Prós e contras está de volta e o tema é demasiado mau para ser verdade

justica

 Margaret Scott/NewsArt

O Prós e Contras está de volta e o tema decorre da pergunta de Paulo Rangel “Teríamos um ex-primeiro ministro preso se o PS fosse governo?” Um programa de televisão, que se auto-define como “um ponto de encontro da cidadania”, decidiu retomar as emissões com um spin directamente saído da Universidade (cof, cof) de Verão do PSD.

Oficialmente, o programa irá esclarecer se “há interferência da política na justiça.”  Talvez Macedo venha à baila. É menos provável que Portas e Passos sejam tema. Mas, seguramente, Sócrates estará omnipresente. Antecipa-se que se assista à continuação da campanha da direita para manter o ex-primeiro-ministro na agenda, com o objectivo de o colar a Costa, assim criando o medo de um segundo resgate –
apesar do último ter sido desejado e defendido pela direita.

Há muito para falar quanto à justiça. Mas escolher uma formulação lançada pela propaganda de um partido é demasiado mau. Novamente fica claro que este programa é um braço do poder, independentemente do partido que estivesse no governo.

Adenda

Quem entrevista os candidatos na RTP é (…) Vítor Gonçalves de sua graça.
Amanhã no Prós e Contras, a irmã de um membro deste governo [Fátima Campos Ferreira / Luís Campos Ferreira] modera um “debate” (LOL) onde se pergunta “Se o PS fosse governo havia justiça?” (não é bem assim, eu sei, mas a ideia é essa). E pronto, é isto.
Agora vou ler umas coisas sobre a Coreia do Norte.  [roubado e adaptado daqui]

Comments

  1. Sarah Adamopoulos says:

    Serviço privado de propaganda ao domicílio financiado pelo OE

    • Rui Silva says:

      Cara Sara,
      Como vê, cá está uma boa razão para apoiar a privatização da RTP.

      cumps

      Rui Silva

      • j. manuel cordeiro says:

        É a propaganda servida por uma estação privada de melhor qualidade?

      • Nightwish says:

        Não, é mais uma boa razão pela qual esta coligação é de extrema-direita, nunca houve grandes motivos para questionar a isenção da RTP desde o 25 de Abril até chegarem estes radicais.

        • Rui Silva says:

          Caro Nghtwish,

          Eu sempre notei a influencia da instrumentalização da RTP por TODOS os governos.
          O seu problema chama-se “clubismo”.

          Quando a instrumentalização vai no sentido das minhas ideias está tudo bem…

          cumps

          Rui SIlva

          • Nightwish says:

            Instrumentalização pela realidade é um conceito que não faz sentido.

      • A.Silva says:

        Idiota!
        Como se nas TV`s privadas a sacanice e a falta de isenção não fossem iguais ou maiores, só que nesta os portugueses tem o direito de exigir a sua isenção e é mais uma razão para se votar em partidos que respeitem as regras da democracia, coisa que não deves saber o que é.

        • Rui Silva says:

          Pelos comentários a isenção é o que se vê…
          Portanto o único direito que o portuga tem é :
          Pagar (500 milhões por ano , não é coisa pouca). E o idiota sou eu…

          RS

          • Nascimento says:

            Até dá dinheiro a um amor da tua laia chamado Camilo Lourenço. Um como tu que, sempre disse que a RTP devia ser privatizada.Ó pra ele a fazer programas na mesma casa! És um “original”….

      • NNIKO says:

        A Quadrilha ataca em todo o lado, Porcos

  2. Cláudio Silva says:

    A única duvida é se Fátima Campo Ferreira se assume definitivamente e entra com uma bandeirinha da PaF.

  3. Humberto Barbosa says:

    O irmão dela Luís, Campos Ferreira, é Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação.

  4. Ana A. says:

    Deduzo que no painel vai estar presente alguém da justiça, pois vai ter muito que esclarecer! Já não temos só o Banco Bom e Banco Mau, temos também a Justiça Boa e Justiça Má!

  5. Filipe says:

    Não chega já o observador, agora ainda temos a RTP.


    • O Observador a SIC a TVI o I a TSF a RTP a RR o DN o Correio da manhã o diário económico etc… tá tudinho controlado e é uma vergonha! Uns mais pela calada outros descaradamente.
      Asfixia democrática?

    • Rui Silva says:

      Mas o Observador tem uma vantagem. Não vive á custa do contribuinte, ao contrário da RTP.

      Rui Silva

      • joão lopes says:

        é pago por cavaquistas que num país normal estariam a contas com a justiça.

