Conversa de moucos

Mário da Costa
A relação dialógica de uma Companhia de Teatro com uma Direção Regional de Cultura

E assim ficam registados estes factos para descarga fisiológica da minha consciência e memórias vindouras.

A meu pedido, fui recebido pela Directora Regional da Cultura do Centro, em Coimbra.

Estranhou ver-me, alegando como saudação que se faziamos 25 anos de existência e nunca tinhamos pedido nada à Secretária de Estado da Cultura, estando a fazê-lo agora só podia ser sinal de estarmos a perder qualidades.
– Como assim, perder qualidades?
– Se vocês como Companhia de Teatro se conseguiram “desenrascar” durante tanto tempo, sem precisarem de “pedinchar” e agora o fazem, só pode significar que já não têm o mesmo talento.
– Talento artístico, quer a senhora dizer?
– Não, talento para se safarem. Encontraram um nicho de mercado que vos satisfez e agora que as câmaras estão “tesas” é que nos vêm apoquentar. [Read more…]

Acordo Ortográfico: a gaguez de Francisco José Viegas

Esta entrevista a Francisco José Viegas (FJV) sobre o Acordo Ortográfico (AO) é um amontoado de gaguez, de indefinições e de disparates. Depois de ter ouvido atentamente, limito-me a aglomerar, também eu, alguns comentários, tentando gaguejar menos, definir melhor e evitar o disparate.

Francisco José Viegas começa por confessar que há coisas no AO de que gosta e outras de que não gosta, o que é irrelevante, porque a discussão sobre este assunto só faz sentido a partir do momento em que não se fale de gosto.

Depois, e após relembrar que o AO está a ser discutido há vinte anos, afirma que foi discutido à última da hora, o que é muito semelhante a um paradoxo. Sobre este arremesso alegadamente tardio, aproveita para ironizar acerca de uma tendência lusa para esperar até ao último momento e contestar uma medida há muito anunciada. FJV revela, assim, um profundo esquecimento acerca dos vários pareceres dados por especialistas.

Aproveitando a deixa de FJV, e analisando um outro tique português, a verdade é que, nas questões ligadas às Ciências Humanas e Sociais, há uma tendência do poder e da opinião pública para desprezar repetidamente os contributos dos especialistas nas matérias. Assim tem sido com a Educação, com o desprezo a que são votados avisos e contributos dos professores, e assim tem sido com a questão do Acordo Ortográfico, em que os muitos pareceres emitidos por linguistas foram ignorados e  considerados manifestações de mera caturrice. [Read more…]

O fabuloso destino de André Viola

O jovem algarvio André Wilson da Luz Viola, de 21 anos, apresenta um curriculum invejável, que não é muito comum em jovens da sua idade. Senão vejamos:
. em Maio de 2008, foi Voluntário no Rock in Rio/Lisboa.
. em Maio de 2009, foi escrutinador, em Lagos, durante as Eleições para o Parlamento Europeu;
. em Agosto de 2009, ganhou um convite-duplo para ir ao Amoreiras ver o filme «Charlie Bartlett — Psicanálise para Todos»
. em Setembro de 2009, foi candidato do PS à Assembleia Municipal de Lagos.
. em Janeiro de 2011, foi escrutinador, em Lagos, durante a votação para a Presidência da República.
. em Maio de 2011, recebeu um pagamento de 76 euros da Câmara Municipal de Lagos;
. nos primeiros dias de Julho de 2011, segundo estas informações, tirou a carta de condução.
. em 18 de Julho de 2011, aos 21 anos de idade, foi nomeado Motorista do Secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, com um ordenado mensal de 1610 euros.

Eis o fabuloso destino que estava reservado a André Viola – com 21 anos apenas, ganhar como motorista de Francisco José Viegas 3 vezes mais do que os motoristas decanos do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.
O que se pode dizer mais deste ás da estrada, deste autêntico Fitippaldi, que ainda não tenha sido dito? Nada, a não ser uma pergunta: Por quê?
Aconselho ainda as leituras dos insuspeitos Insurgente e Portugal Contemporâneo sobre esta matéria.

A promiscuidade e as ligações perigosas de Francisco José Viegas


O Governo anunciou recentemente a criação de um novo organismo, a Direcção-Geral do Património Cultural. O Aventar sabe de fonte segura que Francisco José Viegas se prepara para nomear Elísio Summavielle como director-geral desse organismo. Elísio Summavielle, relembre-se, foi Secretário de Estado da Cultura no segundo Governo de José Sócrates.
Dando mostras de um súbito sentido democrático, invulgar na política portuguesa, Francisco José Viegas reconduziu também dois elementos que tinham sido nomeados por Elísio Summavielle, Manuel Correia Baptista e Henrique Parente.
Dando mostras de um súbito sentido democrático. Ou se calhar não.
Em 18 de Maio de 2010, o então Secretário de Estado da Cultura, Elísio Summavielle, entregou por Ajuste Directo o projecto «O Douro nos Caminhos da Literatura», constituído por 7 DVD’s sobre escritores durienses, no valor de 138.600 euros. Pagaram o projecto, entre outros, a Estrutura de Missão do Douro e a Fundação EDP. Tudo gente boa, como se sabe…
E quem foi o feliz contemplado por esse Ajuste Directo e o responsável pela concepção e apresentação dos DVD’s? Acertaram, o actual Secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas.
Há coisas fantásticas,não há?