Pura propaganda, no Jornal de Negócios

O Jornal de Negócios traz hoje uma peça titulada “O programa de ajustamento de Portugal em cinco gráficos“. Olhando para os gráficos incluídos, para os títulos para eles escolhidos e para as respectivas legendas só se pode  concluir que o dito programa de ajustamento e, consequentemente, o anterior governo, se coroaram de sucesso. Deve ser o tal país que está melhor, apesar das pessoas estarem pior.

Esta peça, ao apresentar números sem contexto, martelados até, é uma obra de propaganda, à semelhança de outras que este jornal tem feito sair em prol das políticas de direita.

Vejamos brevemente o que está em causa.

image

Temos a variação do PIB, em vez do valor do PIB. Como não se pode estar sempre em queda, alguma vez teria que existir variação positiva, independentemente de se estar bem ou mal.

image

A baixa dos juros provocada pelo efeito de compra de dívida por parte BCE nem é referida. Idem para o historicamente baixo custo do petróleo. Dado o título do artigo, sobra a mensagem de ser resultado do programa de ajustamento.

image

“mas também de um forte abrandamento das importações” e etc., quando, na verdade, essas são as justificações para o que se observa.

image

Apresenta-se um valor inexistente (projecção para 2016) e retira-se o efeito Banif. Apesar de em 2010 estar incluído o efeito BPN.

image

A maior emigração de sempre não é tida nem achada. Idem para as alterações de metodologia.

Propaganda barata, digna da secção económica do PSD, mas vergonhosa num jornal –  se bem que este se diga de negócios, em vez de economia. E de negócios é do que isto se trata.

Comments

  1. Rui Silva says:

    Errado!
    Do ponto de vista de análise de evolução de uma situação o que interessa mesmo é a variação homologa . O seu comentário é que não tem qualquer validade cientifica.

    O seu segundo comentário também não está correcto. A evolução positiva da economia tive muito maior importância na evolução dos juros do que a intervenção do BCE, pois veja a Irlanda que tomou medidas muito mais assertivas do ponto de vista de racionalidade económica teve uma baixa de juros bastante maior que Portugal. E a Grécia que foi o que se viu teve um aumento colossal e até recusa de empréstimos , até da Rússia ( O Tsipras ainda está a espera dos rublos…).
    Em relação ao BPN que foi uma intervenção estatal pura e dura decidida por políticos (socialistas) faz sentido que já esteja incluída. O caso Banif virá a ser incluída a seu tempo uma vez que também foi uma decisão politica pura e dura dos políticos (socialistas). Já o BES não, uma vez que o anterior governo decidiu e bem não intervir no mercado ( os banqueiros que paguem pelas suas (más) decisões).

    Em relação à imigração, se não foi referida devia, mas desculpe lá , caso fosse só viria melhorar a análise estritamente económica do periodo em causa, uma vez que representa um aumento de produtividade, pois produziu-se mais com menos pessoas.

    Por isso meu caro o Jornal de Negócios. no meu entender, fez uma análise menos tendenciosa que o meu amigo.

    cps

    Rui Silva

    • Rui Silva says:

      Já agora como tem evoluído a taxa de desemprego nos últimos meses ?
      Que efeito irá ter na imigração ?

      cps

      Rui SIlva

    • j. manuel cordeiro says:

      Ó Rui, é o seu direito à opinião. Fique lá com as suas crenças.

      • anónima says:

        Propaganda, crenças, opinião, …: Caro J. Manuel Cordeiro, envie para lá o seu texto com a VERDADE.

        • j. manuel cordeiro says:

          Envio, sim senhora. Queira fazer o obséquio de me fazer chegar a bíblia do PSD.

          • anónima says:

            Pode enviar o seu texto com a VERDADE para o jornal por email.