        • Rui Silva says:

          Se há pessoas á solta que deviam estar presas, o programa de hoje faz sentido.

          cumps

          Rui Silva

          • j. manuel cordeiro says:

            Então não faz? Só não se percebe porque é que o teaser do programa não incluiu também “Se o CDS não estivesse no governo, teria o processo dos submarinos sido arquivado? “

          • Rui Silva says:

            Certo, mas o tamanho do teaser ficaria muito grande e perdia o efeito se fossem colocados todos os caos por resolver que as pessoas desejassem.
            No meu caso e para completar a sua sugestão ,
            devia acrescentar-se:
            BPN
            Furacão
            Freeport
            Fax de Macau
            Monte Branco
            Univ. Independente.

            Só para não pensar muito.

            cumps

            Rui Silva

          • j. manuel cordeiro says:

            Ora bem. Estamos de acordo. Mas o que foi feito foi usar um caso concreto sem tocar nos outros. Isso é manipulação. E um teaser que usasse exemplos de todos os quadrantes políticos.

          • Rui Silva says:

            Mas caro J.M. Cardoso este é o mais atual. E sabe como são os média, amanhã já abandona este caso para “abraçar” outro.

            cumps

            RS

          • Rui Silva says:

            Além disso algum dos intervenientes poderá invocar estes “outros” casos. Tenhamos esperança.

            cumps

            RS

          • j. manuel cordeiro says:

            Rui Silva, não sei se não percebe ou se não quer perceber. Isto não se trata de uma situação dos media depois abandonarem este caso e pegar noutro. Nem de forma alguma é equivalente algum interveniente invocar os outros casos.

            Em causa está a situação em que uma televisão, sobre a qual temos uma palavra a dizer por ser pública, usou um spin de um partido para teaser de um programa. Isto é manipulação. Não me diga que com mais casos seria um teaser muito longo porque não como essa.

            Vou dar-lhe um exemplo. Imaginemos que um programa vai fazer um debate sobre os malefícios das gorduras. E anuncia-o dizendo “O Vaqueiro contem gorduras hidrogenadas e isso tem potencial cancerígeno.” Durante o programa, outros poderão argumentar que o óleo Fula tem o mesmo problema. E que todas estas gorduras causam problemas de colesterol. Daqui a uma semana, o assunto até pode ficar esquecido e até poderá vir outro programa sobre impacto das bebidas alcoólicas nas cirroses. Nada disto importa. O que aconteceu é que durante um período de tempo houve publicidade negativa exclusivamente a uma marca. O que se traduz, por omissão, em publicidade positiva e gratuita às outras marcas.

            Percebido?

            Este Prós e Contras trata-se de uma forma de, dissimuladamente, fazer publicidade negativa a uma parte e de, simultaneamente, favorecer a outra parte por omissão dos casos negativos dessa parte.

            Eu sei que isto é perfeitamente claro e nem era preciso gastar este tempo a escrever isto. É só para ver se, de uma vez por todas, se acaba de chutar para canto.

          • Rui Silva says:

            Desculpe lá a insistência , mas você não tem razão.
            E você deu um exemplo excelente para se demonstrar isso mesmo.
            Vamos lá:

            Imagine você que o referido alimento tem mesmo um agente altamente prejudicial á saúde.

            Você acha que, como não foram falados outros alimentos que hipoteticamente terão também agentes prejudicais á saúde, ninguém poderia, com legitimidade abordar este caso (que por qualquer razão) foi conhecido.

            Ora pense lá um bocadinho. Será melhor para a saúde pública que se fale nem que seja de um só caso, que não ser falado caso nenhum.
            Eu acho melhor que se fale, nem que seja de um só alimento, pois isso vai chamar a atenção para todo o problema.

            E não é só este problema que se coloca. Pois, como é que você tem a certeza que este programa não é do agrado da maioria dos portugueses?

            cumps

            RS

        • j. manuel cordeiro says:

          «Imagine você que o referido alimento tem mesmo um agente altamente prejudicial á saúde.

          Você acha que, como não foram falados outros alimentos que hipoteticamente terão também agentes prejudicais á saúde, ninguém poderia, com legitimidade abordar este caso (que por qualquer razão) foi conhecido.»

          Mas fale-se. Só posso achar bem. Não vejo porque é que não se diria “As gorduras industrialmente produzias contêm hidrogenados e estes são prejudiciais à saúde”. Ou então “Vaqueiro e Fula contêm produtos cancerígenos”. Realçar um é esconder o outro.

      • Nascimento says:

        Ai vive! Só que tu nem sabes!

