Centenário da República: a génese do movimento republicano

<a href="

Adiante explicarei porque comecei com o hino da «Maria da Fonte», interpretado pelo Vitorino, esta crónica, a primeira de uma série que, ao longo do ano, irei dedicando ao Centenário da proclamação da República em Portugal que, como sabemos, se celebra em 5 de Outubro. Sem a preocupação de ordenação cronológica, irei dedicando textos a momentos significativos no caminho para a queda do regime monárquico que vigorava desde a fundação do País. Hoje, falarei dos alvores do movimento republicano.

De notar, que estes despretensiosos flashes não pretendem substituir a abundante bibliografia que existe sobre o assunto. Procuram, sim, despertar o interesse pelo tema e levar a ler alguns livros fundamentais para a compreensão deste importante momento histórico. Estas sínteses funcionam, não como monumentos, mas como tabuletas que a eles conduzam. Um dos textos futuros será precisamente dedicado à enumeração das principais obras que sobre o assunto se escreveram. Eis então alguns dados.

Um dos primeiros defensores da instauração da República em Portugal foi o jornalista, escritor e político, José Félix Henriques Nogueira ( 1825-1858). Nos seus textos defendia o republicanismo e o socialismo. Expondo as suas teses sobre a instauração de um regime republicano, o municipalismo, o federalismo e o associativismo, escreveu artigos para jornais – Eco dos Operários (1851), Revolução de Setembro (1852), sendo fundador do Almanaque Democrático (1852-1855). Publicou a obra Estudos sobre a Reforma em Portugal (1852). Fundou em 1854, o jornal Progresso , que se ocupava de política e questões económicas. Natural de Torres Vedras, Henriques Nogueira morreu com apenas 33 anos. Defensor do associativismo, do cooperativismo e do iberismo, precursor da República e adepto do socialismo inspirado em homens como Charles Fourier, Louis Blanc ou Proudhon. É, por alguns historiadores considerado como um dos primeiros teóricos do ideal republicano.

Numa fase posterior e num patamar intelectual mais elevado, surge outra figura importante na construção de uma filosofia republicana – Joaquim Pedro de Oliveira Martins (1845-1894). Oliveira Martins avaliou a vida política nacional e as suas insuficiências no ponto de vista da relação entre os políticos e a sociedade civil e sobretudo das limitações da opinião pública (no que tinha toda a razão). Foi, sem dúvida, mesmo quando não formalmente, o grande mestre do pensamento liberal português, na segunda metade do século XIX, interpretando o socialismo de Proudhon numa acepção autoritária. O seu pensamento teve grande influência na evolução da historiografia portuguesa.

Em 10 de Janeiro de 1875, no reinado de D. Luís, fundava-se o Partido Socialista Português (Partido Operário Socialista). José Fontana, Azedo Gneco, Antero de Quental, figuravam entre os seus fundadores. O Partido surgia na sequência das decisões do Congresso de Haia da AIT – Associação Internacional de Trabalhadores. Entre as medidas preconizadas, incluía-se a «abolição do Estado em todas as suas formas históricas» e a preparação para o advento da «República Social».

.Em 25 de Abril de 1876, foi criado em Lisboa o Centro Eleitoral Republicano Democrático, onde se juntavam diversas sensibilidades do ideal republicano. No seguimento deste processo, eleger-se-ia o Directório do Partido Republicano. Alguns historiadores consideram que este foi o primeiro passo para a constituição do Partido Republicano, formado em 7 de Setembro 1875. Resultando do Pacto da Granja, nele se fundiram o Partido Reformista e o Partido Histórico, movimentos que, desde 1871, encabeçavam a oposição ao governo regenerador de Fontes Pereira de Melo. O espírito que presidia a esta nova formação política era o da tradição «setembrista», designação para os ideais da Revolução de Setembro de 1836 – digamos que o setembrismo era constituído pela esquerda democrática do liberalismo triunfante da Guerra Civil.

Ao setembrismo juntava-se a aura populista rescendente aos movimentos da Maria da Fonte (1845) e da Patuleia (1846). No hino da «Maria da Fonte» que ouvimos cantado pelo Vitorino, composição de Ângelo Frondoni (1812-1891), em cuja letra essa aura populista é bem notória.

Em 1878, nas eleições de Outubro, o Partido Republicano apresentou-se pela primeira vez ao eleitorado, conseguindo eleger o deputado Rodrigues de Freitas pelo círculo do Porto. Em 2 de Janeiro de 1879, mercê das divergências existentes no seio do Centro Republicano Democrático, foi criado o Centro Republicano Federal.

Porém, seria em 1880, durante as comemorações do tricentenário da morte de Camões, que as instituições republicanas e o movimento ganhariam grande impulso e implantação entre a população. Principalmente o cortejo cívico que atravessou a capital no meio de grande entusiasmo popular. A trasladação dos restos mortais de Camões e de Vasco da Gama para os Jerónimos, foram outro momento alto das comemorações, não esquecendo as luminárias.