    • Nightwish says:

      O seu conhecimento de economia não pára de surpreender, nem há por onde se pegue, mas dois pontos de qualquer forma:
      – o ténue crescimento é natural quando se parou a austeridade graças ao TC (o que, aliás, os tais modelos keynesianos que não vale nada também previam);
      – não há nada mais socialista do que salvar banqueiros, sem dúvida. E, para o Rui, se se chamar outra coisa qualquer já não é salvar os banqueiros nem os acionistas. E fazer o que a UE manda é culpa do governo, mas só quando não é do seu clube.

      Disse que era só dois pontos mas já escrevi demais. Acha paciência.

    • Nightwish says:

  2. O Jornal de Negócios transformou-se em instrumento de propaganda dos partidos PàF. Como a Garrido era fraca, foram buscar um panfletário mais atrevido, o agora director Vaz saído do falido ‘Diário Económico’.

    • anónima says:

      E o pior é que nele escrevem (ou escreveram recentemente) cronistas como BAPTISTA BASTOS, MANUEL CALDEIRA CABRAL ou LUIS NAZARÉ (http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao.html). Uma vergonha prestarem-se a este papel num instrumento de propaganda dos partidos PàF.

      P.S.: Peço desculpa pelas maiúsculas mas fiz copy/paste da página web.

      • j. manuel cordeiro says:

        Até o Observador tem lá um ou outro esquerdalho e não é por isso que esse pasquim passa a ser uma voz da esquerda.

        • anónima says:

          Claro que não, só me questiono é porque é que se prestam a tal indignidade (escrever num instrumento de propaganda dos partidos PàF). Vendidos ou idiotas úteis, qual é a sua opinião (perdão, VERDADE)?

          • j. manuel cordeiro says:

            Está perdoada, mas tem que ajoelhar e rezar.

          • Rui Silva says:

            Cara anónima, prepare-se deve estar a chegar o comentário a chamar-lhe “troll”! ( o grande argumento aqui no Avanter)

            cps

            Rui Silva

          • j. manuel cordeiro says:

            Rui, se fosse a primeira vez que você aqui comenta, podia ser que me desse ao trabalho de aqui colocar um link com comentários de um troll. Como não é o caso e você conhece perfeitamente os casos de trollice que aqui já houve, apenas sublinho a sua atitude provocadora, ao nível de um qualquer vulgar troll.

          • Rui Silva says:

            c.q.d.

          • joão lopes says:

            a unica pessoa que diz a VERDADE em Portugal é a dona helena matos.a anonima e o rui tem que começar a lêr a dona matos.ela É a dona da VERDADE.

          • j. manuel cordeiro says:

            Não, não é como queria demonstrar, se é isso que queria dizer, Rui. Quando não lhe interessa, chuta para canto, como já fez em ocasiões anteriores. Não pode é assumir que tenha pachorra para argumentar consigo, porque quando o fiz consigo noutras ocasiões, ignorou a argumentação que lhe era apresentada. Por isso, fique lá com a sua fé, que eu fico com a minha.

          • Rui Silva says:

            Parece-me existir aqui um jekill j.manuel cordeiro e um mr hyde j.manuel cordeiro!
            O jekill j.manuel cordeiro queixa-se que não argumentam com ele, o mr hyde j.manuel cordeiro quando argumentam com ele, censura os comentários impedindo que sejam publicados.
            Boa!

            cps

            Rui Silva

          • j. manuel cordeiro says:

            Rui Silva, você é um mentiroso, pois nunca impedi que comentários seus ou de outros fossem publicados. E, antecipando a resposta de quem se faça despercebido, houve comentários apagados, sim, que unicamente consistiam em ataques ad hominem. Tal como se espera em qualquer lugar decente.

