Offshore à Frente

offshore-a-frente

Os pequenos contribuintes primeiro.

A desfaçatez

2017-03-01-paulo-nuncio-offshores

Está-se mesmo a ver que era isso. Peça-se comentário à Cristas. E ao dedoapontador Passos.

As ameaças da penhora de casa e a vista larga do fisco para as offshores

2017-02-20-paulo-nuncio-fisco-offshores

Autora: Isabel Faria

Nos últimos anos de vida, o meu pai deixou de conseguir conduzir. Um dia, sem mesmo eu saber, vendeu o carro velhote. Quem o comprou não tratou do seu abate. O meu pai não percebeu logo isso. Melhor, felizmente, acho que nunca percebeu isso.
Durante o ano de 2014, estando o meu pai no Lar, começaram a chegar a casa dos meus pais, cartas das Finanças para pagar os IUC de 2011, 2012 e de 2013. Porque eu não estava lá, e o meu pai também não, não soubemos de todas as notificações… imediatamente. Por isso, paguei mais de 800 euros para saldar uma dívida inicial de trinta e tal. Foi um acréscimo de 2000%! Ainda tentei pagar o IUC de 2014, sem penalizações, mas já era tarde. Deveria ter sido pago em Março e só tive conhecimento da obrigação em Maio! A penalização veio em forma de mais uma carta, juntamente com mais uma ameaça qualquer de penhora da reforma, da casa, da vida do meu pai… ou da minha. [Read more…]

Desporto como ferramenta de inclusão social

2016-12-18-infantis-adc-santa-isabel-4-7-ascencao-fc-53Todos os fins-de-semana há milhares de tugas que metem pés ao caminho e fazem mexer uma parte fundamental da estruturação da nossa sociedade. São aos milhares, os pais e mães, atletas e treinadores, dirigentes e árbitros que viajam pelas nossas estradas e vias rápidas e, pelos becos e caminhos de Portugal. Meninas e meninos, entre os 8 e os 18, dos escalões de formação das mais diversas modalidades, de equipa como o futsal ou o andebol, ou no atletismo e na natação quando se tratam de competições individuais.

Muitos quilómetros, muita despesa, mas acima de tudo muito amor ao desporto e a práticas de vida saudável. Para além dos valores normalmente associados ao Desporto, a sociedade sedentária e hiper-escolarizada ganha uma nova importância. Os treinos e os jogos são o único momento em que os nossos jovens deixam as máquinas e os jogos digitais.

Se a futebolização do nosso país nos impede ter um olhar sobre outras modalidades, então os olhos de todos estão completamente fechados para o desporto jovem e para o esforço que tantas e tantas pessoas fazem para que ele se mantenha.

É, também por isso, maior a responsabilidade das estruturas federativas na gestão de alguns episódios, cada vez mais frequentes nas competições distritais, neste caso, do Porto. [Read more…]

O Aventar não é (nem nunca foi) um blogue de Esquerda

Nunca é demais contar a História do Aventar, até porque começa hoje o mês em que comemoramos 8 anos de vida.
Recordo: vindo do 5 Dias, um blogue de comunistas e bloquistas, decidi criar um blogue que, ao contrário da maioria, fosse pluralista. Ou seja, com pessoas de Esquerda e de Direita e sem qualquer tipo de alinhamento ideológico definido.
Foi assim que comecei por convidar o Luís Moreira, que estava na área do PSD e que chegou a desempenhar cargos políticos de relevo durante os Governos de Cavaco Silva.
Depois dos restantes fundadores, dos quais só restam hoje a Carla Romualdo e o João Paulo Silva, o Aventar foi vendo aumentar o número de escribas, sempre com a preocupação de manter um certo equilíbrio. Ao fim de poucos meses, tínhamos gente como o Fernando Moreira de Sá, o Carlos Garcez Osório ou a Daniela Major, na área do PSD e do CDS, e gente como o João José Cardoso, o Fernando Nabais ou o Jorge Fliscorno, todos de Esquerda. Com a excepção do nosso Maior, todos os outros por cá andam. [Read more…]

As notícias da morte d’Os Truques foram manifestamente exageradas

ot

A ideia que fica é que são os Truques quem está a matar a imprensa portuguesa, não o contrário, Fernando. Aliás, o teu post refere isso, no final, quando afirmas que o irmão do Primeiro deu uma bazucada no jornalismo português. Não foi o único. Como as fake news e o clickbait, os jornalistas que se vêm prestando a este papel multiplicam-se, expondo desta forma o atoleiro em que está metida a grande parte da nossa imprensa. E não digo toda porque acredito que ainda existem muitos profissionais do jornalismo a lutar contra a corrente e a fazer um excelente trabalho. Mas até o melhor trabalho corre hoje o risco de ser reduzido a duas frases descontextualizadas, enganadoras e polémicas, para consumo rápido nas redes sociais. [Read more…]

Angola, entre a corrupção e a mortalidade infantil