A presença de republicanos na comissão organizadora – Teófilo Braga, Magalhães Lima, Batalha Reis, entre outros, e o envolvimento do próprio Partido Republicano na iniciativa, marca a passagem do republicanismo das salas de reuniões, para as ruas; da discussão entre gente bem pensante, saltou para o meio do povo onde o ideal foi apreendido nas suas linhas gerais, baseado em oratórias geralmente simplificadoras e demagógicas (80% da população era analfabeta).

Essa compreensão básica e linear da ideia republicana, vendo-a como solução para todos os problemas nacionais, motivou, proclamada a República, a desilusão traduzida em revoltas, motins e em golpes militares sucessivos, que acabaram por destruir a I República e conduzir à ditadura. Mas não nos antecipemos. Por hoje, quedamo-nos em 1880.

Comments

  1. xico says:

    Só a estupidez do movimento da Maria da Fonte, anti-moderno, anti-científico e anti-civilizacional, podia servir de prólogo às engenharias sociais do republicanismo e socialismo que tanto desgraçaram o século XX.
    O PS actual, está a quilómetros de distância daquelas ideias do século XIX, mas não quer que se saiba.

  2. Luis Moreira says:

    Belo hino!

  3. Carlos Loures says:

    Xico, o movimento da Maria da Fonte e a Patuleia devem ser analisados e avaliados dentro do contexto histórico em que ocorreram; julgá-los de acordo com parâmetros actuais não fará muito sentido. Luís, é de facto um hino bonito.

  4. xico says:

    Tem toda a razão. O que eu não compreendo é que na altura a Maria da Fonte foi algo contra as medidas de higiene e saúde pública de um governo que hoje, todos nós subscreveríamos e no entanto continuamos a entender que a Maria da Fonte é que estava bem. Eu não julgo a Maria da Fonte, julgo os de hoje que exaltam isso contra a razão e a ciência. E curiosamente é a esquerda que o faz.
    Do mesmo modo não julgo os republicanos de 19 porque à época não sabiam o ovo da serpente que estavam a chocar. Por isso hoje não faz sentido celebrar o 5 de Outubro, cujos valores não foram os repostos pela república saída do 25 de Abril. Celebrar o 5 de Outubro é trair o 25 de Abril.

  5. xico says:

    E não foi Antero que disse. “o pior que nos pode acontecer é sermos amanhã república”?
    E que fartou de se bater pela eliminação da confusão entre socialismo e republicanismo, chegando mesmo a recusar participar nos banquetes comemorativos da república francesa?

  6. Carlos Loures says:

    Não me parece que celebrar o 5 de Outubro seja trair o 25 de Abril. O 5 de Outubro, fez-se contra governos que se mostraram incapazes de resolver os problemas nevrálgicos do País – o analfabetismo, a miséria, no fundo questões endémicas que vinham de décadas atrás. Claro, poder-se-á dizer que a República não resolveu nenhum desses problemas centrais. Na realidade, a qualidade da classe política não melhorou substancialmente com a mudança de regime. O 25 de Abril fez-se contra uma ditadura de cariz fascista, contra a repressão, contra a guerra, contra a miséria…
    Mais uma vez estamos a meter no mesmo saco épocas separadas quase por um século, realidades distiuntas. Na minha opinião, a única constante é a incompetência da classe política, quando não mesmo a sua desonestidade. Agradeço os seus comentários.

  7. xico says:

    Carlos Loures
    Pois aí é que está a questão. É que se há alguma coisa que tenha mudado com a república foi a substituição do chefe de estado, o resto mudou para pior. Não fosse o jacobinismo serôdio e pateta da 1ª república e o país talvez tivesse mudado para melhor. Tive na família padres beirões fervorosamente republicanos que se horrorizaram com o jacobinismo de Afonso Costa. Por isso é que não faz nenhum sentido a um democrata comemorar o 5 de Outubro. Até porque sou dos que acredita que muitas vezes o melhor garante da republica é o seu rei, e não acho contraditório, pelo menos do ponto de vista semântico. Foi assim em Espanha cujo governo gere-se pelos princípios republicanos como todas as monarquias europeias.

  8. Carlos Loures says:

    Meu caro Xico,
    Compreendo a sua posição, que, aliás, é coincidente com a de um outro colaborador do Aventar, o Nuno Castelo-Branco; porém não a compartilho. Na minha opinião, a incompetência dos políticos é um reflexo das imperfeições da sociedade portuguesa no seu conjunto e não uma questão de regime. Sei que um regime monárquico não pioraria as coisas. Não acredito, no entanto, que as melhorasse. Já viu o risco de termos como chefe de Estado um pateta que se considera ungido por Deus? Não é que os PR não possam ser patetas também (até já tem acontecido…). Mas a esses podemos mandá-los embora. E não é só isso – a somar a todas as injustiças sociais, ainda teríamos de suportar viscondes, condes, duques, barões… Sou socialista, comunista não leninista, como já lhe disse. A República, com todas as suas imperfeições, aproxima-se mais do ideal igualitário que defendo do que uma Monarquia que, por definição, constitui uma estratificação da desigualdade. Espanha é um mau exemplo para mim, pois trata-se de um estado artificial – uma nação (Castela) impôs o seu domínio às que a circundavam – só nós escapámos, pelo menos por enquanto. Um abraço.

