O tal Fernando Lima que anda por aí a chafurdar


Fernando Lima, ex-assessor do ex-presidente Cavaco Silva, revela muito mais do que pretendia no seu livro recentemente publicado.

fernando-lima-e-cavaco-livroSobre este assunto, lê-se no blog O Jumento (destaques meus):

Está um Jumento tranquilamente a pastar com o pouco que lhe sobra depois dos cortes feitos pelo Bruxo de Massamá, quando é surpreendido por uma notícia no DN:

«Ao longo deste processo, há outra personagem que entra em cena, que Lima nunca nomeia. Trata-se de um adjunto do gabinete do primeiro-ministro que se faz convidado na visita presidencial à Madeira. Rui Paulo Figueiredo, “o Toneladas”, como chama o autor ao socialista (seria depois eleito deputado pelo PS) é o “intruso” da Madeira e a quem Lima atribui a autoria de um blogue anónimo pró-socrático: O Jumento.

A informação chegou-lhe por “mão amiga” que lhe entregou “um relatório particular de uma investigação feita, a meu pedido, ao referido blogue, em 2009”.«

Depois de um conhecido jornalista, Paulo Pinto de Mascarenhas, ter denunciado ao país quem era o perigoso autor d’O Jumento eis que se sabe agora que outro jornalista, o Fernando Lima, que, afinal, o dono do burro é um tal Toneladas, de nome Rui Paulo Figueiredo, ex-deputado do PS. Está reposta a normalidade, a política para os políticos, o burro não poderia ser um modesto manga de alpaca, tinha de ser pelo menos deputado! E quem iria descobrir? Fernando Lima, um especialista em investigação.

Ficamos a saber que a Casa Civil da Presidência da República encomendava investigações privadas para identificar cidadãos que incomodassem Sua Exª. O problema é que em Portugal fazer investigações privadas é crime e se mão amiga entregou ao homem de confiança do presidente um relatório de uma investigação que só poderia servir para restringir o direito ao exercício da liberdade de opinião, estamos perante um crime grave quando cometido por aqueles a quem os contribuintes pagam para cumprirem e fazerem cumprir a Constituição.

Ficamos a saber que este modesto Burro levou um dos homens de maior confiança de Cavaco Silva a encomendar investigações ilegais e que o transformam num mero criminoso. Já sabíamos que não era grande coisa, já conhecíamos os seus golpes políticos, agora sabemos que mandava fazer investigações ilegais como se fosse um mero mafioso da política. (…) [Blog O Jumento]

E no DN, lê-se:

Fernando Lima, no seu livro de memórias, escreve que o Presidente sabia que o seu genro constava das escutas do processo. “Não constituía uma novidade.”

O Presidente da República Cavaco Silva foi informado em 2009 por um magistrado que o seu genro constava das escutas do caso “Face Oculta”, escreve Fernando Lima, no seu livro de memórias dos dez anos, em Belém.

“Quando a transcrição das escutas do “Face Oculta” foi divulgada, em Fevereiro de 2010, para Cavaco Silva não constituía uma novidade que nelas constassem o nome de Luís Montez. Em meados de Outubro de 2009, fora informado por um magistrado de que esse processo incluía uma alusão ao seu genro, uma vez que no negócio da PT/TVI, estava ainda previsto ser-lhe atribuída uma das rádios da Media Capital, pertencente à Prisa“, regista Fernando Lima, sem desenvolver mais. [DN, 7 de Setembro de 2016]

O livro do Lima faz uma acusação grave (Rui Paulo Figueiredo / autor d’O Jumento), que sabemos ser falsa (ver referências a seguir). Inadvertidamente, aponta um magistrado sobre uma fuga da justiça a favor de Cavaco Silva.  E Lima encomendou uma investigação ilegal.

Ficamos a saber que a Presidência foi palco de ilegalidades. Há consequências? Ouve-se alguma coisa pelos lados da direita trauliteira?

Pela falsidade sobre o blog O Jumento é legítimo dar crédito zero à peixeirada que este livro do Lima contenha. Que credibilidade tem o episódio das escutas na Presidência? O que dizer da defesa de Dias Loureiro, da relativização da ligação a Oliveira e Costa e do envolvimento de Cavaco no BPN?

Quando se pensava que o tema Cavaco já estava enterrado, eis que que assistimos, pela mão do seu ex-assessor, ao seu regresso, qual ente digno de um filme de classe B sobre mortos-vivos. Um livro que parece a capa de ranço e ressentimento que marcaram os mandatos de Cavaco Silva. Estiveram bem um para o outro, assessor e assessorado.

Referências:

Para memória futura, aqui fica também o artigo do DN, repositório de sinais dos jogos de bastidores nos 10 anos de Cavaco Silva enquanto Presidente da República.