  6. maria araujo says:

    Este programa, traz água no bico, deste vez. Mas quem é o rangel para ser assim falado? O que é que ele tem a mais que os outros? Incrível…ir fazer um programa para falar de rangel e da universidade de verão,Calem-se de uma vez por todas, com esta universidade…Foi uma vergonha…os conteúdos e a maneira como foram transmitidos…não queremos show, como o desta universidade, isto é,de universidade não tinha nada., não maltratem mais os jovens…deem-lhes bons conteúdos e boas referências…E já agora não façam de nós parvos…

  7. José Pires Pinto Eduardo says:

    Façam como eu. Há muito que deixei de ver esse programa. A senhora Campos Ferreira não é independente para poder moderar e, só quem não viu o programa é que não compreendeu logo à partida as intenções da senhora. Por isso Prós e Contras? Não obrigado.

  8. Humberto Barbosa says:

    Podemos protestar na página do programa no facebook e junto da Comissão Nacional de Eleições ( cne@cne.pt ). Eu já o fiz

  9. Joam Roiz says:

    Humberto Barbosa, obrigado pela dica. Antes era a PIDE a Censura e o SNI, agora basta colocar os sobrinhos e os irmãos nos lugares certos. Bendita seja a democracia instaurada com “Novembrada”.


  10. É curioso que um programa premiado internacionalmente, em que até os blogs da “direita” não se cansam de malhar, seja considerado um programa encomendado; estranha forma de democracia!! não terá sido a FCFerreira que instigou o socrates a gastar tanta fotocopia? não se acanhem!!

  11. Ausente52 says:

    Cada vez mais convencido estou que ser “portugues em Portugal” eh extremamente dificil.

  12. A.Silva says:

    A verdade, é que países como a Venezuela comparados com Portugal são um exemplo de democracia e pluralidade!

    • Rui Silva says:

      Assim como na Coreia do Norte.

      cumps

      Rui Silva

    • Nascimento says:

      Na Venezuela os jornaleiros das rádios e tvs estão todos presos! Mas também não há problema! Basta os opositores verem a isençao jornalistica da TVE…EHEHEH….VAI-TE CATAR Ó Ruizinho.

  13. Rui Moringa says:

    Isenção nos mé(r)dia!!!???.
    Quem a valoriza está equivocado.
    O caso da RTP é critco porque consume dinheiros públicos e por isso é mais escrutinada. Daí como já se escreve num comentário incial: É propaganda do PAF paga com o dinheiro de todos (impostos) e aí a desonestidade.
    Privatizar a RTP? Quero lá saber…
    Mantê-la pública? Talvez se houvesse mais escrutínio fosse possível ter uma TV pública diga desse nome.
    As outras TV nem, quero saber, tudo lixo quanto a programas, mesmo os noticiosos,nota desinformação pela trancagem dos factos e pelo burilamento dos mesmo para vender.
    Jornais?! Nem pestanejo a ler os cabeçalhos.
    Enjoei…
    Quem se sentir feliz a ouvir e a ler as coisas (TV e Jornais) faça favor
    Divirtam-se…

  14. joão lopes says:

    propaganda paga pelo contribuinte a favor do Paf.por outro lado o farsolas poderia dár a cara e debater directamente com o socrates já que só fala do dito cujo:será paixão?

  15. NNIKO says:

    o manto da quadrilha está a estender-se . VERGONHA.

  16. j. manuel cordeiro says:

    Escreveu-se algures acima que o Observador não vive do Orçamento de Estado. Aqui está uma frase engraçada. É que não é conhecido de que é que vive o Observador. Há umas teorias engraçadas mas não se vai saber a certeza enquanto a coligação estiver no governo.
    (Aqui está mais um tema interessante para o P&C: porque é que há coisas que só se sabem quando os governos saem?)

    • Rui Silva says:

      Para mim enquanto contribuinte interessa-me de que é que não vive (neste caso não vive do erário público), do que de que vive, que diga-se de passagem é lá com eles ( eu nem sequer leio o referido observador !).

      cumps

      Rui Silva

      • j. manuel cordeiro says:

        “neste caso não vive do erário público”

        E como é que está tão certo disto? 🙂

        • Rui Silva says:

          Nunca ouvi dizer o contrário.
          Parece que você tem outra informação,
          peço-lhe que a divulgue.

          cumps
          Rui Silva


  17. Este sujeito dos “cumprimentos” é um provocador profissional, para quê dar-lhe trela?!

    • j. manuel cordeiro says:

      Tenho corda para gastar 🙂 até dava trela ao “Maria Luz” do Facebook mas ele não quer ser meu amigo snif snif

Trackbacks


  1. […] a isto uma televisão pública cada vez mais descaradamente voz do patrão e está composto o retrato da nossa aldeia, que Deus a […]


  2. […] são coincidências ter sido este o jornalista escolhido para estas entrevistas e haver hoje um Prós e Contras assente num spin lançado por Paulo Rangel na Universidade (cof, cof) de Verão do […]