Inês de Medeiros quer passear à minha custa


Inês de Medeiros, moradora na rua de Santa Catarina, em Lisboa, foi eleita deputada à Assembleia da República pelo círculo de Lisboa.
Agora, diz que mora em Paris e quer que eu (e tu, amigo leitor, e tu) lhe pague uma viagem semanal de ida e volta para Paris. Em Classe Executiva, claro está, que a classe económica não faz jus à sua categoria (se fosse ela a pagar, até em «low-cost» viajava; como sou eu a pagar, tem de ir em Executiva).
Diz que os filhos estão lá a viver. E que tenho eu com isso?
O PS, como seria de esperar, está a usar todas as artimanhas para ver se passa. Equipará-la a deputada eleita pelo círculo da Europa foi a proposta do inefável José Lello. E no final, claro que eu – e tu, amigo leitor, e tu – vou pagar as viagens a mais uma que anda a parasitar o Erário público. Diz que é para ver os filhos que moram em Paris. E se morassem nas Seychelles, eu também tinha de pagar?

Comments

  1. Adão Cruz says:

    obsceno, como tantas outras obscenidades a que já estamos habituados pelos parasitas do sistema

  2. Luis Moreira says:

    Eu como ela é tão boa (gaja) ainda estive tentado a concordar, mas realmente ir a Paris todas as semanas, à nossa custa é demais. Ó menina, fique por cá!

  3. Nuno Castelo-Branco says:

    Dá uma vista de olhos no post das duas da tarde. Percebes logo a tramóia!

  4. maria monteiro says:

    Já que somos nós todos a pagar…será que a podemos utilizar como transportadora de encomendas?

  5. maria monteiro says:

    em Portalegre conta-se a história duma mulher que semanalmente atravessava a fronteira de bicicleta e regressava a pé…. nunca foi apanhada com contrabando… soube-se mais tarde que era contrabandista de bicicletas

  6. Ricardo Santos Pinto says:

    Essa é genial, Maria.

  7. xico says:

    Ela será professora? É que conheci muitas professoras que tinham de trabalhar longe da casa onde tinham os filhos…

  8. Ricardo says:

    É verdade, Chico. Também conheço muitas professoras que vivem longe dos filhos. Eu próprio vivi nos últimos 3 anos a 150 km de casa e só vinha a casa ao fim-de-semana.
    E vê lá tu, pagava as viagens do meu próprio bolso. E não recebia nem mais um tostão por estar fora de casa.

  9. Francisco says:

    Agora sim, isto é que é uma verdadeira artista.
    Já não ha vergonha na cara.
    Preparem-se que ha mais “Artistas” destes a querer comer do bolo.
    Por exemplo o Sr. Pedro Abrunhosa cambalhota


  10. De facto somos um povo de brandos costumes.

    Saudações Marítimas
    José Modesto

  11. Carlos Fonseca says:

    O interesse nacional justifica o pagamento à Inês as viagens em classe executiva, uns jantares na Brasserie Lipp, em Saint-Germain des Pres, histórico espaço ‘chic’ frequentado por intelectuais e políticos de renome.
    Ganha a TAP, ganha a Brasserie de Lipp, ganha a Inês e perde o País; ou seja, os únicos a perder somos nós cidadãos e contribuintes, mas que importância tem isto?

  12. Iscas says:

    O vidinha do Lello bem investigada também dava cá uma novela…oculta. A PJ que se debruce

  13. Nuno Castelo-Branco says:

    Pois sim, mas eu ainda me lembro de ir todas as 6ª feiras em serviço e a Paris. Ia na Air Liberté – à minha custa, claro – e aqueles 6 meses consecutivos, permitiram-me observar certas curiosidades. Uma delas, era o estranho facto da omnipresente peça da aviação que dá pelo nome de Falcon, com a cruz de Cristo e o conhecido dístico força aérea portuguesa. adivinhem quem rotineiramente se escapulia do país ao fim de semana, sem dizer uma nem duas ao parlamento, tendo por norma de lhe pedir autorização para sair do país? Adivinhem lá…

    Outro caso recorrente, era quando viajei várias vezes na TAP, um qualquer sôdotour ministro ir na Navigator e chegados a Orly, ficar tempos infindos a palrar com alguém na cabine, borrifando-se para o povinho – nós – que viajávamos em turística. É que ninguém podia sair, sem que “a vocência” evacuasse o A320. Prepotências terceiro-mundistas de republiqueta de (más) bananas.

  14. Tone says:

    Com o devido respeito,
    Eu pagava-lhe era uma viagem para a grande puta que a pariu, acompanhada pelo caralho que a foda


  15. Eu vivo na Alemanha, Não sou tão exigente… quero uma viagem para Portugal por mês pois tenho toda a minha família ai em Portugal, e os meus filhos também precisam dos avós, e pode mesmos ser de «low-cost», há já agora o aluger do carro para poder andar ai pois sou da zona centro…

  16. UMDOSFODIDOS says:

    Caros(as) amigos(as)
    Portuguêses
    Isto só vai, quandos os nossos politicos começarem a aparecer pendurados no Pelourinho

    BEM HAJA

  17. Ricardo says:

    Desculpem mas eu não concordo com este tipo de linguagem – comentário 14. Claro está, estou a ser irónico, porque esta merda até chateia… quando me contaram isto… até chorei!!! Ok, quase, mas… ok, não chorei, mas apetecia-me!!! Temos milhares de professores, médicos e outras profissões, a trabalhar longe de casa e terem de pagar as despesas todas, e estamos a falar de trabalhar em Portugal. Esta Srª, tem tudo pago, além do vencimento, que por certo será pouco… fdp, não existem portugueses a morar cá “dispostos” a trabalhar na Assembleia? Que more lá perto, arrende um T0, que vá trabalhar a pé ou de autocarro??? Que raiva… mas ela até tem razão, se tem direito a isso, pois claro que não ia abdicar… … … mas nós TODOS não nos importámos, só queremos é que o nosso clube não perca, que haja uns concertos de fado, e que a Selecção vá ganhando uns joguitos… povo lento… é por isso que não voto, nem lá ponho os pés!!! E alguns dizem: “se não votas, não podes criticar…” – se tivesse votado, o que é que eu poderia fazer para evitar que esta senhora doutora tenha direito a isto tudo????? Não existem outras pessoas para o cargo????? Já não chegam 230 deputados, ainda é preciso atura isto??? Ó Portugal Portugal……. Ah, desculpem a linguagem, não gosto mesmo de palavrões, a sério… foda-se!!!

  18. Ricardo Reis says:

    É uma pouca vergonha. Coitadinha da menina Inês de Medeiros, que não passa de uma gaja sem qualquer tipo de principios. Qual é o moral desta senhora?! Aliás qualquer deputado para mim não passa de um chupista que anda a viver as nossas custas, com 2 ordenados muitas vezes! E é assim o Portugal que temos….


  19. A educação e o exemplo que recebi da gente que me viu crescer não me permitiria andar a “ter o direito” de parasitar os outros, a fazer dos outros tótós.
    Esta merda vai ter que mudar.

    Mas… que lhe prometeu as viagens? Tanto são para Paris como ser para Caraíbas, onde calha se podem ter filhos, basta dizer que sim e o povo paga. Burros…

Trackbacks


  1. […] Inês de Medeiros quer passear à minha custa […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.