Fernando Lima diz que Cavaco foi informado por magistrado de escutas

[Miguel Marujo, 7 de Setembro de 2016, DN]

Fernando Lima, no seu livro de memórias, escreve que o Presidente sabia que o seu genro constava das escutas do processo. “Não constituía uma novidade.”

O Presidente da República Cavaco Silva foi informado em 2009 por um magistrado que o seu genro constava das escutas do caso “Face Oculta”, escreve Fernando Lima, no seu livro de memórias dos dez anos, em Belém.

“Quando a transcrição das escutas do “Face Oculta” foi divulgada, em fevereiro de 2010, para Cavaco Silva não constituía uma novidade que nelas constassem o nome de Luís Montez. Em meados de outubro de 2009, fora informado por um magistrado de que esse processo incluía uma alusão ao seu genro, uma vez que no negócio da PT/TVI, estava ainda previsto ser-lhe atribuída uma das rádios da Media Capital, pertencente à Prisa”, regista Fernando Lima, sem desenvolver mais.

O DN contactou o Gabinete do Sacramento, do anterior Presidente da República, mas não obteve resposta até à hora de fecho desta edição. Também não foi possível contactar com Luís Montez, ausente do país.

Em março de 2014, nas alegações finais do julgamento do “Face Oculta”, o magistrado do Ministério Público Marques Vidal afirmou que “o poder político da altura estava informado não só da existência das escutas como da existência do processo”. A comunicação social identificou à época esse “poder político”:. José Sócrates e Armando Vara.

Este processo alimenta uma tese central no livro de Lima – a de que Sócrates como primeiro-ministro queria “ter tudo quanto vive sob controlo”, como escreve António Barreto, citado pelo autor do livro. Lima fala num “perfil agressivo” do socialista, que se torna cada vez “mais nítido”, começando “a ser detetados sinais da vocação “controleira” do poder socrático”.

É esta imagem do Governo de Sócrates que melhor serve para chegar ao “caso das escutas”, que em 2009 acabará por transformar as suas relações com Cavaco. Socorrendo-se de textos de gente como António Barreto ou José Medeiros Ferreira, dos jornalistas São José Almeida, José Manuel Fernandes ou Rui Costa Pinto, e do empresário Belmiro de Azevedo, o homem na sombra do Presidente descreve Sócrates como “a mais séria ameaça contra a liberdade” (Barreto) ou “um líder que segue a tradição bolchevique, como o caracterizou Medeiros”.

Ao entrar no caso BPN, Fernando Lima acha “curiosa” a investida sobre Dias Loureiro, à época (2009) conselheiro de Estado escolhido pessoalmente por Cavaco Silva e figura muito próxima do Presidente da República – tinha sido seu ministro e secretário-geral do PSD no cavaquismo.

O facto do banco de Oliveira e Costa (também secretário de Estado de Cavaco) ser um caso de justiça – como tudo apontava que era com a catadupa de notícias que iam saindo – ou ser também um problema para Dias Loureiro, que tinha situações por explicar, parecia menos importante para o ex-assessor do Presidente. Lima descreve o escrutínio sobre a atividade do amigo de Cavaco como uma “campanha negra” com um alvo. “Depressa se percebeu que se pretendia ir mais longe na ofensiva em curso, com um alvo bem preciso: Cavaco Silva.” Com o BPN nacionalizado, Lima acusa socráticos de usarem esse poder para dizer que “tudo seria mais fácil com a informação proveniente daquela instituição bancária”.

Ao longo deste processo, há outra personagem que entra em cena, que Lima nunca nomeia. Trata-se de um adjunto do gabinete do primeiro-ministro que se faz convidado na visita presidencial à Madeira. Rui Paulo Figueiredo, “o Toneladas”, como chama o autor ao socialista (seria depois eleito deputado pelo PS) é o “intruso” da Madeira e a quem Lima atribui a autoria de um blogue anónimo pró-socrático: O Jumento.

A informação chegou-lhe por “mão amiga” que lhe entregou “um relatório particular de uma investigação feita, a meu pedido, ao referido blogue, em 2009”. Esta informação contraria uma manchete do jornal i, de 2 de março de 2010, em que o então jornalista Paulo Pinto Mascarenhas escrevia que tinha chegado à fala com “o autor do blogue”, identificado como Victor Sancho, quadro superior da Direção-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo.

Lima usará outro método menos convencional: sentindo-se vigiado toma nota da matrícula de um carro, identificando no livro dados pessoais do proprietário, sem referir o nome.

Comments

  1. ZE LOPES says:

    Consta até, em diversas gravações um diálogo entre Fernando Lima e Cavaco,”once on the good times”…Era mais ou menos assim: “My name is Lima. Ferdinand… Lima!”. E a resposta: “My name is Vaco! Ca…Vaco!”

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s