Passos Coelho indignado por provar o seu próprio veneno

Peter

Como Pedro, o apóstolo, Pedro, o abridor de portas, renegou hoje o seu amigo, companheiro, conselheiro e referência (espiritual?) Dias Loureiro. Para trás ficam os tempos em que o primeiro-ministro tecia rasgados elogios ao exigente, metódico, viajado – pelo menos no que a Cabo Verde diz respeito – e empresário exemplar que, coitado, tem sido vítima de uma cabala e arrastado injustamente para o caso BPN, cujas consequências, como sabemos, são responsabilidade da tralha socialista. Disse o abridor de portas:

Aqueles que nos criticam hoje foram os mesmos que nacionalizaram o BPN. Não me venham falar de Dias Loureiro, não fui eu neste Governo nem o dr. Paulo Portas que nacionalizámos o BPN e que tornámos os portugueses, todos eles, lesados do BPN.

Com que então, o senhor primeiro-ministro está muito indignado por ser colado ao seu companheiro e referencial Dias Loureiro porque, diz ele, não foi ele nem o seu número 2 que nacionalizaram o BPN mas sim aqueles que hoje os criticam. Confesso que não tenho visto Teixeira dos Santos ou José Sócrates a criticar Passos Coelho em lado nenhum (aliás, Sócrates não pode ir a lado nenhum), ou tão pouco em acções de campanha do PS, mas acredito que seja por desatenção minha. Da mesma forma, também não me lembro de ver António Costa no governo de José Sócrates quando o BPN foi nacionalizado mas, lá está, talvez seja a minha desatenção crónica que não me dá sossego.

Devo dizer que fico sempre muito comovido quando o político manipulador engole o seu próprio veneno. Passos Coelho, que usa e abusa da colagem de António Costa a José Sócrates, o seu argumento número 1 sempre que tem o PS debaixo de mira, saliva-se agora em indignação pela colagem ao seu grande amigo e conselheiro Dias Loureiro. Será que nenhum assessor teve o cuidado de o avisar que o karma é lixado?

Imagem: La Negazione di Pietro, Caravaggio

Comments

  1. Nightwish says:

    É a fantasia liberal de que o BPN podia não ter sido nacionalizado e que a solução exdrúxula e cheia de ilegalidades do BES é que é porque não vai prejuízo nenhum. Temos pena, mas o défice de 2014 vai mesmo para 7% (salvo erro).

  2. maria celeste ramos says:

    A memória é algo lixado – tanto dá para LEMBRAR como, opostamente, para ESQUECER – e o Assessor assessa o instante e não perde emprego que isso também já não chega para todos – naTvi2ah (23:18 H) – Oiço Medina Carreira e um eis não sei quê ministro que ainda não se tinha estreado em politólogo Campos e Cunha (ai mesma coisa que eles são tantos e demais e não largam a TV – antes quero ver futebol) – não perem nenhuma oportunidade de me enxarcar a cabeça de lixo polito-social economicus – não acredito que hoje não haja futebol – estão a tirer-me tudo

  3. Camaradas says:

    Podem não ter sido eles, mas axo que são eles os culpados.