Gajos que merecem um AVC

João Luís Pinto, de preferência sem Varifene no mercado.

Assassinos a soldo matam cidadãos cancerosos na Grécia

De acordo com esta notícia, há uma rede clandestina de médicos na Grécia que trata de cidadãos – a palavra “doentes” é redutora – que, sofrendo de cancro, não têm direito a tratamento, porque não têm seguro de saúde.

Esta situação configura aquilo a que se pode chamar americanização do sistema de saúde grego e é uma parte do processo de privatização do mundo ocidental, em nome de ideologia nenhuma. É tudo comércio e é garantido que a Roma de hoje pagará a traidores.

Em Portugal, temos, também, um governo de cínicos que anda a vender a ideia de que os problemas económicos do país se devem às despesas do Estado Social, fazendo de conta que não sabem que a governação tem sido um constante desvio de dinheiros públicos, gastos em favores privados.

Mesmo que este fosse um problema exclusivamente grego, nunca deveria ser um problema exclusivamente grego, porque temos de ser maiores dos que as bestas iluminadas que se limitam a dizer que “não somos a Grécia”. A verdade é que somos muito parecidos com os gregos, uma vez que temos no governo gente como Samaras e, tal como os gregos, já começámos a perder direito à Saúde, entre outros alegados privilégios garantidos por uma Constituição cada vez mais ameaçada.

Ao negar tratamento a cidadãos que têm cancro, o governo grego está a garantir que morrem. Não há eufemismos possíveis: é homicídio. Os governantes gregos são assassinos a soldo, porque estão a ser pagos para matar.

Somos a Grécia, não tarda nada.

Rapper NTS Recarga – quando os assassinos estão do lado errado

«E nesta curta passagem
Sigo com uma só certeza
Tu tens a tua
Eu tenho a minha
A liberdade…
Ninguém te pode tirar.»

 
O Rapper NTS Recarga, de Santa Maria da Feira, é a última vítima da impunidade policial em Portugal. Menos de um ano depois do assassinato de MC Snake, temos mais um caso em que um elemento da GNR dispara à queima-roupa contra um veículo que simplesmente deu meia volta quando viu uma operação STOP.
E prevendo os comentários dos costumeiros arautos da moralidade, não parar numa operação STOP é errado e ilegal (era «reveillon», talvez o condutor tivesse bebido um copo a mais, não sei), mas a resposta não é matar. A resposta não é sequer disparar. O procedimento correcto é recolher de imediato as características do veículo, a matrícula e enviar a informação à central que depois emite às restantes patrulhas, de modo a que o suspeito em fuga possa ser interceptado noutro local ou para que o caso passe para as brigadas de investigação criminal.
Sabendo o que fez, a GNR tentou encobrir o crime, tratando o caso como um acidente de viação e dizendo, à família, que o guarda escorregou e disparou acidentalmente. Não fosse o médico de serviço chamar a PJ e nunca esta teria descoberto a bala na cadeira do automóvel.
Aos costumeiros arautos da moralidade, direi ainda que não estamos a falar apenas de um rapper. Não é só o NTS Recarga. É o Fábio. É um puto de 21 anos que tomba desta forma às mãos de quem é pago para nos proteger. E o Fábio, que nem sequer era o condutor do carro, não era um perigo para quem quer que fosse.

[Read more…]

os aguerridos chilenos

O Morro de Arica, vergonha do Chile

Falar da República do Chile, é falar da fortaleza dos seus cidadãos, da sua força, das suas lutas pelo viver e sobreviver. A República foi fundada a 18 de Setembro de 1810, numa primeira instância. Colónia da coroa de Espanha, e com o rei Fernando VII de Borbon, sequestrado e levado para França por Napoleão Bonaparte, a população do país, especialmente a de Santiago, sentia que não tinha quem a governasse. O Governador, Mateo de Toro y Zambrano, feito Conde da Conquista pelo Rei para poder gerir as suas posses, reunia todos os requisitos para o cargo: Mateo de Toro Zambrano y Ureta (Santiago, 20 de Setembro de 1727Santiago, 26 de Fevereiro de 1811), vizconde prévio de la Descubierta, conde de la Conquista y cavaleiro de la Orden de Santiago, militar e político criollo chileno. Convocou uma reunião de notáveis para escolherem quem havia de governar a colónia, porque não havia rei. Como é evidente, os notáveis eram os senhores de posses, nobres também, como já relatei noutros ensaios, editados neste sítio de debate académico.

De facto, esse 18 de Setembro é uma metáfora por causa do rei Fernando VII, ao voltar do seu exílio em França, querer recuperar as suas colónias. Para isso, enviou um exército que os chilenos, durante quatro anos, souberam muito bem combater até há expulsão dos denominados godos, do território nacional, o que aconteceu em 1818, após a vitória, com colaboração da República Argentina (livre desde 1805), na batalha de Maipú.

Até àquela data, a maioria dos líderes independentistas teve que fugir para Mendoza, na Argentina. Formaram o Exército dos Andes, a cargo do general argentino José de San Martín, no qual participava Bernardo O’Higgins, líder das milícias chilenas. Este Exército Libertador, que inicialmente contava com 4.000 homens e 1.200 militantes da tropa de auxílio, para condução de mantimentos e munições, cruzou a

[Read more…]

Ainda Ermelo (Mondim de Basto)

Imaginem um cenário, tipo Chicago, anos 30.

 

Chicago, "Inimigos Públicos", Johnny Depp

 

 Temos uma  Terra que é governada com mão de ferro por um poder institucional, mas que gere tudo com base na força, atemorizando a população. As situações semelhantes aos pagamentos que na Sicília são exigidos pela Máfia, repetem-se: pagar em milho, em batatas ou até através da força de braços.

Quando alguém refila tem dois caminhos: o físico ou o tribunal. Por isso, nessa Chicago imaginária haveria mais processos que eleitores.

Continuando neste cenário de BD, imagine ca@ leitor@, que há alguém que mesmo vivendo com medo, se aventura e se chega à frente – diz, alto e bom som, não tenham medo!

Ermelo, Mondim de Basto

 

Como em qualquer bom livro de BD, os quadradinhos e as tiras fazem a realidade parecer ficção e por isso no final o mordomo não é o culpado, mas os maus morrem.

Será que continua a haver medo?

Será que há ainda muito para saber relativamente a Chicago?

Será que o partido que dirige Chicago, o tal do Mr. Walk Rabbit, era capaz de nos dizer alguma coisa sobre este filme?

Eu por mim, continuo a ler livros e Ermelo só à distância!

Porque, car@s leitor@s, quem tem filhos precisa de saber que mais vale um cobarde vivo que um herói morto! Mesmo que seja na BD.