Posts históricos da blogosfera: Como José Leite Pereira chegou ao JN

Em 8 de Janeiro de 2005, o «Glória Fácil», onde então escreviam João Pedro Henriques e Fernando Câncio, aborda a liderança do «Jornal de Notícias» e a sucessão que se preparava. José Leite Pereira seria o novo director. Passaram-se desde então 5 anos e aquele texto, à luz daquilo que hoje sabemos, é completamente surreal. João Pedro Henriques, embalado provavelmente pela companhia de blogue, conseguiu escrever pérolas como esta: «Esta capacidade de resistir tornou certamente o jornal desagradável aos que, no triângulo PT/Lusomundo/Governo, o esperavam mais dócil para o poder vigente. Esses, se pudessem, livrar-se-iam o mais rapidamente possível de José Leite Pereira e da sua direcção».
O conteúdo do «post» é tão actual que tem de ser considerado um dos «posts» históricos da blogosfera portuguesa.
«José Leite Pereira dirige o “Jornal de Notícias” há cinco anos. Frederico Martins Mendes, que agora se reformou, é desde então apenas “director” no cabeçalho (apesar da sua grande influência histórica no jornal).
Sob a direcção de José Leite Pereira, o Jornal de Notícias melhorou a olhos vistos. Ele e a sua equipa (David Pontes, Alfredo Leite, António José Teixeira) transportaram para o jornal uma dinâmica que só não vê quem não quer. O jornal continua a vender muito bem e isso acontece sem cedências a tentações tabloidizantes.
Além do mais – e isto é muito importante – o JN conseguiu resistir à governamentalização dos seus conteúdos, o que não é coisa pouca tendo em conta que se trata (de longe) do produto escrito mais valioso do império PT/Lusomundo.
Esta capacidade de resistir tornou certamente o jornal desagradável aos que, no triângulo PT/Lusomundo/Governo, o esperavam mais dócil para o poder vigente. Esses, se pudessem, livrar-se-iam o mais rapidamente possível de José Leite Pereira e da sua direcção.
Contudo, face aos resultados obtidos nos últimos anos, não havia margem para fazer com Leite Pereira e o que foi feito no DN com a direcção de Fernando Lima. E, assim, com a passagem à reforma de Frederico Martins Mendes, José Leite Pereira foi naturalmente convidado a suceder-lhe no cargo de “director” – que, repete-se, na prática já desempenhava há cinco anos, com o título de “director de redacção”.
Ontem, estranhamente, o Conselho de Redacção (CR) do jornal (que integra o presidente do sindicato dos jornalistas, Alfredo Maia) decidiu “não dar parecer favorável” à designação de Leite Pereira. Por outras palavras: fez o que no topo da PT/Lusumundo (e no Governo, claro está) se gostaria de poder fazer (mas não havia coragem política para).
Felizmente, a redacção mobilizou-se e lançou um abaixo-assinado que, na prática, vai desautorizar o Conselho de Redacção (e, evidentemente, forçá-lo a demitir-se). O parecer do CR não é vinculativo mas a direcção do JN terá evidentemente outra força para ignorar esse parecer se o abaixo-assinado da redacção se revelar substantivo no seu apoio (o que está a acontecer).
Mas volto à vaca fria: o que terá propiciado esta estranha aliança objectiva entre o CR do jornal e quem queria afastar a direcção liderada por José Leite Pereira?»

Comments

  1. jujgy says:

    Que grande treta para aqui vai. O parecer negativo deve-se pura e simplesmente à incompetencia do gajo. O jornal continua a cair desde que ele lhe meteu as unhas, isso é que é historico, pa. Grandes nabos, chiça…

  2. Ricardo Santos Pinto says:

    Tens toda a razão. Por isso é que é um post histórico, como se diz na introdução. Porque falhou em toda a linha. Aliás, sobre Leite Pereira, será de ler isto: http://www.aventar.eu/2010/02/03/a-verdadeira-historia-de-jose-leite-pereira-no-jn/


  3. o jornal iá agora irá retomar os critérios que o definiram ao longo da sua basta história; virado a norte, com personagens do norte para o norte. Este será o JN de sempre.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.