Memorial poético (1)

Confronto

 

O ódio é arma que mata,

O divórcio é a secura,

Os remorsos são a errata,

De um amor que é a cura.

 

Príncipe sem principado,

Soberano por quimera,

Amante sem ser amado,

Herói de uma outra era.

 

O Homem é poeta,

Sonhador sem igual,

Expulsou Cristo da Terra,

E recusa-se a ser mortal.

 

Viajante nas horas do tempo,

Ulisses no mundo do sonho,

Já fui guerreiro do Olimpo,

Dando a parte pelo todo.

 

(Porto, Dezembro de 1993)

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.