Não há nim possível para o PC

No nosso parlamento são estes números:

  • PaF: 107
  • PS: 86
  • BE: 19
  • CDU: 17
  • PAN: 1.

Logo, a alternativa a uma “minoria” da PaF só poderá acontecer envolvendo, pelo menos, três partidos: PS, BE e PCP para um total de 122. Uma colaboração entre o PS e o BE só teria 105 deputados. E, se estas contas, parecem dar importância ao PC, mostram também que um acordo entre o PC e o PS também não seria suficiente. Ou seja, para este efeito, ou estão os três, ou nada feito, o que, mais vírgula menos vírgula, tem vindo a ser dito por António Costa.

Ora, a espuma noticiosa tem vindo a colocar as negociações à esquerda num impasse: PS e BE estão de acordo, enquanto o PC continua no nim. Para comentar esta possibilidade podemos recorrer à expressão “não há fumo sem fogo” ou então ao clássico “isso é a direita a tentar condicionar o PC”.

As greves nos transportes ou a manifestação em frente ao Parlamento podem ser uma forma do PC continuar a condicionar o rumo das negociações, mas, prefiro continuar a pensar que a Manifestação da próxima semana é uma manifestação de apoio a um governo de esquerda e, se assim for, até simpatizo com a ideia, mas para isso, mais do que exigir o deita abaixo, devem dizer queremos a Esquerda a governar.

Verdade ou não, creio que em Democracia é a primeira vez que o sonho de muitos se poderá concretizar. E, o Partido Comunista Português não pode desta vez deixar de estar na parte da solução. Seria mais confortável dizer que não, que continua apenas na luta e a liderar a classe operária, mas neste momento há uma forma muito mais simples de colocar a coisa:

  • ou o PC está ao lado do PS e do BE e permite um governo liderado por António Costa, ou, então, junta-se ao Assis e permite um governo liderado pelo Marco António.

 

Comments

  1. Alexandre Carvalho da Silveira says:

    Então e PS+BE+Verdes+PAN? 86+19+2+1=108. Eu aposto nisto. É o cúmulo do cinismo politico, mas aquela malta é capaz disto e de muito mais.


    • Meu caro, fiz essa conta, mas os Verdes e o PC são a mesma face da mesma moeda 🙂

      • Alexandre Carvalho da Silveira says:

        É apenas uma maneira de o PCP estar lá dentro e deixar o corpinho de fora. Se é que eles querem mesmo fazer um acordo, o que eu sinceramente duvido.
        Desde o primeiro dia a conversa é sempre a mesma: contam com o PCP para apresentar uma moção de rejeição a este governo, para deixar passar o governo do PS e quanto ao resto, é o que está no programa. Só não entende quem não quer.

  2. Ana A. says:

    Concordo plenamente!
    “…que continua apenas na luta e a liderar a classe operária,…”
    Por muito bom que seja haver partidos com este pendor, na oposição, será muito mais produtivo para o país que ajudem a que o próximo governo seja de esquerda, para conter o descalabro a que chegamos!


    • É isso – que faça no governo o que sempre defendeu na oposição. Mesmo que isso signifique não fazer tudo ou até abdicar de algo. Porque a política é isso mesmo.

  3. Óscar Teixeira says:

    Caro amigo. Li com atenção eee, para ser sintético, preferia um texto em torno das políticas, deixando para 3° ou 4° plano os nomes. Pois se for para falar em nomes eu diria que estou pouco preocupado com a fraca liderança das direitas e muito mais preocupado com a muito fraca liderança da esquerda. Mas o tempo fará justiça como sempre , esteja eu certo ou errado. Desejando estar errado naturalmente.
    Abraço


    • Este é o tempo dos nomes se sentarem à volta da mesa e encontrarem algo que os una, sempre muito mais do que aquilo que os separa. E, isto é positivo: cada um mantém a sua individualidade, convergindo no que for melhor para o povo. Estou certo que as lideranças de esquerda não vão capitular num momento tão especial como este. Convicto, mesmo 🙂

  4. um Socialista says:

    Acredito que o P C P passe das palavras aos actos . É tempo de também assumir responsabilidades .

  5. NIKO says:

    Força e coragem para governar Portugal , Força para acabar com todos aqueles que roubam o estado há grande e há francesa . Força António Costa .