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.