Ada Lovelace

Augusta Ada King, Condessa de Lovelace (10.Dez.1815 – 27.Nov.1852) foi uma mulher fora do seu tempo. Foi-lhe ensinado matemática em tenra idade pela sua mãe, posteriormente teve aulas privadas com eminentes matemáticos da época e foi sócia da Blue Stockings Society.

Já casada, traduziu para o inglês um artigo escrito em francês pelo italiano Luigi Menabrea em que era descrito o Engenho Analítico de Charles Babbage, acrescentando extensas notas pessoais sobre a forma como ele poderia ser usado para calcular os números da série de Bernoulli. Esta descrição incluía os mecanismos que hoje fazem parte de qualquer linguagem de programação, valendo-lhe a menção de ter sido a pessoa que escreveu o primeiro programa informático.

No século XX (1983), o Dep.to de Defesa do EUA, em honra a Ada Lovelace, escolheu para a sua novel linguagem de programação o nome de Ada. Augusta Ada King, Condessa de Lovelace , faria hoje 197 anos.

* imagem copiada da Wikipedia: link.

O PC vai acabar?

Calma Camaradas – juro que não estava a pensar no PCP!

Falo da luta  a 3:

– a Apple meteu o Ipad na máquina e ele mingou!

– a Microsoft continua a correr atrás do prejuízo, mas desta vez o sistema operativo (windows 8) tem uma novidade à espreita – o Surface. Diz-se por aí que é o ipad da Microsoft.

– a Google também deu um passo em frente e já tem à venda em Portugal o Nexus.

A Apple trabalha, desde sempre, com um sistema fechado – vende máquina e software num pacote pronto a comer.

A Microsoft trabalhou sempre com outra prioridade  – o software.

A Google, novo player nesta área, quando comparado com as outras duas companhias, tinha o seu foco na web, apesar de ser verdade que já anda por aí o sistema operativo da Google.

E a GUERRA entre estes 3 gigantes, acompanhada pela luta nos dispositivos móveis, vai mudar tudo. [Read more…]

Imposto sobre a casmurrice

Site de compras online cobra taxa a utilizadores do Internet Explorer 7Leia a explicação do site (em inglês)

O Eduquês não gosta de informatiquês

Nuno Crato diz que a informática no 9º ano é para acabar, já que, afirma, os alunos quando chegam a este nível de escolaridade já a dominam. Depois de me ter sobressaltado, reflecti e concluo que o autor do termo “eduquês” tem toda a razão. Como todos saberão, a informática corresponde, na sua essência a uns e zeros. Como 1 tende a ser uma nota frequente entre os alunos e 0 começa a ser o dinheiro disponível nas carteiras dos respectivos pais, que aluno não dominará ainda a informática aos 15 anos? Os ricos, claro, e esses que paguem as suas lições de Facebook.

Soube também, de fonte segura, que as software houses já aplaudiram a medida. Depois de terem começado a pagar 500 euros a recém licenciados, vêem nesta medida a oportunidade de finalmente serem competitivos com a China e com a Índia, indo buscar os seus IT expert saídinhos do 9º ano.

Finalmente, quanto aos que passaram anos a dizer que o programa e-escola, e-escolinha  em nada contribuiria para desenvolver competência tecnológicas nos alunos e que os Magalhães não passavam de brindes eleitorais, espero que mordam a língua e reconheçam o seu colossal erro. Que outro país consegue à saída do ensino básico fornadas de Steve Jobs, de Bill Gates e de Linus Torvalds? Aprendam, seus velho-restelianos.

Serviço Público

Para quem quer aprender umas coisitas de blogs e redes sociais, aqui fica um local de peregrinação obrigatória:

Fractura

Os Imóveis do Estado

Há 910 entidades do Estado, das quais apenas 319 aderiram ao inventário.

Isto, apesar de haver uma Direção-Geral do Património que deve andar muito atarefada em gerir os bólides dos senhoes ministros e assessores.

Se nem sequer têm o inventário como fazem a gestão do imobilizado? Estão os imóveis a cair? Precisam de manutenção? Qual? Há rendas a receber? Quem as recebe? E quanto? Podem ser reabilitados e transformados por forma a tirar o melhor rendimento?

Como se percebe a tactica é a mesma. Confusão, ninguem sabe nada, um número restrito de pessoas pode fazer o que quizer. Arrendar, ficar com a massa, vender ao amigo e receber umas comissões.

Não interessa a ninguem clarificar as situações, ter o trabalho bem feito, haver transparência, gerir profissionalmente as situações.

A Direcção-Geral a quem está cometida esta tarefa, assobia para o ar, como não tivesse que dar explicações a ninguem, ninguem é demitido, anda tudo numa boa, vem dizer que a estrutura informática que comprou só faz o registo, não faz a gestão, é preciso começar tudo do principio.

Estas estruturas de gestão de imóveis existem há vinte anos, é só mexerem os pés, ver como se faz, há dezenas de empresas do ramo que trabalham com este tipo de ferramentas.

Ou então o Estado entrega o serviço a uma empresa privada, com relatórios sobre a situação e com propostas do que há a fazer em todos estes imóveis.

Mas é claro que não há pressa nenhuma, não há avaliação, assente no mérito, basta esperar sentado para progredir na carreira, os directores saem daquela Direcção vão para outra, paga o contribuinte, falta sempre pessoal…

A Central de Compras do SNS

Qualquer grupo empresarial tem como prioridade criar uma central de compras. As razões são óbvias, desde a compra de grandes quantidades com os descontos possíveis, até à certificação dos fornecedores, por razões de qualidade e de cumprimento de prazos.

Estas centrais de compras podem ser uma plataforma informática, onde as várias instituições carregam as suas necessidades, por produto, quantidade, prazos e, com muito pouca intervenção humana, prepara os dossiers para decisão.

No que diz respeito ao Serviço Nacional de Saúde, com tantos hospitais e centros de saúde, a poupança ronda, seguramente, milhões de euros. Oitocentos milhões, segundo o economista que estudou a questão. É mesmo incompreensível que esta estrutura nunca tenha sido criada, embora se perceba os muitos interesses agregados, contudo o Estado não tem que os alimentar .

Espera-se agora que não seja um pretexto para encher com mais uns boys e girls, e que não inventem, porque esta solução está há muito implementada nas empresas e basta seguir as boas soluções. Ao nível do fornecedor as vantagens tambem são muitas porque pode programar as suas produções em grandes quantidades, com os respectivos custos bem mais baixos. Acresce as entregas, o embalamento, tudo concorre para que haja um enorme corte nos preços, com vantagens para todos.