Cancioneiro Casa Nostra


A sempre irritada jornalista do ex-poder já ansioso por regrassar ao buffet, cita um fulanóide qualquer, não sabemos quem – o marido da Dª Rosete? -, talvez com intuitos condenatórios. Mas vamos então à trombeta da arauto:

1. “É altura de os Portugueses despertarem da letargia em que têm vivido e perceberem claramente que só uma grande mobilização da sociedade civil permitirá garantir um rumo de futuro.”

Qual é a dúvida? Acabaram-se os TGV’s, aeroportos à cata de terrenos “amigos”, centros comerciais à beira-Tejo, bunkers de contentores, BPN’s, pedincha atrás de pedincha no estrangeiro e ainda conseguimos fazer com que um certo caramelo fosse flanar à beira Sena. O 16ème é uma espécie de resort caro, mas num país tão desigual, ele e os seus estão do outro lado que pode, quer, manda e consome. O lado da casa nostra Câncio. Quanto a isso estamos descansados, não letárgicos. [Read more…]

Eu voto BE

Bloco_de_Esquerda-logo-E22C00CAA9-seeklogo_comSem hesitações. Sou de esquerda desde sempre. Da ‘esquerda caviar’, dizem os meus amigos. Detesto caviar, mas eles não desistem do jargão. Gosto de cozido à portuguesa, de uma bela feijoada à transmontana, de mãozinhas com grão, da saborosa caldeirada  à sesimbrense ou à setubalense, de uma sardinhada em Alfama (Lisboa), Matosinhos ou Portimão e de muitas outras iguarias. Hoje, por exemplo, manjei uma cabidela de galo, no Pessoa (Rua dos Douradores, Lisboa) de se lhe tirar o chapéu – ainda por cima regada com um tintinho de Borba. Caviar nem o quero ver; o seu sabor repugna-me.

No domingo, bem lavadinho com sabonete e champô da ‘Aveia’ e perfumado pela ‘Carolina Herrera’, vestido desportiva e apropriadamente, lá vou votar no BE.

Sei que defraudo a tese do caviar e da falta de higiene forjada pela ‘direita do courato’. De barriga extensamente boleada,  essa direita arrota  a colagénio e vinho azedo, sonorizando o mau hálito com voz grave e boçal. É o tal segmento da direita retrógrada,  grosseira e repetitiva no insulto que, por entre democratas, se perfila à volta das troikas aberrantes: a interna (PS+PSD+CDS) e a externa (FMI+BCE+CE).

(Decidi publicar esta declaração por diversos motivos, entre os quais avultam a transparência da minha opção política e a demonstração de que, no ‘Aventar’, a pluralidade é um conceito que se pratica – e assim espero que continue).

Venham de lá os ‘trolls’ da minha indiferença!

Hoje somos todos do 5Dias!

Como compreendo a malta do 5Dias.

O blog 5Dias, um blog assumidamente de esquerda, não foi de peneiras e juntou-se aos inúmeros blogues e bloggers nacionais no “Manifesto Pela Liberdade“. Resultado: a blogada situacionista, qual matilha, desanca-os de alto a baixo.

Sou um dos 50 bloggers que assinaram o Manifesto e, quando o fiz, nem perguntei quem era a companhia, apenas me limitei a ler o conteúdo e a ser indiferente ao embrulho. Como concordei e concordo com parte substancial, assinei sem hesitações. Mas quem eram os outros 50? Olhem, nem sabia que eram 50. O que me precupa é a Liberdade e não quem nela me acompanha.

Sobre a posição hipócrita do Arrastão, já aqui escrevi. Parece uma birra de meninos – eu não brinco com o Carlinhos, nem com Rodriguinho e muito menos com o André, buá, buá, buá. Claro que me faltou, para explicar o inexplicável, a arte e o engenho de Renato Teixeira que, no 5Dias, explica tudo muito bem explicado. Agora, também não queiram que o Jugular ou a Minoria Relativa e muito menos o Entre as Brumas da Memória, entre outros, alinhem neste manifesto transversal. Era pedir muito e seria uma violência para os próprios. Tal como não se pode pedir a algumas almas que critiquem a voz do seu dono, já basta a coragem da Cláudia. Heresia.

Entendem alguns, poucos, que este manifesto pretende, acima de tudo e com toda a suspeita, patrocinar uma solução “presidencialista”. Desculpem lá, o quê? Olharam bem, com olhos de ver, para os 50 subscritores? Alguém duvida que, de entre os 50 subscritores, os que são de direita, são contrários a uma solução presidencialistas e logo com este Presidente e o seu historial de relacionamento com a Liberdade de Imprensa? Acreditam mesmo? Humm, cheira-me a desculpas de mau pagador.

Meus caros, este caso faz-me lembrar um outro, que ficou a meio: o Caso Moderna e o que ele representava de tomada de assalto ao poder através do domínio da comunicação social. Mas sobre isso escreverei mais tarde. A Liberdade não se discute percentualmente. Ou é a 100% ou não é Liberdade. Mas pode até ser outra coisa qualquer…

Por isso, hoje, pela liberdade, somos todos do 5Dias!