  9. xico says:

    Sobre o mandar embora o rei, sabe bem que é uma falsa questão. Pode fazer-se e já o fizemos, a começar por Sancho II e a acabar em Maria I, passando por Afonso VI.
    Quando à pandilha aristocrática também partilho da sua preocupação, até porque a maioria actualmente de nobre têm muito pouco. Mas também é uma falsa questão porque nas monarquias constitucionais já não têm função. De qualquer forma sinto-me confortável em república como me sentiria em monarquia. 5 de Outubro só o do tratado de Zamora.
    Quanto a Castela e a Espanha, nunca percebi a preocupação mais a mais vindo de um comunista. Se os estados são artificiais também o podem ser as nações e ainda hoje mesmo soube que muitos russos de uma determinada região (não fixei) ainda se consideram alemães. A Espanha tem uma representação nacional democrática e os seus governantes não são necessariamente castelhanos.
    Um abraço.

  10. xico says:

    Desculpe voltar,
    mas já viu bem que a desigualdade gerada pela monarquia ( e falo só da família real) não favorece em nada, nos dias de hoje, os próprios, pois joga contra eles. Impôe-lhes um dever que seria considerado falta de carácter recusar. Acha que nos dias de hoje alguém quer ser rei por vontade das regalias e/ou mordomias que são mais míticas que verdadeiras?

  11. Carlos Loures says:

    Num comentário a um outro texto meu, digo qual a minha posição quanto ao internacionalismo proletário. A tese de que o proletariado é a vanguarda revolucionária deverá ser revista à luz de uma realidade em que o proletariado, passando a ser residual, já não é o alvo preferencial do capitalismo. Acho que seria maravilhoso um mundo sem fronteiras, sem nações – todo o mundo ser a tal nação, a «terra sem amos» de que fala a Internacional. Mas estamos longe disso e enquanto assim for, mantenho o meu patriotismo. Quanto à democraticidade do estado espanhol, existindo assenta no pressuposto de uma Espanha una, com o castelhano como língua principal, com capital em Madrid, com um chefe de Estado castelhano… Os governantes podem ser galegos, bascos ou catalães, desde que se exprimam em castelhano e aceitem o princípio da unidade do Estado espanhol. As nacionalidades periféricas estão, desde há séculos, a ser sujeitas a um processo de aculturação. Na Catalunha reacendeu-se a discussão sobre a prevalência da separação sobre o estatuto de autoinomia actualmente em vigor. No País Basco é o que se sabe. E na Galiza, nunca como agora, tanto se falou de uma ligação a Portugal (cultural, obviamente, e mesmo política, segundo alguns sectores de opinião). Tive a alegria de ver desaparecer a União Soviética e a Jugoslávia, hegemonizadas por russos e sérvios; gostava de ver desaparecer a Espanha e a Grã-Bretanha. As nações subjugadas da Europa deviam poder recuperar a sua independência. Porque só poderemos ser internacionalistas, quando todos os povos forem respeitados por igual.

  12. Carlos Loures says:

    Talvez tenha razão e ser rei (M/F) seja um frete. Mas esse é um aspecto subjectivo da questão e que me parece ser irrelevante (se não querem ser reis, podem sempre abdicar). Interessa-me o aspecto objectivo – a submissão a que nos sujeitamos, relativamente a um tipo que tanto pode ser um génio como um atrasado mental. E se for um génio, nada nos garante que o filho não seja tonto. Na minha opinião, na «escala evolucionária» dos regimes políticos, as monarquias são arcaicas, desajustadas do real quotidiano. Platão definia-as como o «governo de um homem bom». E se o gajo é mau? A República é, por definição, um regime mais democrático. Embora haja repúblicas tão ou mais despóticas do que as piores monarquias.

  13. Patricia says:

    Sabe se existe algum monumento comemorativo da instauraçao da republica???Se souber por favor diga-me o nome.

  14. Carlos Loures says:

    À República, não conheço nenhum monumento. Em Lisboa, na Avenida António José de Almeida, com a Alves Redol, junto ao Instituto Superior Técnico, há um monumento a António José de Almeida, com figura da República (obra de Leopoldo de Almeida). Era junto desse monumento que, antes de 1974, se comemorava o 5 de Outubro, colocando flores junto da estátua do tribuno em bronze, tutelado pela República em mármore branco.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.