A insustentável leveza da generalização xenófoba


paulo-dentinhoPedro Pereira Neto


Paulo Dentinho
, na sua qualidade de director-logo-especialista-em-tudo, em directo a generalizar a partir de pessoas que vão a mesquitas para pessoas que são terroristas, falando de “esta gente”. Nada de novo.
Talvez na sua qualidade de português-logo-católico-logo-equivalente-ao-terrorista-cristão-anders-breivik, devesse ter algum cuidado com a ligeireza da generalização xenofobico-doce que aplica a outrém.
Nem vou comentar esta prática de consanguinidade profissional de fazer-se convidar para o noticiário do próprio canal: prefiro deter-me na constatação de que estamos tão bem servidos de pirómanos nas ruas como nas redacções.

Talvez por isso seja tão mais fácil noticiar Wilders em vez de Klaver. Talvez também não seja apenas nas forças de segurança que o pensamento exclusivista tem ganho terreno.

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Depois de o ler, e eu até sei que Paulo Dentinho, um retornado como eu, tem deslizes que me parecem inadequados e indignos de um Diretor de Informação de uma Estação Pública,
    Depois de ouvir aquele holandês imbecil, xenófobo e racista, apateceu-me reler aquele poema de Brecht, e antes dele, a mesma concepção, a indiferença diante da escalada do autoritarismo, com o “E Não Sobrou Ninguém” de Vladimir Maiakovski,

    Primeiro levaram os negros
    Mas não me importei com isso
    Eu não era negro
    Em seguida levaram alguns “islâmicos”. (operários)
    Mas não me importei com isso
    Eu também não era “islâmico”. (operário)
    Depois prenderam os “sul americanos”. (miseráveis)
    Mas não me importei com isso
    Porque eu não sou “sul americano” (miserável)
    Depois agarraram uns “europeus do sul ” (desempregado)
    Mas como Eu “não nasci no sul” (tenho emprego)
    Também não me importei.
    Agora estão levar-me.
    Mas já é tarde.
    Como eu não me importei com ninguém
    Ninguém se importa comigo.

    • Splash says:

      Mas eles ainda não perceberam que a ganancia não é saciável e que os que não lhes importa agora são só o aperitivo, o banquete vão ser eles.

      • Paulo Só says:

        Sim, isso faz-me lembrar os “mercados” que a Marilu queria satisfazer. Ora a essência do mercado é a diferença, não o equilíbrio. Na informação é a mesma coisa. Há que saber quando se apagar. Mas nunca contentar. O liberalismo só funciona com a escassez, natural ou provocada. No mercado da abundância que é o nosso (consumo e informação digital) ele se transforma em corrupção, e em casino. O valor do jornalismo é o esquecimento, o silêncio.

  2. Rui Mateus says:

    Infelizmente não é um deslize…é propositado.

  3. Paulo Só says:

    O deslize foi de quem o nomeou diretor de informação, ele está no seu papel, coitado, faz o que pode. Já não se lembra, mas tudo começou com o Bush e o Blair. E a maioria das vítimas está em Alepo e Mossul, não em Paris, nem Londres, nem Bruxelas. Alguém é sempre o vândalo de alguém.

  4. A. Silva says:

    Porque é que cada vez mais me parece que estes supostos jornalistas, não são mais que propagandistas dos piores terroristas que grassam por este mundo?

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s