Os desaires do Ministério da Educação

Santana Castilho*

1. As alterações que o sistema de ensino sofreu nos últimos anos oscilaram entre concepções anglo-saxónicas, de raiz empirista, e ideias construtivistas, de inspiração piagetiana. Estas, hipervalorizando as chamadas ciências da educação. Aquelas, hipervalorizando o conhecimento. O equilíbrio entre estes dois extremos não foi a escolha do secretário de Estado João Costa.

Ao Expresso, João Costa foi claro quando afirmou que nalgumas áreas era impossível trabalhar, por falta de horas disponíveis. E disse que a Educação Física, a História e a Geografia eram disciplinas “descalças” de tempo. Quando lhe perguntaram se Português e Matemática perderiam horas, João Costa respondeu que “algumas terão de perder, claro”. Em declarações ao Correio da Manhã, reafirmou a necessidade de tirar de um lado para pôr no outro. Nem de outro modo poderia ser para permitir, como anunciou, que as escolas decidissem 25% do currículo e nele se incluísse a Área de Projecto e a Educação para a Cidadania, sem aumentar a carga semanal global. Do mesmo passo, repetiu várias vezes que as alterações curriculares se aplicariam já no próximo ano e em todas as escolas.

[Read more…]

O caniche de Schäuble

Aquilo que está em causa nas declarações do Presidente do Eurogrupo não é apenas uma ofensa ao Estado Português. Essas declarações, de teor racista, são não só a confirmação da Lenda Negra sobre Portugal e o sul da Europa, mas a reafirmação da natureza punitiva do Programa de Ajustamento a que o nosso país tem vindo a ser sujeito. Essa punição tem na origem os altos princípios civilizacionais da agiotagem e da pirataria, que tão bem caracterizam historicamente os países ricos da Europa central, mas também um preconceito rácico, mais exactamente fascista, que vem tornar evidente o que está na base das transformações políticas que o mundo ocidental tem sofrido, designadamente as que vêm reforçando o suporte popular aos movimentos da extrema direita xenófoba.

[Read more…]

Binho Berde

João Coutinhas

O nome é o segundo mais difícil de pronunciar, logo a seguir ao vulcão da Islândia.
E, como este, tem periodicamente umas ejaculações infectas, que contaminam a velha Europa mas que acabam por se dissipar com o vento suão.
Por aqui, estamos a tentar poupar para ir beber um copo, ao fim de semana, com as nossas mulheres, que no resto do tempo estamos ocupados a construir conhecimento, a empreender tecnologias de ponta, a fazer os melhores têxteis e sapatos do mundo, entre outras coisas.
E sobretudo a amar. A amar também o nosso país (sim, temos mesmo um país!), embora perturbados pelo que nos impuseram relações ‘extra-conjugais’, cozinhadas nas panelas fundidas mais a norte. Compreendemos Jerrorrejdfdijhvchem que estejas preocupado com a panela, mas acalma-te filho… vai dar uma volta, ver as montras, beber uma genebra.

Tão f***dos que nós éramos

Era assim. Um fidelíssimo retrato pela Clara Ferreira Alves de Portugal antes do 25 de Abril. Revista E, Expresso, 18/03/2017 (clicar para ler). Assinaturas Expresso Digital aqui.

Que invejoso!

Outra deste (além da aldrabice do Mestrado).

Cito George Best, futebolista do MU,  “Gastei muito dinheiro em bebida, mulheres e carros rápidos. O resto gastei mal gasto”.

Pecados da Igreja

Pecados_da_Igreja

“O pecado é tão antigo quanto a Igreja pois esta é feita de homens com as mesmas tentações e fraquezas de todos os outros. E a Igreja Portuguesa não é exceção. Com um estilo ligeiro mas sustentado numa investigação meticulosa, Secundino Cunha revela-nos os acontecimentos que marcaram negativamente a Igreja portuguesa nos últimos 20 anos, abalando populações e incendiando o país.
Casos de padres que cederam à tentação do amor, narrativas de desventuras e vinganças, histórias de revoltas populares e fugas atribuladas por paixão que deram origem a calvários sem fim. E, claro, não poderiam faltar os famosos contos do vigário. Venha descobrir e deleitar-se com uma Igreja Católica Portuguesa que nunca imaginou, e os desafios diários que ela enfrenta na luta eterna entre a virtude e o pecado”.

Maria, entre o despejo e a morte, escolheu a morte

Rita Silva

A 6 de Março Maria suicidou-se. Dia em que iria ser despejada por prestações em atraso ao banco, agentes de execução de uma ordem de despejo e militares da GNR encontraram-na em casa sem vida…

O que enfrentava Maria, será sempre difícil de saber, mas podemos, pelo menos, tentar avaliar algumas questões, duríssimas, que se colocam perante uma situação tão violenta como esta.

O sentimento de culpa de quem contraiu uma dívida e não a paga. Responsabilizada por ter contraído um crédito e parecer que é uma escolha sua comprar casa – apesar de toda a política ter direcionado, senão obrigado, as pessoas a fazê-lo, pois o arrendamento não era (nem é) alternativa. Ter assinado um contrato que atribui toda a responsabilidade a quem o assinou (e aos fiadores, muitas vezes familiares, com tudo o que isso implica). Não honrar o pagamento de um crédito é motivo de censura, mesmo que o que se ganha deixe de ser suficiente para pagar. Quem não pague as suas dívidas é culpado, assim prevê a sociedade disciplinadora da dívida, por onde tudo hoje passa. [Read more…]