Mais sangue, mais suor e mais lágrimas

trabalho

Imagem do Facebook do PSD

Em entrevista ao Expresso, na edição de 27 de Novembro de 2010, Passos Coelho puxou de um sound bite para caracterizar o que ele achava que era situação do país nessa altura.

«Estamos como quando Churchill, a seguir à guerra, disse que tudo o que tinha para oferecer era sangue, suor e lágrimas». [via]

Pela citação, incompleta e errada no tempo, comprova-se que, já então, o rigor era um detalhe para Passos. Em Maio de 1940, com o Reino Unido em guerra, e não depois da guerra, tal como dissera Passos Coelho, Churchill declarou na Câmara dos Comuns: “Só tenho para oferecer sangue, trabalho árduo, lágrimas e suor.” Depois desta entrevista, o mesmo mote viria a ser repetidamente usado*, evidenciando o mote para a campanha eleitoral do PSD em 2011 e para o que viria a ser o programa de governo, baseado numa austeridade de guerra.

No sábado, no discurso do Pontal, PPC voltou ao tema. Os dados para mais sangue, mais suor e mais lágrimas estão lançados. Não há outra solução na coligação que não seja aumentar impostos, baixar o custo do trabalho e cortar nos serviços do estado. Estamos avisados.

*cf. debate do programa de Governo em 2011; discurso de PPC em Dezembro de 2012; etc.

Festa no Pontal, miséria em Portugal

pobrezaNo Pontal, reuniram-se aqueles que amam o solo e pisam o povo, como gritava Jô Soares. Com a desfaçatez de quem não se pode dar ao luxo de ter vergonha, houve discursos com veneno suficiente para matar um país.

1 – “Qualquer decisão constitucional não afectará simplesmente o Governo. Afectará o país. Esses riscos existem, eu tenho que ser transparente. Se esse risco se concretizar [o TC declarar a requalificação inconstitucional] alguns dos objectivos terão que andar para trás”

Sabendo-se que o desconhecimento da lei não aproveita a ninguém, o que dizer de alguém que reincide no incumprimento de uma lei que conhece? O que dizer de um primeiro-ministro que reincide no incumprimento da lei fundamental do país?

A habilidade chico-esperta de chamar requalificação a despedimentos é própria de gente que não é séria.

Também não fica bem a um primeiro-ministro maltratar a língua materna: o que são objectivos que andam para trás? [Read more…]

Passos Coelho vai aumentar as mamas

9524901_eqECpSoubemos que Passos Coelho irá proceder a uma operação para aumento das mamas e passará a usar vestidos curtos que lhe favoreçam as coxas, procurando, deste modo, criar uma imagem ainda mais aproximada da taróloga Maya.

As parecenças entre Passos Coelho e Maya acentuaram-se em 2010, quando o então candidato a primeiro-ministro fez referências a um futuro que não se confirmaria. Para além disso, tal como a astróloga/apresentadora, Passos Coelho tem feito previsões que falharam de modo quase sistemático.

O chefe do governo escolheu o dia de hoje para fazer este anúncio, uma vez que é na Festa do Pontal que costuma fazer as previsões mais disparatadas.

Alguns membros do governo já comentaram, em tom jocoso, a decisão do líder: “Afinal, a mama ainda não está para acabar!”

Novidades no Pontal

O PSD convidou o primeiro-ministro doutro país para discursar.

Pontal: a manutenção da silly season

Na política, não existe silly season, porque a silliness está no leito e nas margens desse rio de cabotinos que nos arrasta, enquanto finge que nos governa apenas para inventar novos problemas, a acrescentar àqueles que a vida, de qualquer modo, nos traria. O Pontal, a festa do PSD, é um dos momentos altos da estação tolinha, previsível como o refrão qualquer música pimba. [Read more…]