Conversas Vadias 52

Na quinquagésima segunda edição das Conversas Vadias, marcaram presença os vadios António de Almeida, Carlos Osório, José Mário Teixeira e Orlando de Sousa, que conversaram sobre programa de Governo, cultura, mérito, esperteza, chico-espertismo, Manuel Pinho, habilidade, tartarugas, Ricardo Salgado, avença, alzheimer, fé, mentalidade, F. C. Porto, marés, bipolaridade, Pedro Passos Coelho, mitologia, infantilidade, individualidade, grupo, sociedade, liberalismo, formação de preço, selvajaria, regulação, ambição, ganância, justiça, prioridades, funções do Estado, administração pública, promiscuidades, democracia, código de conduta, sistema eleitoral, educação, ideologia, radicalismo, programas e Estado de Direito Democrático.

No fim, e para variar, as habituais sugestões:

[Read more…]

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas Vadias 52
/

A (des) Graça que tivemos e o que nos espera

 

 

Tenho estado atento, como muitos portugueses, à campanha eleitoral. Naturalmente há áreas que interessarão mais a uns e menos a outros. Não fujo a essa regra. Novo aeroporto, TAP, SNS, economia, impostos, justiça, educação, etc., mas naturalmente cultura e património. 

Rui Rio até pode vir a ser 1º. Ministro. No entanto, e no que diz respeito à Cultura e ao Património Cultural não tenho ilusões. A sua actuação como Presidente da Câmara do Porto fala por si. 

O que fez no Rivoli? Lembram-se do Filipe La Féria? Podem sempre ler aqui, aqui e aqui.

E sobre a gestão municipal à época? É ler….

Outro mito é o da reabilitação urbana. Neste capítulo o que se passou com o modelo de gestão implementado, SRU,  também é elucidativo. E o célebre Quarteirão das Cardosas?

Claro que o PS enganou o pessoal da “Cultura” ao dizer que repôs o Ministério da Cultura. Tretas, pois limitou-se a nomear um titular (uma titular, diga-se) para o cargo sem criar o Ministério. Atiraram-se à época ao Passos Coelho por ele ter passado a Cultura a Secretaria de Estado. Mas nada disso aconteceu. Não havia Secretaria de Estado, havia era Secretário de Estado (primeiro Francisco José Viegas, de má memória, e depois Barreto Xavier, idem). A CS comeu de cebolada. O BE também. Desde 1980 que não houve semelhante período sem Secretaria de Estado nem Ministério. Estamos assim desde 2011, à mercê de vontades individuais, conforme os gostos e as influências dos amigos e das amigas dos titulares.

Se lermos os programas eleitorais vemos a importância que dão ao Património Cultural. Zero.

Giram todos à volta do mesmo.

Educação? Perguntem à M80!

m80As escolas – e, portanto, todos aqueles que aí trabalham – são rochedos que vão resistindo como podem às muitas intempéries a que estão sujeitos. Políticos, professores universitários de muitas áreas, empresários, teóricos, cronistas, jornalistas, analistas, todos pensam saber mais sobre Educação do que aqueles que trabalham nas escolas. O costume: num convívio de dez pessoas em que uma seja professor, os outros nove têm sempre explicações a dar e medidas infalíveis para propor, ficando o professor desvalorizado por ser parte interessada. Até Cavaco, com o génio que se lhe reconhece, resolveu, há poucos anos, os problemas nos concursos de professores. [Read more…]

É de borla

E grátis, imaginem só! Programas da adobe absolutamente free (xiu, que o Gaspar pode ouvir!).

Metas de aprendizagem

Há documentos que falam pelos seus autores.

Este fala por Crato – senhores e senhoras, meninos e meninas, o regresso ao tempo da televisão a preto-e-branco numa matriz pedagógica completamente velha e vazia de conteúdo: as Metas de Aprendizagem!

Neste momento, as de matemática, as de português e as de  TIC. Depois aparecem duas, as de EV e de ET, que não estão assinadas. Será que ninguém as quer assinar? Será que …

Mas uma só pergunta: isto são Metas de Aprendizagem baseadas no currículo, certo?

Em que currículo, se ele ainda não existe?

E já agora, os programas? De EV e de ET?

E na minha área, matemática, o “novo programa” é para manter? Com metas que falam em objetivos?

O Diário do Professor Arnaldo (8 de Outubro)

Disseram-nos logo no início do ano que tínhamos de cumprir o programa em todas as turmas e que iam estar atentos.
Pois bem. Que estejam.
Reparei hoje que, numa das turmas em que o programa é mais extenso (7.º ano), vou estar 3 semanas seguidas sem aulas. Senão reparem: 24 de Novembro – Greve Geral; 1 de Dezembro – Feriado; 8 de Dezembro – Feriado; 15 de Dezembro – Último dia de aulas.
No fundo, para essa turma, as aulas do 1.º Período vão acabar no dia 17 de Novembro. Porque só os tenho uma vez por semana. Quando noutras escolas a mesma disciplina e o mesmo ano de escolaridade contempla 90 + 45 minutos por semana.
E depois querem que eu cumpra o programa…