Em memória de Goebbels

Imprensa

A União Europeia meteu os ditos no sítio e tomou uma decisão inédita para contrariar o ímpeto totalitário do governo polaco que é conservador mas que aparentemente não é radical. O objectivo é dialogar com o país para tentar reverter a sua deriva extremista de querer controlar a imprensa estatalcondicionar a acção do Tribunal Constitucional. Caso o diálogo não resulte, a Comissão Europeia pondera a aplicação de sanções.

A resposta do governo polaco não se fez esperar. Pela voz do ministro da Justiça Zbigniew Ziobro, o executivo de Varsóvia acusou o vice-presidente da Comissão, Frans Timmermans, de “persuasão de extrema-esquerda“. Resta saber se Bruxelas terá com os polacos o mesmo músculo que demonstrou ter com outros povos rebeldes do sul da Europa. Contudo, não deixa de ser curioso que o país que no passado foi invadido e massacrado pela Alemanha nazi se veja agora em apuros por querer ressuscitar a memória de Goebbels. A história tem destas ironias.

Comments

  1. Camaradas says:

    Faz lembrar o syrisa com o referendo, taõ iguais.


    • É que tem mesmo tudo a ver. Toda a gente sabe que o Syriza tentou controlar a imprensa e o Tribunal Constitucional. Enfim…

  2. Nascimento says:

    És um belo monte de m. meu covarde… mas, pelo teu asqueroso rabisco mais pareces o ruisinho.Camaradas?NO teu caso deves fazer parte de uma junta de bois..