Sobre as propostas do PS

Programas eleitorais não são para levar totalmente a sério, uma vez que a experiência demonstra que os partidos avançam com promessas em tempo de campanha e posteriormente, quando eleitos apresentam um rol de desculpas, que a situação é pior do que esperavam, etc, pretextos para desculpabilizar o não cumprimento das propostas apresentadas ao eleitorado. Em matéria de vigarice ninguém leva a palma ao PSD, partido em que deixei de votar quando o cherne de má memória deixou cair o choque fiscal. Mas o passado do PS nesta matéria também não é brilhante.

Olhando para as medidas que o PS lança para discussão pública, verdade que ainda não é um programa eleitoral fechado, a questão da TSU é disso exemplo, avanços e recuos fazem lembrar os tempos da picareta falante, quando se prometia tudo para todos. Há no entanto algumas aspectos muito positivos que quero aqui realçar, o mais importante será a necessidade de 2/3 para adjudicar grandes obras públicas. Ninguém de bom senso poderá discordar, excepto talvez alguns políticos, construtoras e escritórios de advogados. Difícil será cumprir, pois terá muito provavelmente que ser matéria de revisão constitucional. Concordo também com o princípio do imposto negativo, mas não compreendo a sua implementação mantendo a existência do salário mínimo. Vou esperar para ver em detalhe essa medida. O bizarro parece ser a ideia da reabilitação urbana à custa da Segurança Social. Discordo totalmente do aumento da progressividade no IRS, que provavelmente complicará o sistema introduzindo mais escalões e alterará as deduções. Quanto mais simples, menos escalões, deduções e alterações melhor funcionará e fica compreensível ao cidadão. Mas a cada governo eleito, correspondem alterações e mesmo durante uma legislatura as mudanças são constantes…

Globalmente não me parece assim tão mau, pior é mesmo é ver alguns figurões junto do candidato a primeiro-ministro, quanto à credibilidade, direi que estará próxima da que elegeu Passos Coelho em 2011. Esperava pior do PS, mas veremos a prática, sem expectativas que Portugal possa mudar de vida, qualquer que seja o resultado eleitoral…

Comments

  1. Nightwish says:

    É uma perfeita resposta neoliberal de quem acha que o estado deve estar quietinho e deixar o país entregue à selva. Isso e garantir o quinhão aos partidos responsáveis independentemente de quem está no governo.
    Já os libertários babam-se todos por ansiarem pela queda de pontes, buracos nas estradas, edifícios públicos a caírem aos buracos para criarem mais rendas para os verdadeiros empreendedores do país continuarem a viver à custa do estado.


  2. “Esperava pior do PS, mas veremos a prática, sem expectativas que Portugal possa mudar de vida, qualquer que seja o resultado eleitoral…”

    disseste tudo aqui.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.