Palestina – Entre um Whisky e um arroto!

Conhecem-se alguns desenvolvimentos sobre o que aconteceu no navio Mavi Marmara, que foi assaltado por um comando Israelita do que resultaram nove mortos e alguns feridos. Mas os mais importantes testemunhos são-nos dados pelos relatórios das autópsias aos cadáveres e por um Sargento que participou na ocupação do navio. As autópsias indicam que os mortos apresentam mais que uma bala disparada a curta distância e que há pelo menos um que levou um tiro na testa e outros dois, levaram tiros nas costa e na nuca.

O sargento Israelita que reconheceu ter morto seis dos nove  activistas, relata que disparou quando descia a corda do helicóptero, e que o fez, porque os seus camaradas que estavam à sua frente a “pousar” na coberta do navio, estavam a ser agredidos pelos activistas e deitados ao mar. Era gente treinada, e com armas para a luta corpo a corpo ( foram encontradas armas e coletes de protecção).

Não sabemos qual será a verdade, o que sabemos é que no teatro de guerra não há bom senso, nem dialogo, nem razão, há mortos e feridos, e tambem sabemos que o que verdadeiramente está em jogo num cenário de “mata, mata” é que uns morrem e outros ficam para contar. E sabemos ainda melhor que quem está de fora, quem não correu risco nenhum, está pronto a apontar o dedo acusador!

Entre dois whiskies tomam-se decisões e partido sem cuidar de ver as circunstâncias que fazem o homem e a sua acção, os bons são os “nossos”, os bandidos, cães, fascistas e nazis são os “outros”. Se alguem tenta colocar a questão ao nível de uma discussão desapaixonada sob o ponto de vista ideológico, interessando compreender para evitar mais dor e sofrimento, ( a diferença viu-se bem nas duas noites em que aqui no Aventar se discutiu o assunto) percebe-se, rapidamente, como as pessoas chegam a conclusões que, se não iguais, são muito próximas e com soluções humanas e respeitosas para com os povos em conflito. (não se pode mandar um dos povos ao mar…)

Mas os bem pensantes,(somos de esquerda! Como se a guerra fosse de esquerda ou de direita) ainda têm um último arroto, antes de largarem a presa. É que a solução passa pela democracia, dois Estados de Direito, num só território e dois povos coexistindo pacificamente. Nem um ” finest old scotch whisky” 15 anos ajuda a engolir “veículos democráticos” necessários para a solução do problema.

E que tal uma Água das Pedras?

Estes assopram no balão?

Depois deste opíparo jantar, com a polícia a saber que estão com uma grande narsa ,que nem um cacho, mandava-os parar e assoprar no balão? Claro que não! Os motoristas não bebem em serviço! Como vêm basta “meter” ao serviço um motorista e nenhum de nós será incomodado! E muito menos levar um tiro!

Fácil, simples e barato!

Podem é andar a fazer colonatos e a roubar a terra dos habitantes mas isso, com o diabo, não se espere que quem está com uma narsa faça coisa que se veja .Porque será que o Joe Biden,cheio de bombas noutras partes do mundo, aqui não muge?

Ainda Ermelo (Mondim de Basto)

Imaginem um cenário, tipo Chicago, anos 30.

 

Chicago, "Inimigos Públicos", Johnny Depp

 

 Temos uma  Terra que é governada com mão de ferro por um poder institucional, mas que gere tudo com base na força, atemorizando a população. As situações semelhantes aos pagamentos que na Sicília são exigidos pela Máfia, repetem-se: pagar em milho, em batatas ou até através da força de braços.

Quando alguém refila tem dois caminhos: o físico ou o tribunal. Por isso, nessa Chicago imaginária haveria mais processos que eleitores.

Continuando neste cenário de BD, imagine ca@ leitor@, que há alguém que mesmo vivendo com medo, se aventura e se chega à frente – diz, alto e bom som, não tenham medo!

Ermelo, Mondim de Basto

 

Como em qualquer bom livro de BD, os quadradinhos e as tiras fazem a realidade parecer ficção e por isso no final o mordomo não é o culpado, mas os maus morrem.

Será que continua a haver medo?

Será que há ainda muito para saber relativamente a Chicago?

Será que o partido que dirige Chicago, o tal do Mr. Walk Rabbit, era capaz de nos dizer alguma coisa sobre este filme?

Eu por mim, continuo a ler livros e Ermelo só à distância!

Porque, car@s leitor@s, quem tem filhos precisa de saber que mais vale um cobarde vivo que um herói morto! Mesmo que seja na BD.