          • Rui Silva says:

            Não não eram ataques a si nem a ninguém , eram argumentos que desmontavam a sua argumentação que o j.manuel cordeiro não gosta. Já aqui referi várias vezes que há por aqui alguns bloguers que não “são Charlie”.
            Caso não me tivesse censurado, podia agora provar que eu lhe tinha feito ataques pessoais . Como realmente censurou, desculpe lá, mas serve-lhe de pouco chamar-me mentiroso. Meu caro admita que perdeu a razão.
            Se quiser um conselho : deixe de censurar, e a sua credibilidade subirá.

            cumps

            Rui Silva

          • j. manuel cordeiro says:

            Que baixaria, Rui Silva. Nunca lhe apaguei um único comentário e é quem acusa que tem a obrigação de provar.

          • Rui Silva says:

            J.Manuel Cordeiro, queria pedir-lhe desculpa pelo lapso.
            Fui fazer uma consulta ao vosso blog e constatei que realmente confundi nomes. Não foi você que censurou comentários meus. Isto dos blogs tem destas coisas. Comunicamos com nomes e não com caras e neste caso confundi nomes que sem caras tornam-se simples referencias , pelo menos para mim e causou esta minha “acusação”.
            O caso que foi rever, foi uma troca de opiniões acerca de um post intitulado “ASCO” publicado em 03/05/2015 por João José Cardoso.
            Houveram mais algumas censuras de um outro bloguer que também não fixei o nome e falta-me a paciência para procurar.
            Queria também reafirmar que a censura é um direito que vos assiste, uma vez que o blog é vosso , não deixando de ser demonstrativo do carácter de quem a pratica, alias como na altura transmiti ao censor em causa.

            Posto isto peço-lhe que aceite as minhas desculpas por esta falha.

            cumps

            Rui Silva

          • Rui Silva says:

            Correcção:

            O caso que foi rever, foi….
            obviamente:
            O caso que fui rever, foi…

            RS

      • j. manuel cordeiro says:

        BTW, não tinha percebido que este artigo do JdN era de opinião.

        • anónimo says:

          nem era para perceber. o truque propagandístico está mesmo aí 😉

      • j. manuel cordeiro says:

        Ok, Rui, está a esclarecido. Quanto ao JJC, ele lá terá tido as suas razões, que desconheço, e infelizmente, não se encontra entre nós para esclarecer.

  3. joão lopes says:

    desafio o jornal de negociatas a fazer muita propaganda á maria luis…porque o que faz falta,é animar a malta

  4. anónima says:

    O mais incrível é que depois do evidente insucesso do programa de ajustamento ainda haja países que pedem programas semelhantes ao FMI (http://www.tsf.pt/economia/interior/angola-pede-ajuda-ajuda-externa-ao-fmi-5113207.html). Devem ler o Jornal de Negócios. O J, Manuel Cordeiro tem de lhes mostrar a VERDADE antes que seja tarde!

    • j. manuel cordeiro says:

      Grande exemplo que escolheu para ilustrar a sua fé na bíblia. Mas tem razão, a corrupção não escolhe credos.

      • anónima says:

        Credo no FMI ou no Jornal de Negócios? Agora fiquei confusa!

        • j. manuel cordeiro says:

          É normal. Costuma acontecer entre a malta da direita.

        • Rui Silva says:

          Cara anónima, é normal, o autor do post não costuma resistir ai pelo 2ª ou 3ª argumento lógico. Inicia por essa altura a conversa desarticulada.

          cps

          Rui Silva

          • j. manuel cordeiro says:

            Com que então estas bocas da anónima são argumentos lógicos. Está percebida a sua definição de lógica.

  5. anónima says:

    Por falar em FMI: quando é que deixamos de pagar quotas para essa corja de neo-ultra-liberais que quase destruíram a nossa economia (não nos deixemos enganar pela propaganda do Jornal de Negócios) agora que o PS está no governo com o apoio do PCP e do BE? Sempre poupávamos algum dinheiro que faz falta para descer o IVA dos pastéis de nata (ou esse já desceu?).

    • j. manuel cordeiro says:

      Aproveite para pedir uma estimativa ao seu santinho da social-democracia sempre (sem vírgula, tal como no original).