Mais sangue, mais suor e mais lágrimas

trabalho

Imagem do Facebook do PSD

Em entrevista ao Expresso, na edição de 27 de Novembro de 2010, Passos Coelho puxou de um sound bite para caracterizar o que ele achava que era situação do país nessa altura.

«Estamos como quando Churchill, a seguir à guerra, disse que tudo o que tinha para oferecer era sangue, suor e lágrimas». [via]

Pela citação, incompleta e errada no tempo, comprova-se que, já então, o rigor era um detalhe para Passos. Em Maio de 1940, com o Reino Unido em guerra, e não depois da guerra, tal como dissera Passos Coelho, Churchill declarou na Câmara dos Comuns: “Só tenho para oferecer sangue, trabalho árduo, lágrimas e suor.” Depois desta entrevista, o mesmo mote viria a ser repetidamente usado*, evidenciando o mote para a campanha eleitoral do PSD em 2011 e para o que viria a ser o programa de governo, baseado numa austeridade de guerra.

No sábado, no discurso do Pontal, PPC voltou ao tema. Os dados para mais sangue, mais suor e mais lágrimas estão lançados. Não há outra solução na coligação que não seja aumentar impostos, baixar o custo do trabalho e cortar nos serviços do estado. Estamos avisados.

*cf. debate do programa de Governo em 2011; discurso de PPC em Dezembro de 2012; etc.

Comments


  1. Com este cromo fascista que lê a vida de Salazar em diagonal, que é ignorante e vigarista de feira é que não vamos a lado nenhum…
    Ài estamos avisados estamos…!!


  2. Se a honestidade dos outros contendores for igual, ganham os votantes.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.